Comitê da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e

Litoral Sul

CBH-RB

Fundo Estadual de Recursos Hídricos - FEHIDRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PLANO DE BACIA

UGRHI 11

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 CETEC - Centro Tecnológico                                                     

APRESENTAÇÃO

 

 

O Plano de Bacia, mencionado na Lei Estadual no. 7.663/91, em seu Artigo 29, Parágrafo 1o, Inciso I, é um instrumento de planejamento dinâmico, numa visão de curto, médio e longo prazo, definido nos diversos cenários possíveis, de forma a permitir uma gestão compartilhada do uso integrado dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos.

 

Elaborado ou atualizado quadrienalmente, deve basear-se no diagnóstico da bacia, definindo diretrizes gerais visando ao desenvolvimento local e regional, e às metas para se atingir índices progressivos de recuperação, preservação e conservação dos recursos hídricos da bacia hidrográfica, com especial ênfase às áreas críticas identificadas no Relatório “0”. Considera e compatibiliza os programas setoriais e demais instrumentos de gestão. Propõe prioridades de ações, escalonadas no espaço e no tempo, com as respectivas avaliações de custos, de forma a propor o modelo de gerenciamento integrado dos recursos hídricos da bacia, sob a ótica do desenvolvimento sustentável.

 

Conforme preceitua a Lei Estadual 7.663/91, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul – CBH-RB foi instalado em 13 de janeiro de 1.996, com a competência estabelecida em estatuto, de gerenciar os recursos hídricos da bacia, objetivando à sua recuperação, preservação e conservação.

 

O chamado Relatório “0”, que estabelece o diagnóstico da situação dos recursos hídricos na bacia hidrográfica, foi elaborado, atendendo ao texto do Plano Estadual de Recursos Hídricos 1996/1999, aprovado pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos, em 11 de dezembro de 1995.

 

Com base no Relatório “0”, o CBH-RB decidiu-se pela elaboração do correspondente Plano de Bacia, instrumento básico e indispensável para a adequada gestão integrada dos recursos hídricos da bacia. O Plano levará em consideração a realidade da UGRHI 11, tomando por base as metas e prioridades constantes do PL 05/96, em seus anexos V1 a V21.

 

São objetivos gerais do Plano de Bacia:

 

·        definir as diretrizes gerais para orientar o desenvolvimento local e regional;

 

·        definir as metas para se atingir índices progressivos de recuperação, preservação e conservação dos recursos hídricos da bacia;

 

·        estabelecer os programas e respectivas ações, necessários para que essas metas sejam atingidas, baseando-se nas áreas críticas identificadas no Relatório “0”.

 

A elaboração do Plano de Bacia, além de constituir-se numa exigência institucional, permitirá o correto equacionamento das questões ambientais na bacia, prevendo a organização jurídico-institucional dos poderes locais, além da participação e comprometimento das comunidades, fatores condicionantes do sucesso da implementação das políticas estadual e nacional de recursos hídricos.

 

Ressalte-se, ainda, que o Plano de Bacia permitirá o encaminhamento, para análise e aprovação, de programas e projetos ambientais, por parte das instituições financeiras.

 

A elaboração do Plano de Bacia vem consolidar, no âmbito da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, um processo de gerenciamento das águas, democrático, descentralizado, compartilhado e sustentável.

 

 

 

 


ÍNDICE

 

 

1.- A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRA DE IGUAPE E LITORAL SUL – UGRHI 11      6

 

1.1.- ASPECTOS GERAIS                                                                                                                6

 

1.2.- CARACTERÍSTICAS FÍSICAS                                                                                                9

 

                1.2.1.- Geologia                                                                                                                                9

                1.2.2.- Recursos Minerais                                                                                                             9

                1.2.3.- Geomorfologia                                                                                                                     11

                1.2.4.- Pedologia                                                                                                                              11

                1.2.5.- Potencialidade Agrícola                                                                                                    11

                1.2.6.- Biodiversidade                                                                                                                    12

                1.2.7.- Província Espeleológica                                                                                                   12

 

1.3.- SÓCIO-ECONOMIA                                                                                                                                 13

 

                1.3.1.- Histórico do Desenvolvimento da Região                                                                     13

               

1.4.- DEMOGRAFIA                                                                                                                                          17

 

1.5.- USO E OCUPAÇÃO DO SOLO                                                                                                              19

 

1.6.- SAÚDE E SANEAMENTO                                                                                                                       22

 

1.7.- RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEOS                                                            25

 

 

2.- OBJETIVOS, METAS E PROPOSIÇÃO DE PROGRAMAS                                       31

 

2.1.- AS OFICINAS DE TRABALHO                                                                                                32

 

                2.1.1.- Primeira Oficina de Trabalho                                                                                          32

                2.1.2.- Segunda Oficina de Trabalho                                                                                          42

                2.1.3.- Primeira Oficina Regional de Trabalho                                                                         64

                2.1.4.- Segunda Oficina Regional de Trabalho                                                                         68

                2.1.5.- Terceira Oficina Regional de Trabalho                                                                         72

                2.1.6.- Conclusões das Oficinas de Trabalho                                                                          75

               

2.2.- RECOMENDAÇÕES DO RELATÓRIO “0”                                                                                           78

 

2.3.- OBRAS PLANEJADAS PARA A UGRHI 11                                                                                         83

 

                2.3.1.- Resumo Histórico das Obras Planejadas                                                                    83

                2.3.2.- Barramentos Propostos para a Bacia do Ribeira                                                      85

 

2.4.- DEMAIS OBRAS E INTERVENÇÕES PREVISTAS OU IMPLANTADAS                                          88

 

                2.4.1.- Barragem do Valo Grande                                                                                                88

                2.4.2.- Monitoramento do Complexo Lagunar Iguape-Cananéia                                         89

                2.4.3.- Sistema de Alerta (Rede Telemétrica)                                                                          90

                2.4.4.- Definição de Áreas de Restrição de Uso                                                                      90

2.4.5.- Retificação e Desassoreamento do Ribeira Velho                                                    91

                2.4.6.- Aproveitamento das Várzeas do Ribeira através de Pôlderes                               92

                2.4.7.- Fixação da Curva de Icapara                                                                                           93

                2.4.8.- Fixação da Barra do Ribeira                                                                                            94

                2.4.9.- Projeto Juquitiba                                                                                                                94

 


2.5.- PLANO DE AÇÃO PARA A BACIA DO RIBEIRA DE IGUAPE                                                            97

 

                2.5.1.- Apoiar as Iniciativas da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e da CESP

(ou sua sucessora) na Implantação de Aproveitamentos Hidrelétricos Propostos

para a Bacia do Ribeira do Iguape                                                                                              97

2.5.2.- Concluir as Obras do Vertedouro da Barragem do Valo Grande                           97

2.5.3.- Aprimorar a Rede Telemétrica Local e o Sistema de Alerta

contra Inundações                                                                                                                         98

2.5.4.- Implementar Programas de Relocação das Populações

Urbanas e Rurais Assentadas em Áreas de Risco                                                                98

2.5.5.- Implantar Sistemas de Sinalização e Identificação, Indicativos de

Áreas e Níveis de Risco de Inundações                                                                                   99

2.5.6.- Elaborar o Mapa do Zoneamento de Obras Inundáveis do Vale do Ribeira         99

2.5.7.- Reavaliação dos Estudos de Controle de Cheias e de Aproveitamento

Hidroagrícola no Vale do Ribeira, Incluído-se Também os Vales dos Rios

Jacupiranga, Guaraú e Juquiá e a Operação das Comportas da Barragem do

Valo Grande                                                                                                                                      100

2.5.8.- Promover Programas Voltados para o Desenvolvimento Sustentável

da Região                                                                                                                                          101         2.5.9.- Acelerar o processo de discriminação e regularização fundiária no

Vale do Ribeira                                                                                                                                101

 

2.6.- FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO DO VALE DO RIBEIRA                                                 103

 

                2.6.1.- Turismo                                                                                                                                 103

                2.6.2.- Mineração                                                                                                                            105

                2.6.3.- Agropecuária/Pesca                                                                                                          105

                2.6.4.- Políticas Públicas                                                                                                               106

 

2.7.- PLANO DE AÇÃO 2000-2003                                                                                                               110

 

 

3.- Metas e Estratégias de Curto, MÉDIO E LONGO PrazoS               124

 

3.1.- DESCRIÇÃO DAS AÇÕES                                                                                                                      126

 

3.2.- CONTRIBUIÇÕES AVALIADAS PELA CÂMARA TÉCNICA DE PLANEJAMENTO         152

 

3.3.- SIMULAÇÃO DE RECEITA A SER AUFERIDA COM A COBRANÇA PELO

USO DA ÁGUA                                                                                                                                                  159

 

 

4.- FICHAS TÉCNICAS E PLANO DE INVESTIMENTOS                                               162

 

4.1.- FICHAS TÉCNICAS DAS AÇÕES DE CURTO PRAZO                                                                        165

 

4.2.- FICHAS TÉCNICAS DAS AÇÕES DE MÉDIO E LONGO PRAZOS                                    232

 

4.3.- PLANO DE INVETIMENTOS                                                                                                                   270

 

 

5.- CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES                                                                     280

 

 

6.- EQUIPE TÉCNICA                                                                                                  282

 


1.- A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRA DE IGUAPE E LITORAL SUL - UGRHI 11

 

 

1.1.- ASPECTOS GERAIS

 

A Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos no.11 - UGRHI 11, correspondente à Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, localiza-se na região sul do Estado de São Paulo.

 

Os Municípios integrantes da UGRHI 11 estão relacionados no Quadro abaixo, que também especifica aqueles que possuem território em outras UGRHIs.

 

 

Município

 

Área (km2)

% de área na UGRHI 11

UGRHI com

localização parcial

do território

% de área na UGRHI correspondente

Apiaí

960,11

55,20

UGRHI 14

47,80

Barra do Chapéu

412,40

100

 

 

Barra do Turvo

997,40

100

 

 

Cajati

455,20

100

 

 

Cananéia

1.113,30

100

 

 

Eldorado

1.667,00

100

 

 

Iguape

1.934,00

100

 

 

Ilha Comprida

295,10

100

 

 

Iporanga

1.125,00

100

 

 

Itaóca

196,20

100

 

 

Itapirapuã Paulista

426,30

100

 

 

Itariri

274,34

81,03

UGRHI 7

18,97

Jacupiranga

697,50

100

 

 

Juquiá

818,80

100

 

 

Juquitiba

513,60

100

 

 

Miracatu

1.002,00

100

 

 

Pariquera-Açu

361,30

100

 

 

Pedro de Toledo

682,30

100

 

 

Registro

721,20

100

 

 

Ribeira

334,30

100

 

 

São Lourenço da Serra

148,90

100

 

 

Sete Barras

1.069,00

100

 

 

Tapiraí

768,84

88,39

UGRHI 14

11,61

 

Os mapas consultados, elaborados pelo IGC, pelo IBGE e pelo IPT, face às escalas adotadas, não permitem uma definição conclusiva quanto ao percentual de área do Município de São Lourenço da Serra localizado na UGRHI 6.

 


O Quadro seguinte relaciona os municípios que possuem território na UGRHI , mas têm sede em outra UGRHI.

 

 

Município

 

Área (km2)

% de área na UGRHI 11

 

Localização da sede

% de área na UGRHI correspondente

Piedade

733,90

16,38

UGRHI 10

83,62

Ibiúna

1065,00

47,49

UGRHI 10

52,51

 

As maiores cidades localizadas na UGRHI 11 são: Registro, Cajati, Iguape e Apiaí. Sua área de drenagem é de 17.180,09 km2, compreendendo a Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape além de outras bacias que deságuam no Oceano Atlântico e canais estuarinos, como é o caso dos Rios Comprido ou Una, Rio Itimirim, Rio Iririaia-Mirim e Rio Ipiranguinha. Suas nascentes, em geral, encontram-se na vertente marítima da serra do Mar e, após vencerem desníveis acentuados, conformam planícies flúvio-marinhas, drenam manguezais e desaguam no oceano ou canais estuarinos.

 

A UGRHI 11 limita-se a sudoeste com o Estado do Paraná, ao norte com as UGRHIs 14, do Alto Paranapanema, e 10, do Sorocaba e Médio Tietê, a nor-deste com as UGRHIs 6, do Alto Tietê, e 7, da Baixada Santista, e a leste com o Oceano Atlântico.

 

O Quadro seguinte identifica as sub-bacias que foram definidas, indica as correspondentes áreas de drenagem e relaciona os Municípios que as integram.

 

O clima da UGRHI do Ribeira de Iguape e Litoral Sul pode ser classificado, de um modo geral, como tropical úmido com ligeira variação entre as zonas costeiras e a serra de Paranapiacaba.

 

Em particular, o trecho baixo da UGRHI apresenta características climáticas que são bem representadas pela estação de Iguape, onde a temperatura média anual é de 21,5 ºC, a precipitação normal anual de cerca de 1.900 mm e a umidade relativa do ar próxima de 70%.

 

Quanto à distribuição espacial e temporal das chuvas, na UGRHI 11 chove, em média, cerca de 1.400 mm/ano, sendo a sub-bacia do Rio Juquiá, com 1.500 mm/ano, bem mais chuvosa do que a sub-bacia do Rio Ribeira de Iguape. O trecho mais chuvoso da UGRHI abrange as áreas drenadas pelo baixo curso do Ribeira, à jusante de Registro.

 

A bacia do rio Ribeira de Iguape participa inteiramente das condições meteorológicas peculiares do Sul do Brasil, sofrendo com freqüência a ação das massas de ar e das perturbações frontais que assolam a costa brasileira, ao sul da Bahia. A região, na maior parte do tempo, fica sob a ação da massa de ar Tropical Atlântica, controlada pelo anticiclone subtropical semipermanente do Atlântico Sul.


 

 

Código

 

Sub-bacia

Área de

drenagem

(Km 2)

 

Municípios

 

 

1

 

Alto Ribeira

 

1.781,44

Barra do Chapéu, Itapirapuã Paulista, Apiaí, Itaoca, Iporanga, Ribeira.

 

2

 

Baixo Ribeira

 

3.115,63

Apiaí, Iporanga, Eldorado, Sete Barras.

 

 

3

 

Rio Ribeira de Iguape

 

1.184,94

 

Registro, Pariquera-Açu, Iguape.

 

 

4

 

Alto Juquiá

 

1.493,46

São Lourenço da Serra, Juquitiba, Tapiraí.

 

 

5

 

 

Médio Juquiá

 

1.166,59

 

Tapiraí, Juquiá, Miracatu.

 

 

6

 

 

Baixo Juquiá

 

1.059,20

 

Juquiá, Tapiraí, Sete Barras.

 

 

7

 

Rio São Lourenço

 

1.240,80

 

Miracatu, Pedro de Toledo, Juquiá.

 

 

8

 

 

Rio Itariri

 

511,83

 

Itariri, Pedro de Toledo.

 

 

9

 

 

Rio Una da Aldeia

 

950,42

 

Iguape.

 

 

10

 

 

Rio Pardo

 

1.082,03

 

Barra do Turvo.

 

 

11

 

Rio Jacupiranga

 

1.469,93

 

Jacupiranga, Cajati, Registro, Pariquera-Açu.

 

 

12

 

 

Vertente Marítima Sul

 

1.544,15

 

Cananéia, Ilha Comprida.

 

 

13

 

 

Vertente Marítima Norte

 

539,67

 

Iguape.

 

ÁREA TOTAL

17.180,09

 

Fonte: CETEC


1.2.- CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

 

1.2.1.- Geologia

 

A região contém uma grande variedade de rochas com características distintas (idade, gênese e área de ocorrência) que podem ser agrupadas em três grandes domínios geológicos.

 

O primeiro corresponde às rochas metamórficas pré-cambrianas caracterizadas em geral, pelo comportamento mais resistente (duras e coerentes) e principalmente pela presença de estruturas orientadas, tanto xistosas como migmatíticas e gnaissicas.

 

Fazem parte deste grupo também, as rochas cataclásticas antigas e mais jovens (Paleozóicas), geradas por esforços de cizalhamentos em zonas de falhamentos. Todas estas rochas são dominantes na bacia, sendo encontradas principalmente nas áreas mais acidentadas.

 

O segundo domínio com presença mais restrita, corresponde às rochas magmáticas representadas por corpos intrusivos graníticos, básicos e alcalinos. Estas últimas, em geral, possuem um melhor comportamento geomecânico, por serem mais homogêneas, maciças e isotrópicas (devido a presença de minerais sem orientações preferenciais), além de apresentarem altas resistências mecânicas e forte coesão dos constituintes minerais.

 

O terceiro domínio corresponde às rochas brandas e aos sedimentos inconsolidados, representados pelas coberturas sedimentares cenozóicas, encontrados nas porções de relevos suavizados e planos, principalmente na Baixada Litorânea.

 

1.2.2.- Recursos Minerais

 

A Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, especialmente a região do Vale do Ribeira é detentora de importante potencial mineral, na realidade, o principal do Estado de São Paulo. Na região ocorre grande variedade de substâncias minerais, desde ferrosos, metálicos não ferrosos e preciosos, além de minerais industriais diversos e materiais naturais destinados à indústria de construção civil.

 

Este potencial mineral influiu na vocação econômica local e permitiu o desenvolvimento de atividades de extração desde o início da colonização do Vale do Ribeira, contribuindo para a fixação da população na região.

 

Não obstante este potencial - mais mineral e menos agropecuário - iniciado com a mineração de ouro e seguido da descoberta de outras ocorrências de minerais metálicos, não foi possível promover o desenvolvimento da região no mesmo ritmo do restante do Estado de São Paulo. Atualmente o setor enfrenta um cenário de paralisação da totalidade das lavras de chumbo, uma contínua extração de calcários e dolomitos, novas descobertas de minerais raros em diversos pontos da região e um avanço da exploração de areias.

É importante registrar o esforço que ocorre na UGRHI 11 visando ao aproveitamento do extraordinário potencial econômico, representado pelas fontes de água mineral.

 

Proprietários de glebas, além de empresas privadas, formalizaram pedidos para exploração de 51 fontes hidrominerais localizadas nos Municípios de Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu, São Lourenço da Serra e Juquitiba. Os pedidos tramitam no Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM, do Ministério das Minas e Energia.

 

Esse interesse de particulares pelas nascentes, levou as quatro Prefeituras a formular um Plano Diretor de Hidromineração, com o apoio da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico.

 

Em 8 de setembro de 1999 foi celebrado contrato envolvendo a Secretaria de Estado acima citada, os quatro Municípios e o IPT, objetivando a elaboração do “Plano Diretor de Hidromineração para os Municípios de São Lourenço da Serra, Embu-Guaçu, Juquitiba e Itapecerica da Serra”.

 

Em 26 de junho de 2002 foi assinado o correspondente “Termo da Ordem de Serviço”, habilitando o IPT a realizar os serviços contratados.

 

Nesse projeto, o Governo do Estado de São Paulo está investindo cerca de R$140.000,00.

 

Acredita-se que a exploração das fontes de água mineral poderá redefinir o perfil econômico da Região.

 

É oportuno registrar, também, que o Fórum de Desenvolvimento do Vale do Ribeira, realizado em 11 de março de 2000, destacou a região do Vale do Ribeira como detentora do principal e mais importante potencial mineral do Estado. Na UGRHI 11 ocorre, além das fontes de águas minerais, uma grande variedade de substâncias minerais, desde ferrosos, metálicos não ferrosos e preciosos, minerais industriais diversos e materiais naturais destinados à indústria de construção civil.

 

Atualmente, a região apresenta alguns importantes pólos de indústria extrativa mineral, destacando-se:

 

·        Apatita e carbonatito, no Município de Cajati;

 

·        Calcáreo (mármore) em Apiaí;

 

·        Areia nos Municípios de Juquiá, Miracatu, Registro e Sete Barras;

 

·        Saibro, areia industrial, cascalheira e argila na região lagunar.

 

O potencial mineral do Vale do Ribeira ainda depende de um melhor conhecimento das ocorrências, destacando-se: ocorrências auríferas aluvionares, mármores (calcáreos e dolomitos), pedras de revestimento, ouro, minerais metálicos não ferrosos, fluorita, grafita, terras raras e ocorrências polimetálicas.

 

1.2.3. -  Geomorfologia

 

O Vale do Ribeira é entalhado por um processo contínuo de dissecação comandada pelo sistema hidrográfico de seu principal rio e de seus afluentes em rochas cristalinas, e produziu um amplo anfiteatro erosivo - composto por extensas áreas serranas, profundamente entalhado em forma de vales encaixados, escarpas abruptas e festonadas - conectado com uma seqüência de planícies sedimentares, localizadas próximo à beira mar. Este amplo anfiteatro dissecado fez recuar as escarpas contínuas da Serra do Mar até algumas dezenas de quilômetros do litoral; ao mesmo tempo que fornecia os sedimentos depositados em largas planícies aluviais que se abrem a partir de alvéolos no sopé das vertentes da serra.

 

A porção de Planalto Atlântico, encontrada nos limites setentrionais da UGRHI, constitui a unidade fisiográfica composta por terras altas que ocupam a posição de cimeira nos interflúvios e limites da UGRHI. Entre as altitudes de 600 m e 1.000 m, do Planalto Atlântico, são encontradas pequenas porções de 4 zonas geomorfológicas: Planalto Paulistano, Planalto de Ibiuna, Planalto de Guapiara e Planalto do Alto Turvo.

 

1.2.4.- Pedologia

 

Os solos identificados refletem de um modo geral, as particularidades climáticas, o relevo plano de várzea ou acidentado em rochas cristalinas. Os símbolos de suas legendas contém as seguintes associações de solos:

 

    Latossolo Amarelo Álico (LAa)

    Latossolo Vermelho-Amarelo Álico (LVa)

    Latossolo Variação Una Distrófico ou Álico (Lud)

    Terra Bruna Estruturada Distrófica (TBd)

    Podzólico Vermelho-Amarelo (PVd)

    Cambissolos (Ca)

    Latossolo Vermelho-Amarelo

    Podzólico Bruno-Acinzentado Eutrófico

 

1.2.5.- Potencialidade Agrícola

 

A UGRHI do Ribeira de Iguape e Litoral Sul é caracterizada de um modo geral, por possuir pequenas áreas de solos do tipo muito bom e extensas áreas de solos apenas regulares para agricultura. O motivo se deve a baixa fertilidade de seus solos e ao excesso de água, além de limitações impostas pela mecanização, tanto pelo encharcamento, como devido à presença de terrenos muito acidentados.

 


1.2.6.- Biodiversidade

 

As formações vegetais da Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul são as da Mata Atlântica e seus ecossistemas associados (Secretaria do Meio Ambiente, 1998). São os Mangues nas desembocaduras dos rios que dão suporte a fertilidade das águas costeiras. Possuem três espécies de árvores predominantes. A Rhizophora mangle com suas raízes escuras nos locais de maior salinidade, a Avicennia schaveriana ou siriúba que cresce nos ambientes de menor salinidade e a Laguncularia racemosa conhecida como mangue-branco. Na foz do Rio Ribeira de Iguape e indo até a fronteira do Paraná fica uma das maiores regiões de mangue do Estado de São Paulo. São importantes zonas de reprodução de organismos marinhos (principalmente peixes, moluscos e crustáceos) e na maré baixa alimentam numerosas aves aquáticas como o guará ou garça vermelha e o colhereiro num total de 12 (doze) espécies conhecidas.

 

Formações Vegetais:

 

 

1.2.7.- Província Espeleológica

 

A Província Espeleológica do Vale do Ribeira com 273 cavidades naturais cadastradas (SBE/92) é a maior área de cavernas do Estado de São Paulo. A concentração mais importante ocorre nos municípios de Apiaí e Iporanga (257 cavernas), mais precisamente no vale do Rio Bethary e na região do Ribeirão Espírito Santo. Podem ser encontradas também nos municípios de Ribeira e Barra do Turvo. A Província é extremamente rica em feições cársticas, muitas delas de grande dimensão, oferecendo uma paisagem de grande beleza o que justifica o seu aproveitamento para fins turísticos.

 

As cavidades naturais existentes em todo o território nacional constituem patrimônio cultural brasileiro, e como tal, são preservadas e conservadas de modo a permitir estudos e pesquisas de ordem técnico-científica, bem como atividades de cunho espeleológico, étnico – cultural, turístico, recreativo e educativo (Decreto Federal n.º 99.556/90, art. 1º).

 


1.3.- SÓCIO-ECONOMIA

 

1.3.1.- Histórico do Desenvolvimento da Região

 

As atividades exploratórias durante a colonização possibilitaram a formação de alguns núcleos urbanos, além do estabelecimento de corredores de circulação na UGRHI-11 em estudo. Sobressaíram-se o rio Ribeira de Iguape e seus maiores afluentes e os portos de Iguape e Cananéia, que possibilitaram a entrada para o interior e o intercâmbio com outros locais no trânsito de mercadorias.

 

No século XVII, com a descoberta de ouro na região da Serra de Paranapiacaba, o Vale do Ribeira recebeu um impulso ao desenvolvimento, promovido pela mineração, e interiorizou sua ocupação. Entre essas diversas ocupações, temos a ocupação da região de Apiaí, em que os garimpeiros subiram as corredeiras do rio Ribeira até o local denominado Porto de Apiahy, pouco abaixo de Itaóca, e de lá alcançaram os ribeirões e córregos, onde era abundante o cascalho aurífero.

 

O volume de garimpeiros aumentou rapidamente, instalando-se um povoado em Vila Velha do Peão, ao norte do Morro do Ouro. Havia igreja, cemitério e outras construções de taipa de terra batida pelos escravos negros, raça que chegou a superar em muito a dos homens brancos. Esgotado de ouro daí, os garimpeiros se transferiram para os ribeirões localizados ao sul do Morro do Ouro, local hoje conhecido como Cordeirópolis, antes, Vila Velha.

 

O Morro do Ouro passou a ser vasculhado pelos mineradores por volta do ano  de 1770, e o local onde hoje está a cidade se desenvolveu, a oeste desse Morro, tornando-se Santo Antonio das Minas de Apiahy, elevado à categoria de vila (equivalente a município hoje), no dia 14 de agosto de 1771. Na escala cronológica, Santo Antonio das Minas de Apiahy foi o 190  povoado paulista a se tornar município. A emancipação político-administrativa consolidou-se, entretanto, no dia 06 de agosto de 1797,  com a construção do pelourinho, à frente da Igreja Matriz, e com a demarcação do perímetro urbano do município.

 

Fazem alusão a Apiahy diversos historiadores, pesquisadores, naturalistas e estudiosos, tais como: João Pandiá, Calógeras, Edmundo Krug, J.C.R. Milliet de Saint Adolphe, José Frederico Carlos Rath, Alfredo Moreira Pinto, Francisco de Assis Carvalho Franco , Pedro Taques de Almeida Pais Leme, Theodoro Knecht, Manoel Eufrázio de Azevedo Marques, Eugênio Egas, M. Auguste de Sant-Hilaire, Monsenhor Luis Castanho de Almeida Theodoro Sampaio entende que o topônimo "Apiahy" pode significar "rio menino", versão aceita pela municipalidade, mas que é contradita por uma maioria de estudiosos do tupi-guarani, como Plinio Airosa Galvão, que dá sua explicação mais coerente: "divisor de águas", pois a serra de Paranapiacaba é realmente o divisor das águas das bacias dos rios Ribeira e Paranapanema .

 

O município, cuja ocupação teve início em princípios do século XVII, bem antes da chegada de Francisco Xavier da Rocha ( dado por alguns como fundador da cidade, o que entretanto não é consenso), teve na mineração garimpeira do ouro, que perdurou até fins do século XVIII, a sua própria razão de existir e de prosperar.

 

De uma geral, em toda região da atual UGRHI-11, a mineração entrou em decadência no século XVIII, com o abandono da região pelos garimpeiros, que se dirigiram ao Estado de Minas Gerais em busca desse minério (Estado de São Paulo, 1992).

 

Após 1700, a região estuarina-lagunar[1] destacou-se pela construção naval, fornecendo embarcações para outras partes do país. A agricultura de subsistência, subsidiária da mineração, deu lugar a uma economia de mercado, com destaque à mandioca e ao "arroz de Iguape" (Lepsch,1990). A região desenvolveu no século XIX a cultura do arroz, atividade que de certa forma a integrou à economia mercantil escravocrata em vigor. Iguape se transformou, na época, no primeiro produtor de arroz do Brasil.

 

Entretanto, apesar de sua expansão econômica, uma série de obstáculos encontrados por esse mercado limitaram sua sustentação como problemas relativos à produção, à deficiência dos meios de transportes e à concorrência mundial do produto. Da mesma forma, os problemas criados pelo surgimento do café dificultaram, ou mesmo impediram, a reorganização das fazendas no Vale, que passariam a contar agora com trabalhadores assalariados. Isso ocorreu através da negação de incentivos a essa produção e por meio da canalização de recursos e implementação de vias de acesso para a outra cultura emergente no Estado de São Paulo, entre outros fatores (Muller, 1980).

 

Contudo, certas medidas permitiram alguns surtos de crescimento econômico, como a implantação, na virada do século, do núcleo de colonização de Pariquera-Açu, distante da orla marítima e afastado da rede hidrográfica, a construção da estrada de ferro Santos-Juquiá em 1914 e a imigração nipônica e européia em 1930/1940 (SEP/CAR, 1989). Com esses imigrantes, sobretudo com os japoneses, mudaram-se as bases produtivas. O nativo passou a ser a mão-de-obra assalariada dedicada principalmente à produção de chá (Estado de São Paulo, 1992).

 

Entre 1930 e 1940 o comércio regional se reorganizou, voltando-se ao capital industrial. Como resultado, a região se incorporou à economia do Estado na produção e distribuição do chá e da banana. Associou-se a esse quadro a exploração da pesca em escala comercial em Cananéia e a construção da estrada São Paulo-Curitiba, cruzando a região Sul e passando por Apiaí. Com a abertura, no início dos anos 60, da rodovia Régis Bittencourt, BR-116, a região recebeu um novo impulso ao crescimento econômico, passando pela redefinição da ocupação espacial e por um processo de valorização de suas terras. Isso não significou a inserção da área nos planos de incentivos do Estado para o desenvolvimento sócio-econômico, mas sua participação nas relações mercantis e interesse do capital industrial (Muller, 1980).

 

Com relação à articulação da região com a economia estadual, é importante lembrar que o Vale do Ribeira, apesar de possuir em sua área de abrangência dois municípios considerados originários no processo de ocupação do território paulista (Cananéia, que recebeu novos habitantes em 1501, e Iguape, povoado em 1538), permaneceu com baixo grau de ocupação e não participou dos principais movimentos da economia paulista. Não foi destravada no período da cafeicultura, não integrou a área de cultivo do algodão, nem, tampouco participou do processo de interiorização da indústria paulista. Ainda hoje é a região com a mais baixa densidade populacional do Estado.

 

Situação Atual

 

A agricultura é a principal atividade econômica, destacando-se as culturas da banana e do chá pela área que ocupam e importância comercial que representam, além de absorverem as maiores partes dos trabalhadores da área. Não conta com trabalhadores volantes, mas com prestadores de serviço que, de forma geral, possuem sua pequena propriedade. Apesar de sua importância, a agricultura local passa por sérias dificuldades de expansão e modernização, configurando-se em problemas estruturais que determinam pouco dinamismo econômico.

 

Os agricultores de chá defrontam-se com o baixo preço do produto no mercado, perdendo em qualidade para outros países. Diante disso, mesmo destacando-se em produção e exportação do produto, estima-se que não tem havido crescimento significativo em área de plantio e beneficiamento do chá na região.

 

Isso também diz respeito à cultura da banana, o principal produto agrícola regional, cultivado em praticamente todos os municípios. A bananicultura é realizada em grandes propriedades. A cultura é perene e o trabalhador é fixo, morando geralmente no local. O trato é contínuo, exigindo a presença do trabalhador o ano todo, 44 horas semanais em média. A banana do Vale tem o Ceasa de São Paulo, de Campinas e a exportação como destinos principais.

 

O setor secundário regional apresenta reduzido número de estabelecimentos e baixa absorção de mão-de-obra. Destacam-se a exploração do fosfato e do calcário, predominantemente em Cajati, com a Serrana S/ACimpor Bunge de Mineração e em Apiaí com a empresa de cimento Portland Eldorado, do grupo Moinho Santista e Camargo Corrêa, respectivamente. Os municípios de Eldorado, Juquiá e Registro comportam pequenas indústrias em setores diversificados (SEP/CAR, 1989).

 

Contemplando a problemática de uso e ocupação do solo regional, através do desenvolvimento de atividades capazes de gerar renda para a região sem comprometer a conservação dos remanescentes florestais presentes na área, as instituições responsáveis pela administração e investimentos no Vale do Ribeira apontam o turismo como a atividade que potencialmente sustentaria um desenvolvimento regional. Da mesma forma, afirmam que a piscicultura é outra atividade com grandes chances de desenvolvimento no Vale e ambientalmente favorável.

 

O Vale do Ribeira é apresentado como potencial modelo brasileiro de desenvolvimento sustentado. Posiciona-se em local privilegiado, entre duas importantes capitais, São Paulo e Curitiba, e o acesso à região se dá por meio de rodovias, aeroportos e ferrovias. Por suas peculiaridades, a região concentra natureza e cultura para tornar-se importante pólo de desenvolvimento sustentado e do ecoturismo.

 

Quanto aos investimentos atuais e futuros na região, o turismo é visto como uma alternativa a seu desenvolvimento, ressaltando-se que a infra-estrutura deve ser realizada com um grande investimento de capital, não podendo depender da aplicação do produtor do Vale, que deve limitar-se aos investimentos nos estabelecimentos que estejam agregados à atividade turística. É apontado o potencial positivo sobre o emprego regional.

 

A sub-região de Sorocaba (na “entrada” da bacia), em função do rápido crescimento econômico, reforçado, a partir da metade do século XIX, pela industrialização, se urbaniza intensamente com refluxos até a sub-região de Itapetininga.

 

Na porção central (sub-região de Itapetininga) e ao Sul (em Itapeva) verificou-se certo crescimento urbano, muito mais em função do êxodo das áreas rurais, do que por um fortalecimento econômico dos núcleos que atravessaram.

 

Nos últimos anos, com a decadência de algumas culturas tradicionais da Região, tem despontado o Alto Vale do Ribeira, que passou a destacar-se com a produção de culturas de clima temperado, como a fruticultura, além da horticultura.

 

Somente no Município de Apiaí, durante o ano agrícola de 2002/2003 foram plantados 800 ha de tomate, totalizando cerca de 10 milhões de pés, podendo gerar uma receita superior a 57 milhões de reais. Destaque-se que, além do tomate, os Municípios do Alto Vale registram outras importantes culturas, como: vagem, ervilha, pepino e pimentão.

 


14. - DEMOGRAFIA

 

 

No Relatório do Diagnóstico da Situação dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, o Relatório "0", foi apresentada a dinâmica demográfica com base em informações de 1980, 1991 e 1996.

 

Em termos específicos, foram destacados os seguintes tópicos:

 

·        Em 1980, a população total da região foi de 241.455 pessoas, com 52,72% concentrada na área urbana, onde somente 5 municípios (Registro, Juquitiba, Jacupiranga, Iguape e Cananéia) apresentaram graus de urbanização superiores a 60% e 9 apresentaram concentração intensa na área rural; Tratava-se de uma região predominantemente rural, no contexto estadual, já que o Estado de São Paulo apresentava grau de urbanização de 88,64%;

 

·        Em 1991, a população total era de 306.347 habitantes, com crescimento de 27% em relação a 1980; Também cresceu a concentração da população urbana, de 52,72% para 61,43%, que está abaixo do grau de urbanização do Estado de São Paulo, que era de 92,8% em 1991; Variações atípicas observadas nos dados dos municípios abaixo foram atribuídas ao fato relacionado com o desmembramento de parte de sua área para a criação de novos municípios:

 

a)     Município de Apiaí, que teve emancipados os seus distritos para a criação dos municípios de Barra do Chapéu e Itaóca;

b)     Município de Ribeira, para o Município de Itapirapuã Paulista;

c)      Município de Iguape, para o Município de Ilha Comprida;

d)     Município de Jacupiranga, para o Município de Cajatí;

e)     Município de Juquitiba, para o Município de São Lourenço da Serra.

 

·        A região apresenta problemas relacionados à conservação de remanescentes florestais quanto à ocupação dessas áreas. Portanto, na discussão sobre o grau de urbanização devem ser incorporadas as questões do dimensionamento das áreas sob proteção ambiental;

 

·        Em 1996, a população total da região era de 322.870 habitantes, apresentando grau de urbanização de 5% em relação a 1991, com destaque para os municípios de São Lourenço da Serra e Tapiraí, que apresentaram grau de urbanização de 87,57% e 62,48%, respectivamente; Com exceção dos municípios de Iporanga, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açú, Ribeira, Sete Barras e Tapiraí, a região teve suas taxas anuais de crescimento reduzidas no último período considerado, sobretudo pelo decréscimo da população rural.

 

Em termos gerais, os destaques foram os seguintes tópicos:

 

·        Os municípios da UGRHI não apresentaram população com valores superiores a 30.000 habitantes, com exceção de Registro, que em 1996 apresentou uma população de mais de 49.000 habitantes;

·        A região apresenta uma redução nas taxas de crescimento de sua população total, assim como em todos os Estados brasileiros, fato atribuído à queda de fecundidade de forma ampla no Brasil, como também da reestruturação dos fluxos migratórios ocorridos nas últimas décadas, sobretudo no Estado de São Paulo;

 

·        Registro é o município com a mais alta densidade demográfica da região, seguido de Cajatí, Juquitiba, Itariri, Pariquera-Açu e São Lourenço da Serra. Os municípios destacados com as mais baixas densidades demográficas foram Iporanga, Itapirapuã Paulista, Barra do Turvo, Cananéia e Eldorado, que apresentaram maior concentração de sua população na área rural, com exceção de Cananéia;

 

·        Nos 5 anos anteriores a 1996, a taxa de mortalidade infantil atribuída a causas de veiculação hídrica é baixa na maioria dos municípios, com exceção da área do Alto Vale do Ribeira, Juquitiba e São Lourenço da Serra.

 

Neste Relatório do Plano de Bacia, pretendeu-se a complementação das informações do Relatório "0" com base nos dados dos censos de 1991, 1996 e 2000, além das taxas anuais de crescimento nos períodos 1991-1996, 1996-2000 e 1991-2000. Os dados indicaram que o crescimento populacional na Bacia foi maior em termos percentuais nas cidades de Cananéia, Juquiá, Juquitiba, Pariquera-Açu e Tapiraí, com taxas superiores a 2,00% a.a. Em contrapartida, as cidades de Jacupiranga e Ribeira apresentaram decréscimo acentuado devido ao desmembramento desses municípios.

 

Um estudo elaborado pela Fundação SEADE, visando projetos futuros da SABESP, procurou estabelecer a provável evolução dos índices demográficos na UGRHI até o ano de 2020. Segundo o entendimento permitido por esse estudo, em média, a UGRHI poderá ter um crescimento de 11% no período 2000 a 2020, vindo a atingir urbanização da ordem de 75%, bem abaixo daqueles calculados para o Estado de São Paulo, que deverá crescer 20% e atingir uma taxa de urbanização em torno de 96%.

 

Considerando, no entanto, que as projeções elaboradas pela Fundação SEADE devem ser vistas com cautela, pois diversos municípios da Região foram desmembrados com as emancipações ocorridas, e considerando a possibilidade desses dados virem a ser utilizados ou servirem de subsídios a planos e/ou programas de investimento da própria SABESP ou de outras instituições, com sérios riscos de prejuízos sócio-econômicos aos referidos municípios, os quadros numéricos não serão apresentados neste momento, e tampouco serão motivo de maior ênfase, devendo no entanto ser objeto de melhor avaliação nos trabalhos oportunos de atualização do relatório de situação e do próximo plano de bacia, à luz de exaustivas discussões, sob a coordenação do CBH-RB.


1.5.- USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

 

Cobertura Vegetal Natural

 

A cobertura vegetal natural está representada por várias formações vegetais naturais - incluindo as matas alteradas ainda não completamente descaracterizadas - tais como: mata, mata degradada ou sem recuperação, séries iniciais de sucessão ou capoeira, várzea arbórea, várzea herbácea ou brejo, floresta de encosta, floresta de transição, mata paludosa em solo turfoso, floresta de restinga, brejo de restinga, escrube de restinga, floresta de restinga degradada, mangue. Estas categorias possuem as seguintes características:

 

Mata - compreende a Mata Atlântica encontrada nos fundos de vale, encostas e topos de maciços. Constituem as formações vegetais, de origem primária ou secundária em bom estado de conservação - sem nenhuma ou com fraca interferência antrópica. Nesta categoria estão incluídas também, capoeiras antigas ou influenciadas por colonização de arbustos, bem como as matas de encosta que possuem em conjunto, pequenos afloramentos de solos litólicos. As formações florestais de mata nesta região são representadas pela Floresta Ombrófila Densa, também conhecida como Floresta Pluvial. Constitui formação vegetal inteiramente dominada por árvores de estrutura complexa, apresentando uma grande riqueza de espécies;

 

Mata degradada ou sem recuperação - constitui a Mata Atlântica de fundos de vale, encostas e topos de origem predominantemente secundária, com forte rarefação do estrato superior original, indicando a ocorrência de um processo de recolonização, entremeada por remanescentes dos estratos mais altos. Fazem parte desta unidade ainda as áreas de desmatamento e/ou queimadas parciais;

 

Séries iniciais de sucessão - contempla as áreas de recolonização, entre primeira e quarta fase do processo de sucessão natural. Inclui os “campos/campos sujos”, a “capoeira rala” e a “capoeira propriamente dita”;

 

Várzea arbórea - compreende as Matas de composição bastante uniforme, associadas aos terraços e planícies aluviais, submetidas a inundações periódicas. Fazem parte os “Bosques de Caxeta”, em estado íntegro ou alterado. A categoria, possui fisionomia arbórea, em geral aberta, estrato dominante aberto, com altura de árvores de 8 a 10 metros;

 

 Várzea herbácea - são formações essencialmente campestres ou de séries transicionais em solos permanente ou periodicamente saturados, encontrados em terraços aluviais;

 

Floresta de encosta ou mata de encosta - categoria foi incluída no Mapa de Uso do Solo do Macrozoneamento da Região Lagunar de Iguape-Cananéia, sendo semelhante às descrições da categoria mata utilizada no mapa de Cobertura e Uso do Solo do Macrozoneamento do Vale do Ribeira;

 

Floresta de transição - tipo de vegetação encontrada em depressões brejosas de água doce (várzeas), apresentando aspecto típico. Grande parte do ano estão cobertas pelas águas das chuvas, sendo encontradas em locais onde os solos permitem o estabelecimento de vegetação lenhosa, mais desenvolvida. Segundo KLEIN (1984), tratam-se de “Matas de Transição das Planícies Quaternárias”, formadas por arvoretas e árvores;

 

Mata paludosa em solo turfoso - formação vegetal encontrada próximo às áreas pantanosas, possuem características xeromorfas “Turfeira Altas”, podendo encontrar-se em estado íntegro ou alterado;

 

Floresta de restinga - vegetação tropical de Planície Costeira que se desenvolve em terrenos arenosos marítimos. Forma uma faixa orlando a beira-mar, exceto onde os esporões da Serra alcançam o oceano. Em geral não avança na Planície Costeira mais do que 3 ou 7 Km, mesmo em regiões onde a mesma é relativamente larga, além ocorrer predominantemente abaixo da 20 m. Seus terrenos possuem, via de regra, elevada umidade podendo ser pantanosos ou formar dunas baixas estabilizadas.

 

Floresta de restinga degradada - é a floresta de restinga com forte rarefação.

 

Brejo de restinga - são áreas permanentemente inundadas, com feições vegetais herbáceas.

 

Escrube de restinga - são formações de restingas sobre cordões arenosos. Podem ter fisionomias arbustivas, herbáceas ou herbáceo-subarbustivo.

 

Mangue - formação vegetal caracterizada por estar localizada em áreas submetidas a enchentes pelas marés. Apresenta fisionomia de floresta baixa ou escrube baixo a alto, com ocorrência de espécies dos gêneros Rhizophora, Avicenia, Laguncularia e Hibiscus.

 

Reflorestamento

 

Compreende as formações florestais artificiais constituídas predominantemente por Pinus e Eucalyptus. As áreas lançadas no Mapa de Uso e Ocupação do Solo foram obtidas do Inventário Florestal do Estado de São Paulo.

 

Culturas Perenes

 

Correspondem as culturas de ciclo longo, ou seja, aquelas que normalmente crescem durante um período de vários anos até se tornarem produtivas, não perecendo após a colheita. São também conhecidas como permanentes. No Mapa de Uso do Solo esta categoria está individualizada pela teicultura e bananicultura:

 

 · Teicultura: Áreas com predomínio de campos agrícolas de chá, algumas vezes associadas mais com capoeiras ou outros estágios de recuperação de mata.

 

 · Bananicultura: Áreas com predomínio de campos agrícolas de bananeiras. Apesar de serem identificadas em grandes extensões é comum a associação dessas áreas a vegetação natural, em diversos estágios de sucessão.

 

Culturas não identificadas

 

Áreas agrícolas de pequenas ou médias glebas, de cultivos puros ou mistos, de espécies temporárias ou permanentes. Em campo observou-se que são comuns plantios de tomate, pêssego, maracujá, feijão, gengibre, arroz ou batata.

 

Pastagem

 

Compreende as terras ocupadas tipicamente por pastagens cultivadas para exploração animal.

 

Campo antrópico

 

Constituem os processos pioneiros de ocupação do solo, entre primeira e segunda fase de sucessão natural, resultantes do abandono, mau uso por pastagens, da exaustão de fertilidade e de terrenos roçados ou semeados. Estão incluídos os “campos”, “campos sujos”, “capoeirinhas”, areias e formação pioneira de dunas.

 

Área urbana e Loteamentos

 

Incluem os centros urbanos de ocupação intensa, as sedes municipais ou distritos populacionais. Os loteamentos compreendem as áreas submetidas a movimento de terra recente e portanto, sujeitas a processos erosivos mais intensos.

 

Mineração

 

Correspondem aos locais de extração mineral ou centros minerários, de uma ou mais matéria-prima, quase sempre acompanhados de mata secundária degradada.

 


1.6.- SAÚDE E SANEAMENTO

 

Durante a segunda metade da década de 90, a região apresentou taxas de mortalidade infantil (27,50) superiores àquelas do Estado de São Paulo. Registro, Município mais populoso da UGRHI, deteve uma taxa de 22,41 no ano de 1998, superior à média do Estado, que ficou em torno de 21,60. Outras cidades como Apiaí (31,84), Barra do Turvo (30,08), Pedro de Toledo (36,59) apresentaram taxas muito elevadas, sendo que Ribeira obteve índice pior ainda no ano de 1998, com 42,55.

 

A taxa de mortalidade infantil por causas de veiculação hídrica (0,68) superou a do Estado (0,61) em 1997. Nesse ano, os Municípios de Apiaí (3,02), Juquiá (1,92), Juquitiba (1,88) e Pariquera-Açu (2,57) registraram óbitos dessa natureza.

 

Estes Municípios, mais Barra do Turvo, Miracatu e Registro, também registraram óbitos na categoria de mortalidade de menores de cinco anos, por doenças de veiculação hídrica.

 

No tocante ao saneamento básico, é importante assinalar que os sistemas de abastecimento de água potável atendem a mais de 90% da população urbana. Embora os mananciais superficiais sejam predominantes, os aqüíferos subterrâneos também são usados com freqüência em diversas cidades.

 

A maioria das cidades da região apresenta índices de perdas de água muito elevados, como: Cajati (39,12%), Cananéia (33,59%), Eldorado (41,87%),Iguape (33,75%), Jacupiranga (40,67%), Juquiá (35,14%), Miracatu (38,20%), Pedro de Toledo (42,14%), Sete Barras (33,13%) e Tapiraí (37,14%).

 

Todos os Municípios que compõem a Bacia têm seus sistemas operados pela SABESP.

 

Os mais recentes dados disponibilizados pela SABESP mostram uma significativa evolução na coleta de esgotos. De um índice de 37% em 1994, esse indicador foi ampliado para 64% no final de 2002, sendo que atual rede coletora tem potencial para atender até 72% da população urbana dos municípios. Vários municípios que não tinham nenhum tipo de coleta, tiveram seus sistemas implantados nesse período, como foram os casos de Ilha Comprida, Juquitiba e São Lourenço da Serra.

 

Em relação ao tratamento de esgotos sanitários também houve um importante avanço, evidenciado pelo crescimento do número de sistemas de tratamento, que passou de 9 em 1994, para 34 estações de tratamento de esgotos em 2002. O índice de tratamento dos esgotos gerados atinge 88% na bacia. Entretanto, esse número é influenciado negativamente por uma deficiência nos cinco municípios do Alto Ribeira, onde existe estação de tratamento de esgotos apenas no município de Itapirapuã Paulista. Todas as sedes de município do Baixo e Médio Ribeira possuem estações de tratamento de esgotos.

 

Os indicadores relativos à coleta e tratamento dos esgotos podem ser considerados satisfatórios, uma vez que no Brasil, o índice de atendimento com coleta é de 50,9% e o de tratamento de esgotos é de apenas 25,6% (dados do SNIS - Sistema Nacional de Informações em Saneamento - 2001).

 

Resultados atualizados da análise das águas da Bacia do Ribeira efetuados pela CETESB, apesar do pequeno número de estações de monitoramento, já mostram uma melhora na sua qualidade, evidenciando os reflexos da ampliação da coleta e do tratamento dos esgotos.

 

Quanto aos esgotos industriais, a CETESB monitora o procedimento dos estabelecimentos mais importantes da UGRHI, registrando as atividades desenvolvidas e as cargas remanescentes, orgânica e inorgânica, lançadas nos cursos d’água.

 

Municípios

Concessão

Atendimento

Carga poluidora

kgDBO/dia

Corpo receptor

Coleta

%

Tratam.

%

Potenc.

Reman.

Apiaí

SABESP

58

0

899

899

Córr. Palmital e M. Clara

Barra do Chapéu

SABESP

28

0

78

78

Rio Catas Altas

Barra do Turvo

SABESP

63

94

155

82

Rio Pardo

Cajati

SABESP

71

0

1130

1130

Rio Jacupiranguinha

Cananéia

SABESP

53

100

545

314

Mar Pequeno

Eldorado

SABESP

79

100

363

134

Rio Ribeira de Iguape

Iguape

SABESP

67

0

1182

1182

Rio Ribeira de Iguape

Ilha Comprida

SABESP

13

100

357

320

Rio Candapui

Iporanga

SABESP

70

100

112

49

Rio Iporanga

Itaoca

SABESP

41

0

118

118

Rio Itaoca

Itapirapuã Paulista

SABESP

56

100

89

49

Rio dos Criminosos

Itariri

SABESP

50

87

402

262

Rio do Azeite

Jacupiranga

SABESP

82

100

541

186

Rio Jacupiranga

Juquiá

SABESP

61

96

669

356

Rio Juquiá

Juquitiba

SABESP

10

100

938

863

Rio São Lourenço

Miracatu

SABESP

49

79

588

406

Rio São Lourenço

Pariquera-Açu

SABESP

80

100

633

228

Rio Pariquera-Açu

Pedro de Toledo

SABESP

60

100

332

173

Rio Itariri

Registro

SABESP

72

98

2314

1008

Rio Ribeira de Iguape

Ribeira

SABESP

49

7

54

53

Rio Ribeira de Iguape

São Lourenço da Serra

SABESP

70

100

581

256

Rio São Lourenço

Sete Barras

SABESP

81

97

251

93

Rio Ribeira de Iguape

Tapiraí

SABESP

83

100

310

104

Ribeirão da Obra

Fonte: CETESB – Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado de São Paulo - 2001

 

As descargas mais significativas localizam-se nos Municípios de Registro, Iguape e Cajati.

 

As indústrias do ramo de pescados e fertilizantes, assim como os abatedouros de animais, embora apresentando forte potencial poluidor, despejam pequena carga.

 

Segundo dados da CETESB, a carga poluidora proveniente de esgotos domésticos, lançada na Bacia, é estimada em 8,3 tDBO5/dia, enquanto que a carga resultante das atividades industriais chega a 0,05 tDBO5/dia, o que acaba comprometendo especialmente as sub-bacias Alto Ribeira, Baixo Ribeira, Rio Jacupiranga e Rio Ribeira de Iguape.

 

Com relação aos resíduos sólidos domésticos, a situação ainda encontra-se precária. No ano 2000, a CETESB concluiu que, apenas 2 municípios da Bacia (São Lourenço da Serra e Itapirapuã Paulista), dispunham de forma controlada os seus resíduos sólidos. Apenas Tapiraí dispunha seus resíduos de forma adequada.

 

De 1999 para 2000 praticamente não houve melhora na qualidade do tratamento final dos resíduos. Apenas um Município que, em 1999, apresentava disposição inadequada (Tapiraí) passou para a condição adequada, com IQR 8,7 (Índice de Qualidade de Aterros de Resíduos).

 

Na média, percebe-se que o IQR da Bacia continua ruim ano-a-ano (2,9 em 97, 3,3 em 98 e 3,4 em 99) e 3,2 em 2000.

 

A análise da CETESB mostrou a seguinte situação em termos de qualidade da disposição dos resíduos sólidos:

 

-         disposição adequada  ð  4,3% (somente Tapiraí);

 

-         disposição controlada  ð  8,7% (São Lourenço da Serra e Itapirapuã Paulista);

 

-         disposição inadequada  ð  87,0% (todos os demais Municípios).

 

É relevante registrar que apenas 1 Município da UGRHI 11 assinou, no ano de 2000, o TAC – Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta, ou seja, 4,3% (Pariquera-Açu).

 


1.7.- RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEOS

 

Conforme foi detalhadamente colocado no Relatório “0”, a qualidade das águas superficiais na UGRHI 11 era registrada em apenas três Pontos de Amostragem.

 

Em 2001 foi incluído um novo Ponto de Amostragem (JUQI02900) no Rio Juquiá, após a confluência com o Rio São Lourenço, a fim de se ter um melhor diagnóstico da qualidade das águas deste rio, em função das atividades de extração de areia e eventuais lançamentos de esgotos que ocorrem ao longo de sua bacia.

 

No Ribeira de Iguape também foi incluído um Ponto no Valo Grande (RIIG02900), para conhecer a qualidade da água que é exportada para o estuário de Cananéia/Iguape.

 

O Rio Jacupiranga, no Município de Jacupiranga, é bastante influenciado pelos lançamentos industriais que ocorrem próximo à sua foz. Assim, incluiu-se um Ponto de Amostragem (JAPI02100) neste corpo d’água.

 

 

UGRHI 11 – RIBEIRA DE IGUAPE E LITORAL SUL

 

 

Corpo d’água

 

 

Ponto de amostragem

 

Localização

Rio Juquiá

JUQI00800

Ponte na Rodovia BR-116, em Juquiá

Rio Juquiá

JUQI02900 (*)

Após a confluência com o Rio São Lourenço, no Município de Juquiá

Rio Ribeira de Iguape

RIIG02500

Ponte na Rodovia BR-116, em Registro

Rio Ribeira

RIBE02500

A 3 km de Itaóca, na Estrada da Balsa, no Município de Apiaí

Rio Jacupiranga

JAPI02100(*)

Ponte na Rodovia que liga Jacupiranga a Eldorado

Rio Ribeira de Iguape

RIIG02900(*)

Em Valo Grande/Iguape

(*) Ponto de Amostragem instalado em 2001.

 

Embora ainda seja um número insuficiente de Pontos de Amostragem para o adequado controle da qualidade da água nos rios da Bacia, as medições efetuadas revelaram uma situação indesejável quanto ao estado sanitário.

 

Ao analisarmos o IQA (Índice de Qualidade das Águas) no período que compreende os anos de  1997, 1998 e 2001, observa-se que a qualidade tem sido classificada como boa, conforme mostra o Quadro abaixo.

 

 

Pontos de
Amostragem

Valores médios anuais do IQA

1997

1998

2001

JUQI 00 800

71

66

66

JUQI 02 900

-

-

56

RIIG 02 500

59

58

56

RIBE 02 500

60

61

55

JAPI 02 100

-

-

50

RIIG 02 900

-

-

64

 

Entretanto, alguns elementos que comprovam o lançamento de esgotos nos corpos d’água, tiveram seus índices freqüentemente fora dos padrões CONAMA estabelecidos para a Classe do rio. O Quadro a seguir apresenta o número de desconformidades registradas, em comparação com o número de medições efetuadas, para os elementos: Oxigênio, Coliformes-Fecais e Fosfato Total.

 

Ponto de Amostragem: JUQI 00 800

Elemento

1996

1997

2001

Oxigênio Dissolvido

0/12

2/12

1/6

Coli-Fecal

9/12

11/12

4/6

Fosfato Total

3/11

3/12

3/6

Ponto de Amostragem: JUQI 02 900
Elemento

1996

1997

2001

Oxigênio Dissolvido

0/7

0/8

1/6

Coli-Fecal

6/7

11/12

6/6

Fosfato Total

7/7

10/12

3/6

Ponto de Amostragem: RIIG 02 500
Elemento

1996

1997

2001

Oxigênio Dissolvido

0/12

1/12

1/6

Coli-Fecal

11/12

11/12

6/6

Fosfato Total

9/11

10/12

3/6

Ponto de Amostragem: RIBE 02 500
Elemento

1996

1997

2001

Oxigênio Dissolvido

-

-

0/6

Coli-Fecal

-

-

3/6

Fosfato Total

-

-

6/6

Ponto de Amostragem: JAPI 02 100
Elemento

1996

1997

2001

Oxigênio Dissolvido

-

-

0/6

Coli-Fecal

-

-

6/6

Fosfato Total

-

-

6/6

Ponto de Amostragem: RIIG 02 900
Elemento

1996

1997

2001

Oxigênio Dissolvido

-

-

2/6

Coli-Fecal

-

-

3/6

Fosfato Total

-

-

3/6

 

Nos seis Pontos de Amostragem a situação é semelhante quanto aos níveis de Oxigênio Dissolvido, Coli-Fecal e Fosfato Total, ou seja, têm apresentado desvios freqüentemente fora dos padrões estabelecidos para a Classe 2 dos rios.

 

Dada a insuficiência de Pontos de Amostragem no território da UGRHI, não estão disponibilizadas informações sobre os demais rios. É óbvia, porém, a conclusão relativa a esses rios, em especial os que recebem diretamente os esgotos não tratados, provenientes de cidades da região, como:

 

   cidade                                  corpo receptor

 

Apiaí                                      Córr. Palmital e M. Clara

Barra do Chapéu                 Rio Catas Altas

Cajati                                     Rio Jacupiranguinha

Iguape                                   Rio Ribeira de Iguape

Itaoca                                     Rio Itaoca

Ribeira                                  Rio Ribeira de Iguape

 

Logicamente, com o crescimento populacional estimado para a região, a situação tende a agravar-se, exigindo urgente intervenção, principalmente se for desejável manter as classes oficiais estabelecidas para esses corpos d’água.

 

Quanto às águas subterrâneas constata-se que a qualidade, de uma forma geral, é muito boa, prestando-se aos mais diversos usos, principalmente pelo fato de existir uma grande disponibilidade do líquido, pois menos de 1% do potencial aqüífero é utilizado.

 

Torna-se indispensável a manutenção dessa situação favorável, implantando-se instrumentos eficientes de controle do uso dos aqüíferos subterrâneos.

 

A qualidade das águas, tanto superficiais como subterrâneas, pode também ser comprometida pelo uso indiscriminado de defensivos e fertilizantes agrícolas, comumente chamados de agrotóxicos.

 

Segundo estatísticas elaboradas pelo Instituto de Economia Agrícola, a Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul apresentava como principais culturas, as pastagens, milho, banana, palmito e olerícolas.

 

A cultura de pastagem demanda algumas poucas aplicações anuais de inseticidas, herbicidas e defensivos biológicos, enquanto que a cultura da banana exige aplicações bem mais intensas de inseticidas, fungicidas, herbicidas e acaricidas. A cultura do milho, também recebe anualmente aplicações de inseticidas, fungicidas, herbicidas e defensivos biológicos.

 

O Relatório “0” recomenda a necessidade de atenção especial para o controle do uso de agrotóxicos na Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul

 

Quanto à demanda e disponibilidade dos recursos hídricos superficiais, o cenário futuro, estimado a partir das informações do Relatório “0”, não é preocupante. A UGRHI apresenta disponibilidade satisfatória, com contribuições unitárias médias de longo período da ordem de 30,4 l/s/km2.

 

As limitações mais agudas estão relacionadas às disponibilidades mínimas, tomando-se por referência a vazão mínima de sete dias para dez anos de retorno, Q7,10.

 

O Quadro abaixo identifica as demandas por volta do ano de 1999. Nele destacam-se os pesos dos consumos na irrigação e nas indústrias, representando 81,7% da demanda total.

 

 

UGRHI 11 - Demanda hídrica em m3/s

Doméstica

Industrial

Irrigação

Total

 

1,11

2,67

2,30

6,08

 

18,3%

43,9%

37,8%

100%

 

 

Considerando a disponibilidade mínima estimada de 179 m3/s, chega-se a uma relação demanda/disponibilidade de 3,4%, valor que coloca a UGRHI em situação bastante favorável.

 

A sub-bacia que apresenta a maior relação demanda/disponibilidade é a sub-bacia do Rio Jacupiranga, com relação de 26,68%.

 

Com o inevitável incremento da demanda nos próximos 20 anos, que poderá superar 10 m3/s, fica clara a necessidade de implantação de medidas mitigadoras de possíveis problema, tais como: educação ambiental mais eficiente, controle de perdas e desperdício de água, racionalização drástica das práticas agrícolas e do uso da água na irrigação, além da busca de tecnologias mais adequadas de emprego da água nos processos industriais, principalmente nos Municípios localizados nas sub-bacias mais susceptíveis.

 

No tocante às águas subterrâneas, os critérios desenvolvidos no Relatório “0” permitiram avaliar o grau de comprometimento da disponibilidade hídrica dos aqüíferos subterrâneos da UGRHI 11. Para um potencial estimado em 60 m3/s, a vazão explotada pelos poços, em 1999, era da ordem de 0,5 m3/s, representando um índice de utilização inferior a 1% do recurso disponível.

 

Desta forma, face às características hidrogeológicas bastante privilegiadas e do aproveitamento ainda pouco significativo do aqüífero na Bacia, é possível considerar sua disponibilidade potencial como apta ao atendimento de demandas de água para os mais diversos usos, que venham a ser impostas nas próximas décadas.

 

Águas Litorâneas

 

A UGRHI 11 apresenta características específicas por situar-se na faixa litorânea sul do Estado de São Paulo. Sua expressiva extensão de 140 km, aproximadamente, com grande número de praias e complexos estuarinos, representa fator de relevância do ponto de vista ambiental.

 

Visando ao monitoramento das águas litorâneas, a CETESB iniciou na década de 70 o “Programa de Balneabilidade das Praias Paulistas”, estruturado para atender às especificações da Resolução CONAMA nº 20/86, que define critérios para a classificação de águas destinadas à recreação de contato primário.

 

O Quadro a seguir quantifica as praias e resume a rede de monitoramento da CETESB instalada na UGRHI 11. Observa-se que, neste caso, a rede é relativamente pequena, com apenas 6 praias monitoradas de um total de 26. Este fato justifica-se face à baixa densidade demográfica da região.

 

 

Município

 

 

Nº de praias

Extensão

de praias

(km)

Pontos

da rede

Praias

monitoradas

Cananéia

13

45

-

-

Iguape

6

27

3

3

Ilha Comprida

7

64

3

3

Total

26

136

6

6

Fonte: CETESB

 

Os Quadros a seguir mostram o registro da Qualificação Anual efetuado pela CETESB no período de 1997 a 2001, nas praias da UGRHI 11.

 

 

Município: Iguape

 

Praia

97

98

99

00

01

Juréia

 

 

 

 

 

Do Leste

 

 

 

 

 

Lagoa da Praia do Leste

 

 

 

 

 

Fonte: CETESB

 

Legenda:

 

Ótima

 

Boa

 

Regular

 

 

No Município de Iguape são monitoradas 3 praias. Até 1996 essas praias eram amostradas mensalmente, apenas em caráter preventivo, em função das boas condições sanitárias das águas da região. A partir de 1997, foi incluído mais um Ponto de Amostragem (Lagoa da Praia do Leste) e elas passaram a ser amostradas semanalmente em março.

 

Essa medida foi tomada em função dos resultados de coliformes fecais que vinham sendo obtidos e que, por vezes, ultrapassavam o valor de 1000 (NMP/100 ml). Esse fato demonstra que ocorreu uma piora de qualidade das águas dessas praias no último ano.

 

Como podemos verificar junto ao gráfico acima, a qualidade das praias de   Iguape apresentou variação de ótima a regular no período de 1997 a 2001. O ponto que apresentou maior desvio foi o da Praia do Leste, que permaneceu regular durante 3 anos dos 5 analisados.

 


 

 

Município: Ilha Comprida

 

Praia

97

98

99

00

01

Centro

 

 

 

 

 

Pontal – Boqueirão Sul

 

 

 

 

 

Prainha - Balsa

 

 

 

 

 

Fonte: CETESB

 

Legenda:

 

Ótima

 

Boa

 

Regular

 

 

No Município de Ilha Comprida são monitoradas as praias do Centro e a do Pontal, cujos pontos de amostragem localizam-se em frente à Av. Copacabana e em frente à entrada da praia, respectivamente. No ano de 1998 foi incluído mais um ponto, o da Prainha – Balsa.

 

Podemos notar que a qualidade das praias permaneceu sistematicamente boa nos últimos 5 anos, excetuando o ano de 1998, quando a Prainha – Balsa apresentou qualidade regular.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2.- OBJETIVOS, METAS E PROPOSIÇÃO DE PROGRAMAS

 

 

Este capítulo faz um apanhado geral de todas as discussões, palestras e debates havidos durante a elaboração do Plano de Bacia, objetivando à tomada de decisões quanto às metas e propostas a serem implementadas a curto, médio e longo prazos.

 

Optou-se por um processo eminentemente participativo, entendendo-se ser esta a única forma capaz de garantir o respeito à visão e ao desejo da comunidade, incluindo nesta, os poderes públicos locais e estadual, os técnicos e especialistas, além da sociedade organizada.

 

As Oficinas de Trabalho, as palestras e reuniões programadas, obedeceram ao método “metaplan”, considerado o mais adequado aos objetivos colimados.

 

Ainda neste capítulo são apresentados os planos e propostas, formulados nos últimos anos, pelo Governo do Estado, pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul e pelo Fórum de Desenvolvimento Regional.

 

Desta forma, são apresentadas as recomendações constantes do Relatório “0”, envolvendo um importante conjunto de ações, formuladas a partir do diagnóstico da situação dos recursos hídricos na UGRHI 11.

 

Importantes barramentos planejados com as finalidades de geração de energia e atenuação das enchentes, são apresentados em item específico.

 

Outro item trata de um conjunto de obras e ações, há anos programada para a região, como:

 

-         conclusão da barragem do Valo Grande;

-         monitoramento do complexo lagunar Iguape-Cananéia;

-         sistema de alerta;

-         identificação de áreas de restrições de usos;

-         retificação e desassoreamento do Ribeira;

-         aproveitamento das várzeas;

-         fixação da curva de Icapara;

-         fixação da barra do rio Ribeira.

 

O capítulo ainda inclui um conjunto de propostas e um plano de ação formulados pelo próprio CBH-RB, além das conclusões do Fórum de Desenvolvimento Regional, ocorrido em 2000.

 

 


2.1.- AS OFICINAS DE TRABALHO

 

O Plano de Bacia foi elaborado de forma participativa, contando com a contribuição de integrantes do Comitê da Bacia, juntamente com os representantes de órgãos públicos da região e de entidades da sociedade local.

 

A fim de otimizar e objetivar as contribuições, foram programadas oficinas e reuniões de trabalho cuja dinâmica era definida progressivamente, em função das experiências acumuladas em cada evento ou atividade realizada.

 

Os trabalhos foram conduzidos fundamentalmente em duas etapas:

 

a)     Primeira - Definição de orientações gerais em relação ao modelo ou padrão de desenvolvimento sócio-ambiental e, conseqüentemente, a qualidade dos recursos hídricos pretendida para a Bacia.

 

Esta perspectiva regional foi acompanhada, paulatinamente, com uma avaliação dos projetos existentes para a região, especialmente aqueles mais importantes e com repercussão na qualidade e quantidade dos recursos hídricos.

 

b)     Segunda – estabelecimento de ações e metas de atividades, destinados a atingir índices progressivos de recuperação, preservação e conservação dos recursos hídricos da Bacia, envolvendo os programas e ações para que essas metas sejam alcançadas progressivamente, contemplando as áreas críticas identificadas no Relatório “0”.

 

 

2.1.1.- 1a Oficina de Trabalho

 

 

O Relatório da Situação dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul foi o documento base utilizado para orientar a estruturação da 1a Oficina de Trabalho. É oportuno registrar as principais características da UGRHI, resumidas nos seguintes aspectos fundamentais:

 

a)     grande disponibilidade de recursos hídricos superficiais - significativamente superior à demanda - de tal modo que a soma dos consumos doméstico, industrial e de irrigação não atinge 7% da vazão mínima disponível;

 

b)     abundância de recursos naturais relativamente preservados, representados tanto pelos significativos recursos vegetais e áreas de manguezais, como pela presença de uma das maiores províncias espeleológicas do país, com 273 cavidades naturais, além de grande número de ocorrências minerais e cerca de 185 sítios arqueológicos;

 

c)      situa-se entre as regiões menos desenvolvidas do Estado, refletindo-se nos indicadores sociais e econômicos;

 

d)     parcelas significativas do seu espaço físico ocupados por áreas de proteção legal, correspondendo a mais de 60% do seu território, compreendendo unidades de conservação e áreas especialmente protegidas;

 

e)     embora praticamente toda a população dos municípios da Bacia seja atendida por rede de distribuição de água, alguns municípios apresentam perdas de faturamento de água superiores a 40%;

 

f)        coleta de esgotos atingindo mais de 75% da população em diversos municípios, exceto duas cidades que não dispõem de sistemas de coleta. O tratamento de esgotos ainda é deficiente, fazendo com que grande número de municípios lance seus efluentes diretamente nos cursos d’água;

 

g)     presença de extensas áreas sujeitas à inundações, especialmente as sub-bacias do Baixo Ribeira e Ribeira de Iguape, que possuem 63,9% de suas áreas suscetíveis à cheias.

 

 

De acordo com as atividades programadas e acordadas com a Câmara Técnica, a 1a Oficina de Trabalho foi realizada em Registro, no dia 25 de outubro de 2000, e teve como tema a discussão do ordenamento de propostas para definição de diretrizes para um modelo de desenvolvimento socioambiental da Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul. O evento foi conduzido mediante o emprego da técnica METAPLAN, utilizada em todas as fases do planejamento participativo.

 

Após discussão entre os presentes, foram definidos os seguintes temas para os trabalhos:

 

-          Uso, recuperação, conservação e preservação da água e dos recursos naturais da Bacia;

 

-          Desenvolvimento da agricultura sustentável na Bacia e uso sustentável da floresta;

 

-          Disposição dos resíduos sólidos;

 

-          Regularização fundiária

;

-          Aproveitamento turístico da Bacia;

 

-          Medidas de contenção e prevenção de enchentes.

 

Para cada um dos temas foram propostas quatro perguntas a serem respondidas no trabalho de grupo. Essas perguntas foram as seguintes:

 

1.      quais são as oportunidades referentes ao tema em questão?

 

2.      quais são as demandas/necessidades referentes ao tema em questão?

 

3.      quais são os riscos, dificuldades, entraves ou ameaças referentes à ações relativas ao tema em questão?

 

4.      qual a capacidade do Comitê de atuar sobre as questões anteriores?

 

A primeira oficina, evidenciou uma ampla gama de questões e propostas para a gestão dos recursos hídricos na Bacia que demanda um esforço de análise e sistematização, no sentido de fazê-las confluir para um plano articulado e objetivo, capaz de apontar para a sustentabilidade no que se refere ao aproveitamento desses recursos.

 

Com a demanda de sustentabilidade passando a constituir questão central, orientadora da análise dos temas e propostas apresentadas na oficina de discussão, serão considerados alguns aspectos antecedentes e pré-condições para a condução das proposições levantadas.

 

Para introduzir essa questão no caso desta UGRHI, alguns aspectos gerais da gestão de recursos hídricos no Estado e da própria Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, serão destacados a seguir.

 

Ao ser diagnosticada a situação geral dos recursos hídricos na Bacia, puderam ser verificadas marcadas diferenças entre o seu potencial – assinalado pelos seus recursos naturais, em grande medida ainda preservados e disponíveis - e as condições em que se deu o aproveitamento desse potencial – traduzido pelas condições sócio-econômicas e ambientais, que podem ser utilizadas para qualificar a efetividade de desenvolvimento da UGRHI.

 

a)     Potencial:

 

-          Grande disponibilidade de recursos hídricos superficiais (consumos industriais, domésticos e de irrigação inferiores a 7% da vazão mínima disponível);

 

-          Recursos naturais relativamente preservados (vegetação, manguezais, minérios e cavernas e sítios arqueológicos);

 

-          Parcelas significativas de áreas sob proteção legal.

 

b)  Efetividade de Desenvolvimento:

 

-          Uma das regiões menos desenvolvidas do Estado de São Paulo;

 

-          Grande suscetibilidade a inundações (63,9 % das bacias do Baixo Ribeira e Ribeira do Iguape);

 

-          Perdas de água de abastecimento (em faturamento) superiores a 40%;

 

-          Degradação dos principais cursos d’água (esgotos sem tratamento e atividades agrícolas inadequadas);

 

-          Disposição final de resíduos sólidos inadequada.

 

De uma forma geral, os temas selecionados pelos participantes, para discussão e desenvolvimento na Oficina, com vistas a subsidiar o processo de elaboração do Plano de Bacia, respondem às principais questões destacadas no Relatório “0”, direta ou indiretamente.

 

Para identificar sua correspondência, de acordo com os critérios desta análise, eles podem ser divididos em dois grupos principais:

 

Primeiro: aproveitamento das condições existentes na bacia, em relação aos seus recursos naturais, em especial, os hídricos (Grupo A);

 

Segundo: enfrentamento de efeitos gerados por aproveitamentos inadequados, já realizados (GrupoB);

 

Além destes, são identificáveis outros dois:

 

Terceiro: criação de condições básicas para viabilizar as propostas anteriores (Grupo C); e

 

Quarto: resolução de questões indiretamente relacionadas aos recursos hídricos (Grupo D).

 

- Grupo A

 

Este grupo, de aproveitamento das condições existentes na Bacia, em relação aos seus recursos naturais, em especial os hídricos, inclui os temas:

 

ð     ·Uso da água da Bacia;

 

ð     ·Conservação e preservação dos recursos naturais da Bacia;

 

ð     ·Desenvolvimento da agricultura sustentável na Bacia;

 

ð     ·Aproveitamento turístico da Bacia;

 

ð     ·Uso sustentável da floresta;

 

ð     ·Aproveitamento do potencial minerário.

 

A seleção desses temas pode ser interpretada como uma busca de novas formas de aproveitamento do potencial efetivamente disponível desses recursos, com padrões diferenciados em relação ao praticado no passado. Isso significa que devem ser observados os condicionantes e limitações naturais, em relação aos usos a serem praticados, a fim de satisfazer, de forma duradoura e equilibrada, as demandas legítimas da região.

 

- Grupo B

 

O segundo grupo (B), de enfrentamento de efeitos gerados por aproveitamentos inadequados, já realizados, inclui os temas:

 

ð     Disposição dos resíduos sólidos;

 

ð     Medidas de contenção e prevenção de enchentes;

 

ð     Saneamento básico.

 

Conforme observado no diagnóstico, têm se mostrado muito expressivos os efeitos de formas de aproveitamento inadequado dos recursos naturais, de forma tal que requerem grandes esforços e investimentos para a sua correção, além de novas posturas preventivas, para que não sejam ainda mais agravados.

 

Dessa forma, há que se ressaltar algumas condições importantes para se efetuar esse enfrentamento. Em primeiro lugar, havendo inúmeras demandas, há que se efetuar sua priorização; em segundo lugar, para não reproduzir efeitos negativos em outros setores, ambientes ou interfaces, a forma de se atuar sobre esses problemas também não deve ser a tradicional, setorial e parcial; em terceiro lugar, devem ser procedidas avaliações criteriosas de projetos, com base em indicadores de sustentabilidade, antes de se decidir pela sua materialização.

 

- Grupo C

 

O terceiro grupo(C), de criação de condições básicas para viabilizar as propostas anteriores, inclui os temas:

 

ð     Cobrança do uso da água;

 

ð     Pesquisa e educação ambiental;

 

ð     Gestão participativa na Bacia.

 

- Grupo D

 

O quarto grupo (D), de resolução de questões indiretamente relacionadas aos recursos hídricos, inclui o tema da regularização fundiária.

 

A seleção dos temas prioritários para a discussão e detalhamento na oficina preservou, de certa forma, os temas selecionados, agrupando-os, de modo a não alterar substancialmente o rol definitivo, já que alguns deles, como os do terceiro grupo, passaram a ser referidos na discussão e desenvolvimento dos demais. Assim, permanece válida a classificação em quatro grupos aqui efetuada, mesmo que tenham resultado da discussão a seguinte relação final de temas:

 

1.      Uso, Recuperação, Conservação e Preservação da Água e dos Recursos Naturais

 

2.      Desenvolvimento da Agricultura Sustentável na Bacia e Uso Sustentável da Floresta

 

3.      Disposição de Resíduos Sólidos

 

4.      Regularização Fundiária

 

5.      Aproveitamento Turístico da Bacia

 

6.      Medidas de Contenção e Prevenção de Enchentes

 

Em seguida, são comentadas as oportunidades e os demais quesitos – demandas, riscos, etc. – identificados em cada grupo temático.

 

Grupo 1 - USO, RECUPERAÇÃO, CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA ÁGUA E DOS RECURSOS NATURAIS

 

O rol de usos aqui previstos enquanto oportunidades é extenso, abrangendo os recursos naturais, especialmente a água. Deles destacam-se dois pólos, que podem se opor, considerando os padrões atuais de utilização (não restritos ao caso desta UGRHI). Trata-se, de um lado, de usos intensos que, tradicionalmente, são concebidos e praticados de forma setorial (irrigação e energia) e, de outro, da imposição de limites a essas práticas, como é o caso do uso múltiplo.

 

Por outro lado, há que se discernir o que pode ser abrangido pelo “uso múltiplo”, considerando que as possibilidades práticas de efetuá-lo são limitadas. Esses limites provém de usos mais exigentes de qualidade (pesca, aqüicultura, turismo, abastecimento e conservação da biodiversidade), e de outros quesitos da sustentabilidade, como o que, provavelmente, tentou-se referir através da expressão: “armazenamento de água para disponibilidade futura”, que pressupõe a conservação do recurso em condições de aproveitamento.

 

Dentre as limitações, destaca-se também aquela identificada pela “transferência de água para outras bacias”. De todo o modo, havendo conflitos, eles devem ser explicitados em cada caso e esse procedimento, consequentemente, deságua na necessidade de se apontar as prioridades de uso.

 

Esse procedimento de se identificar claros conflitos e prioridades não é usual na gestão tradicional dos recursos hídricos e, considerando os princípios de gestão democrática do SIGRH e o poder deliberativo do Comitê, não é desejável que determinadas definições sejam evitadas. Essas definições, ademais, devem repercutir na concepção e aplicação dos demais instrumentos de gestão, como no caso da aprovação de políticas, da definição de critérios para se efetuar a cobrança pelo uso da água e da indicação de objetivos na aplicação dos recursos arrecadados.

 

Também evidencia-se que os conflitos entre os usos e seus limites devem ser pautados por informações qualificadas, cabendo especial importância à “pesquisa”, assinalada dentre as oportunidades.

 

Cabe ressaltar que também foram destacadas oportunidades de “geração de recursos através da compensação” – provavelmente referindo-se à proporção de áreas protegidas na UGRHI e à oportunidade de “transferência de água para outras bacias”. O estudo das perspectivas de geração de recursos através do que a região tem de diferencial em relação às demais UGRHIs - seus recursos naturais - deve ter ênfase, face à seriedade de suas condições sócio-econômicas, balizada por critérios de sustentabilidade, que devem incluir a necessidade de geração de emprego, outra das importantes oportunidades identificadas neste grupo temático.

 

Ainda que as demandas apontadas sejam coerentes com as condições necessárias para o desenvolvimento das oportunidades já referidas, o seu rol é extenso e pressupõe pesados investimentos em áreas que vão da tecnológica à político-institucional. Assim sendo, tal nível de demanda deve ser objeto de avaliações acuradas, articuladas às dos demais grupos, no sentido de subsidiar a definição de um plano estratégico.

 

Quanto aos riscos, estão corretamente apontados aqueles usos e procedimentos que, tradicionalmente, têm prejudicado o aproveitamento dos recursos hídricos, como impactos de obras de reversão de cursos d’água e o comprometimento da qualidade das águas e da saúde pública por diferentes usos, além de vícios da gestão fragmentada e deficiente que, em tese, o SIGRH deveria cuidar de afastar progressivamente, como a dificuldade de integração e a descontinuidade das ações, a “ausência” de política pública adequada à Bacia.

 

Essas questões de riscos e aquelas colocadas como demandas, comparecem na relação de ações que o Comitê deve empreender. Dentre elas estão, desde aquelas de gestão, como até mesmo as de realização de obras e serviços, evidenciando uma expectativa que ultrapassa a sua estrutura e atribuições legais.

 

Grupo 2 - DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL NA BACIA E USO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA

 

Neste grupo, dentre as oportunidades identificadas, voltadas fundamentalmente ao desenvolvimento da exploração de produtos e do seu potencial de comercialização e mercado, incluindo o de aperfeiçoamento da mão de obra e a fixação de famílias na região, não estão explicitados usos dos recursos hídricos nos cultivos ou no aproveitamento dos demais recursos naturais objeto de interesse, a não ser indiretamente, enquanto demandas de barragens e polderes, voltados à prevenção de enchentes.

 

Dentre as demandas, a ênfase recai sobre as condições de exploração diferenciada do potencial de silvicultura e agricultura – orgânica e certificada, incluindo formas de organizações cooperativadas - além dos recursos originados da compensação financeira pela preservação de florestas e recursos naturais.

 

No que se refere aos riscos, são referidas as barragens, em função da perda de áreas e recursos florestais através da formação de lagos, além das restrições legais ao manejo florestal, e a cobrança pelo uso da água, vista como uma restrição adicional ao desenvolvimento do potencial agrícola.

 

A expectativa quanto ao papel do Comitê, no tratamento desse tema, recai sobre seu poder de articulação política, provisão de recursos, ao mesmo tempo em que espera-se isenção na cobrança pelo uso da água.

 

Grupo 3 - DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

 

Os reflexos de um melhor equacionamento desses resíduos não estão explicitamente referidos aos recursos hídricos e sim à preservação ambiental em geral e às oportunidades que dela decorrem, em termos de exploração do potencial de ecoturismo, de geração de emprego e renda, saúde pública e educação.

 

As demandas para tanto envolvem recursos financeiros, equipamentos e formas de tratamento diferenciado para os diferentes tipos de resíduos, além da gestão específica e da educação. A ausência desses elementos compõe o rol dos riscos, que inclui o da contaminação dos recursos hídricos, cuja ameaça maior é identificada nas áreas de proteção aos mananciais.

 

É para a resolução dos aspectos de educação, recursos financeiros e motivação política para o tratamento desse tema, que o desempenho do Comitê é considerado importante.

 

Grupo 4 - REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

 

As oportunidades contidas no encaminhamento desse tema também não se referem diretamente aos recursos hídricos, mas estão na resolução de pendências sociais importantes - como propiciar a fixação da população – para permitir estabilidade e geração de renda e emprego na exploração do potencial agrícola e da silvicultura na Bacia, bem como, o acesso ao crédito para sustentá-lo.

 

No que se refere ás demandas, questões técnicas, legais e administrativas são ressaltadas, para responder às maiores dificuldades no desenvolvimento dessa questão, identificando-se que o Comitê poderia ser interveniente, junto aos órgãos governamentais responsáveis, para a adoção das providências necessárias.

 


Grupo 5 - APROVEITAMENTO TURÍSTICO DA BACIA

 

Este, a exemplo dos grupos 2 e 3, tem como ponto de partida a existência de um expressivo potencial de recursos naturais para a exploração econômica, que demanda, para o desenvolvimento do turismo, a elaboração de planos e estruturas específicas para os diferentes segmentos dessa atividade, além de recursos financeiros e humanos. A falta desses elementos figura dentre as ameaças à essa atividade, tendo sido também destacada a questão da regularização fundiária e as limitações ambientais no recebimento desse turismo, que podem ser avaliadas pela “capacidade de carga”. Nesse caso coloca-se também, apesar de não ter sido evidenciada, a necessidade de apoio da pesquisa.

 

Novamente, no que se refere ao Comitê, é requerido o desempenho de um papel de articulador político e de provisão de meios – estruturas organizacionais e recursos – para o desenvolvimento dessa atividade.

 

Grupo 6 - MEDIDAS DE CONTENÇÃO/PREVENÇÃO DE ENCHENTES

 

A implementação de medidas e intervenções na Bacia - macrozoneamento, planos de contingência, obras de infra-estrutura e a construção de barragens – criaria oportunidades de aproveitamento dos lagos a serem formados e das áreas de várzeas que passariam a não ser mais alcançadas pelas enchentes. Esse aproveitamento permitiria, assim, a exploração turística e, principalmente, a geração de energia que, segundo foi destacado, desperta o interesse da iniciativa privada.

 

Dentre as demandas, além das intervenções acima identificadas, são destacados sistemas de previsão de inundação e demais providências relativas à defesa civil, legislação relativa ao controle do uso e ocupação do solo e sua aplicação, serviços de desassoreamento, recomposição de matas ciliares e outras obras, como a construção de polderes, e aquelas relativas ao Valo Grande.

 

Além dessas, são colocadas outras condições, como a destinação das barragens ao aproveitamento múltiplo, já que a sua motivação original é a geração de energia. À esse respeito, cabe ressaltar que barragens para geração de energia buscam acumular o máximo de água para aproveitamento energético, ao passo que aquelas destinadas ao controle de cheias buscam o contrário – reservar o máximo de espaço possível para acumular as cheias - de sorte que existe um conflito entre o maior potencial de aproveitamento num caso e noutro.

 

Evidentemente, há possibilidades de se reduzir as expectativas de desempenho em cada caso, o que repercute nos seus resultados. Em se tratando de controle de cheias, essa limitação no desempenho deve ser tornada clara nos seus reflexos a jusante, em particular no que se refere à expectativa de aproveitamento das várzeas, seja para o uso agrícola, como urbano.

 

Definir com exatidão esse desempenho deve ter como objetivo não expor a riscos desnecessários os investimentos – seja nas obras de barragens, como nos usos que poderão se desenvolver com base na crença da eliminação definitiva das cheias. É a isso que parece se referir a demanda assinalada como “atribuição de responsabilidades caso as obras (barragens, comportas, etc...) falharem”.

 

Os riscos e ameaças reforçam essa preocupação, na medida em que colocam em dúvida a eficácia das próprias medidas e intervenções de controle de cheias, como é o caso da falta de recursos financeiros, dificuldade de articulação política regional, impactos ambientais e culturais, dificuldades de relocação de população de áreas de risco e da falta de planos diretores municipais. Essas ameaças são ainda potencializadas pela necessidade de correção das obras existentes subdimensionadas e pelo fato da população e das atividades econômicas crescerem no sentido das áreas criticas de inundação.

 

ABORDAGEM GERAL

 

Dentre os grupos temáticos evidenciaram-se diversos pontos em comum, cujo tratamento passa a assumir grande importância para a gestão dos recursos hídricos na Bacia.

 

Quanto às oportunidades, novas perspectivas de desenvolvimento econômico foram ressaltadas em todos os grupos, seja no aproveitamento dos recursos hídricos, como ambientais, em geral, evidenciando um esforço na busca de caminhos alternativos, mais equilibrados e sustentáveis e na reavaliação das potencialidades tradicionais.

 

Para viabilizá-las são identificadas grandes dificuldades, cuja superação demanda expressivos investimentos, de toda a natureza. Elas abrangem uma mudança cultural mais ampla, até obras de infra-estrutura localizadas, todas elas de longa maturação e exigentes de grandes esforços, que vão da motivação política à inovação tecnológica.

 

Esse volume de situações a corrigir e a criação de novas perspectivas não encontra resposta nas diferentes organizações político-administrativas existentes, de sorte que o SIGRH, através do Comitê, surge como um dos raros espaços de discussão e de encaminhamento dessas questões, ainda que muitas delas, conforme visto, não estejam diretamente relacionadas ao seu campo de atuação.

 

Disso decorre um saudável e necessário espaço de discussão, porém, em contrapartida, uma hipertrofia da pauta, dispersando esforços em muitas frentes, o que é grave, considerando-se o longo tempo que ainda é requerido para completar a institucionalização desse sistema de gestão e para o seu pleno preenchimento e participação das diferentes entidades que o compõem, particularmente aquelas representativas da sociedade civil.

 

Mesmo se reduzida a um mínimo indispensável no campo dos recursos hídricos, o rol de ações necessárias e a demanda de recursos para materializá-las encontra dificuldades, como as que se verificam no encaminhamento dos Programas de Duração Continuada apontados nos sucessivos Planos Estaduais de Bacia.

 

O Plano Estadual dos Recursos Hídricos, vem sendo formulado desde antes da própria instituição da legislação que criou o SIGRHI, em 1991, e vem assinalando a necessidade de implementação de um extenso rol de ações ao longo dos diferentes períodos – quadrienais - que se seguiram desde então. Essas ações são enquadradas em PDCs – Programas de Duração Continuada e, de acordo com as proposições de seus respectivos Comitês, via-de-regra, são abrangentes e ambiciosas.

 

De fato, a situação em que se encontram os recursos hídricos, em todo o Estado, está a demandar grandes investimentos, especialmente no que se refere à correção de problemas gerados por formas inadequadas e conflitantes de aproveitamento desses recursos. Esses investimentos, contudo, seguem sem perspectiva de realização, a depender dos recursos que são direcionados para o FEHIDRO.

 

Essa é uma questão que merece destaque para a discussão da sustentabilidade, além dos enormes desafios inerentes à implementação de um sistema de gestão tripartite, descentralizado e participativo, que vêm sendo enfrentados em todas as instâncias desse sistema.

 

Nesse contexto, em que recursos orçamentários também não vêm sendo disponibilizados de forma expressiva para o enfrentamento dos problemas regionais nesse campo, há que se refletir sobre perspectivas realistas, prioridades e estratégias para que a região avance na resolução dos seus problemas.

 

Nesse sentido, uma questão chave a ser colocada é a do aproveitamento de seu expressivo patrimônio natural sem, naturalmente, repetir o que fizeram as demais regiões do Estado - que o dilapidaram - e sem, também, fazer crescer os problemas que o tradicional padrão de apropriação desses recursos, já legou e que são identificados de forma clara, seja no Relatório “0”, como na Oficina de Trabalho.

 

 

2.1.2.- 2a Oficina de Trabalho

 

 

A 2ª Oficina de Trabalho, realizada em 19 de outubro de 2001, em Registro, teve por objetivo a apresentação, por representantes de órgãos públicos estaduais, dos principais problemas relacionados aos recursos hídricos da Bacia, sua localização, as propostas para solucioná-los, bem como a identificação dos principais obstáculos de gestão a serem enfrentados para viabilizar essas soluções.

 

Essa apresentação, realizada sob a forma de palestras, foi seguida de discussão com o público presente, organizada com o objetivo de proporcionar a representantes da sociedade civil e das prefeituras a oportunidade de um debate das posições colocadas.

 

Alguns órgãos representados nesse evento de palestras, atendendo ao que foi solicitado, encaminharam textos contendo o teor de suas apresentações[2].

 

Síntese das apresentações

 

Do conjunto dos temas expostos merecem destaque os seguintes

 

 

Resíduos Sólidos (CETESB / Santos – César Eduardo Padovan Valente)

 

A destinação final do lixo continua sendo feita de maneira inadequada em praticamente toda a bacia .Foi assinalado que as prefeituras precisam se mobilizar no sentido de solucionar o problema, através de duas alternativas:

 

1)     formalização de Termos de Ajustamento de Conduta – TACs; através dos quais os órgãos ambientais e os gestores municipais estabelecem prazos para regularização. (Alguns municípios da bacia já celebraram TACs); e

2)     assinatura de contratos com a Secretaria do Meio Ambiente para que esta autorize a disposição de resíduos sólidos em valas, que consistiriam  soluções imediatas, consideradas ambientalmente aceitáveis para pequenas cidades, com população menor que 10.000 hab. e que gerem menos de 10 toneladas por dia de resíduos sólidos.

 

 

Balneabilidade das Praias (CETESB / Santos – César Eduardo Padovan Valente)

 

Foi apresentada a situação do monitoramento da balneabilidade:

 

A balneabilidade das praias do litoral sul apresenta classificação variando de boa a ótima. Porém, ainda existe lançamento de esgoto in natura nos córregos e riachos que chegam às praias. Há necessidade de se implantar redes coletoras e sistemas de tratamento de esgoto, para evitar a piora da qualidade dessas praias.

 

 

Qualidade das Águas Superficiais (CETESB / Sorocaba – Fabíola Maria Gonçalves Ribeiro)

 

Houve ampliação do número de pontos de monitoramento de qualidade de água e, com isso, a confiabilidade dos índices analisados pela Cetesb melhorou. No Vale do Ribeira, até o ano de 2000, havia 3 pontos de monitoramento (Alto Juquiá, Apiaí e Registro) e, a partir de 2001, a rede foi ampliada com a adição de mais 3 pontos: no Rio Jacupiranga, através do complexo Cajati (objetivo: obter dados da interferência do complexo na qualidade da água do rio); no Rio Juquiá, no município de Juquiá, no trecho inferior do rio e no Valo Grande, no Rio Ribeira de Iguape, em fase de avaliação.

 

Os Índices de Qualidade da Água - IQA obtidos pela Bacia apresentaram em 2000 um nível considerado bom. Porém, ao se analisar os parâmetros de “coliformes fecais” verificou-se que eles ultrapassam os padrões no Alto e Baixo Ribeira, o que demonstra que ainda há lançamentos de esgoto sem tratamento. Os maiores lançamentos ocorrem nos municípios de Apiaí, Cajati, Iguape, Juquitiba e Registro, havendo a necessidade de aumentar o nível de tratamento de esgotos nesses municípios.

 

Usando 9 parâmetros a Cetesb calcula o IQA – Índice de Qualidade da Água, analisando também os metais pesados e toxicidade crônica. Foram obtidos os seguintes resultados:

 

 

No entanto, o que vem comprometendo a qualidade das águas superficiais do Vale do Ribeira é o uso de fertilizantes, além do lançamento de esgotos sem o devido tratamento nos corpos d’água de Apiaí, Cajati, Iguape, Juquitiba e Registro.

 

Em relação aos metais pesados, particularmente o Chumbo, de 1989 a 1996 ocorreram concentrações médias acima dos padrões estabelecidos, em função das atividades mineradoras no Alto Vale, nas empresas paranaenses e paulistas da região de fronteira; porém o beneficiamento de chumbo foi paralisado em 1996, resultando em uma redução significativa de sua presença nas águas dos rios no período 1996-2000

 

Nos anos de 1998 e 1999 houve 2 picos de ocorrência de chumbo acima dos padrões estabelecidos. A Cetesb justificou que tal ocorrência está associada, muito provavelmente, às condições de carreamento de sedimentos do rio, ou seja, na dinâmica natural do rio esse sedimento é trazido rio abaixo e por algum motivo esse chumbo foi remobilizado do sedimento e incorporado à coluna d’água.

 

No Rio Juquiá também houve a ocorrência de tal pico de aparição de chumbo em 2000. A Cetesb está verificando a origem dessa ocorrência, visto que na área de influência do ponto de monitoramento não há nenhuma atividade de beneficiamento de chumbo. Porém essa aparição de chumbo não se repetiu nas análises seguintes, até o ano de 2001.

 

Resumindo, na Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul há sim problemas com contaminação de chumbo, e a Cetesb vem fazendo levantamentos específicos para equacionar o problema. Foram feitos levantamentos em 4 momentos:

 

Conclusões:

-         tanto o consumo de pescado quanto o da água distribuída para a população não oferecia risco à saúde humana, em 1996;

-         CAF (Companhia Argentífera Furnas) à autuações aplicadas pela fiscalização da Cetesb no período 1996/2001 resultaram em 8 penalidades;

 

A empresa CAF apresentou um plano em que se pretende começar os trabalhos de levantamento para posterior recuperação da área atingida (diagnóstico da situação atual). Já a partir de 2002 deve-se ter alguns resultados, indicando assim a forma de recuperação (que não deve ser tão simples).

 

Um dos principais problemas apontados foi a falta de integração para fiscalização e efetiva ação com o lado paranaense da Bacia. Foi apontada a necessidade de  gestões junto ao governo do Paraná para tentar reduzir esse risco.

 

 

Sistemas de Abastecimento de Água (SABESP – Wilton da Silva Carneiro)

 

A Sabesp gerencia os serviços de água e esgotos da Bacia Hidrográfica do Vale do Ribeira e Litoral Sul através de 2 Unidades de Negócios:

 

Foi registrada evolução significativa nos últimos anos na cobertura pelo sistema de abastecimento. Praticamente 98% de toda população da bacia é atendida por ligações de água, contra 82% em 1994.

 

 

Sistemas de Esgotos (SABESP)

 

O número de ligações evoluiu de 37% em 1994 para 61% em 2001. Em relação ao tratamento houve uma evolução de 20% em 1994, para 88% do volume coletado em 2001. No Alto Vale a Sabesp prevê investimentos em sistemas de água e esgoto nos próximos anos, pois é a região que tem recebido menores investimentos. Foi assinalada a necessidade de incentivar o aumento do número de ligações à rede coletora, para reduzir o lançamento de esgotos na rede de drenagem e cursos d’água.

 

A prioridade de investimento na região, em termos de Sistema de Tratamento de Esgotos é o de Apiaí, pois o município está no alto da serra, região de mananciais afluentes do Rio Ribeira, comprometendo todo o trecho à jusante do município.

 

 

Disponibilidade e Demanda de Água (DAEE / São Paulo – Antoninho Pereira da Silva)

 

Foi registrada a posição mais favorável da Bacia do Ribeira em relação à disponibilidade e demanda no contexto de todo o Estado, o que a coloca numa posição de prevenir a perda e o comprometimento de seus recursos hídricos.

 

Como instrumentos para proteger esses recursos, foram propostos o monitoramento dos cursos d’água para aprimorar a base de dados e efetivar a fiscalização e o gerenciamento das águas; o planejamento de usos, com base em um zoneamento da região, que defina suas aptidões, levando-se em conta que a Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul está praticamente toda inserida em áreas de proteção ambiental.

 

 

Erosão e Enchentes (DAEE / São Paulo – Antoninho Pereira da Silva)

 

Foi descrito o processo em que são agravados esses fenômenos pela ação humana, destacando-se a ocupação irregular de várzeas; e as principais áreas em que elas ocorrem na Bacia.

 

Destacou-se a necessidade da adoção de medidas preventivas, porém foram referidas alguns estudos, restritos à questão das enchentes, como os que vêm sendo desenvolvidas pelo DAEE:

Ø      para coibir a ocupação de áreas próximas aos cursos d’água (áreas de várzea), em conjunto com os municípios da região afetada.

Ø      a possibilidade de se construir casas sobre pilotís, procurando assim minimizar o problema de enchentes no caso de habitações na zona rural, em conjunto com o CDHU.

 

Quanto a intervenções, foram citadas as Barragens do Tijuco Alto e a do Valo Grande, porém, há inseguranças quanto à sua eficácia. No caso do Valo Grande, foi citada a necessidade de se concluir a obra para efetuar o monitoramento do transporte dos sólidos. Quanto à Barra do Ribeira , o assunto foi considerado um tanto delicado, pois a mesma tem comportamento instável ao longo do ano devido a vários fatores, como: mares, cheias ,etc.

 

Em relação à prevenção de enchentes, ficou clara a necessidade da realização de levantamentos sistemáticos para definir com alguma precisão o alcance e a eficácia de novas intervenções. A questão das linhas d’água e limites de segurança quanto a enchentes, no caso das obras mencionadas, não está sendo objeto de estudos por parte do DAEE, o que dificulta a avaliação de seus resultados para o Vale do Ribeira.

 

 

Desmatamento (DEPRN / São Paulo - José Francisco Trevisan)

 

Foi apresentada a evolução do desmatamento em todo o Estado e a posição relativa da Bacia que, a despeito de ainda manter grandes áreas vegetadas, exibe uma perda grande em relação à sua cobertura original. Foi apresentada a legislação, as instituições envolvidas na proteção da cobertura vegetal e suas competências nesse campo.

 

 

Agrotóxicos (SECRETARIA DA AGRICULTURA – EDA – CDA / Registro – Engº Agrônomo Gilmar Gilberto Alves)

 

Foram identificados os principais agrotóxicos utilizados na Bacia, sendo alertado que alguns deles sofrem restrições, quando não proibidos, nos países mais desenvolvidos o que por si só justificaria estudos mais aprofundados sobre seus impactos em nossa região.

 

A cultura da banana é a atividade agrícola mais importante praticada na região, com aproximadamente 40.000 ha de área cultivada. Como conseqüência esse cultivo consome em torno de 85% do total dos agrotóxicos utilizados na região.

 

O Vale do Ribeira conta com 16 estabelecimentos cadastrados e regularizados para a comercialização de agrotóxicos e 5 empresas prestadoras de serviço na área de aviação agrícola.

 

Principais agrotóxicos comercializados na região:

 

FUNGICIDAS>>>>óleo mineral---1.800.000 (hidrocarboneto, classe toxicológica 04)

Triazóis diversos---32.000 litros/ano (geralmente classe III)

 

INSERICIDAS>>>>Carbofuram liquido---5.000 l/ano (classe I)

Carbofuram granulado---60.000 Kg/ano (classe III)

Carbaryl---5.000 l/ano (classe II)

 

HERBICIDAS>>>>Paraquat---20.000 l/ano (classe II)

Paraquat + diuron---60.000 l/ano (classe II)

Glifosato---30.000 l/ano (classe IV)

Glufosinato---25.000 l/ano (classe IV)

 

Ressalvou-se, entretanto, que não foram observadas contaminações ambientais importantes devida à utilização dos produtos acima (embora não possamos afirmar que não esteja ocorrendo - o que nos obriga a estarmos sempre atentos), nem resíduos em alimentos.

 

Foi atribuído, como uma das causas do uso, em geral, inconseqüentes dos Agrotóxicos, a interferência (autoritária) governamental na década de 70 (revolução verde) que atrelava a liberação de Crédito Agrícola à aquisição de Agrotóxicos, desconsiderando a sua real necessidade. Foi destacado, e condenado, o senso comum de que toda a responsabilidade sobre os problemas derivados do uso dos agrotóxicos sejam de responsabilidade do usuário final, o agricultor ou seu empregado. Foi lembrada que tal posição é de agrado do cartel de empresas produtoras que dominam o setor. A Maioria dos produtos utilizados no Brasil já estão superados tecnicamente, o que aumenta riscos de contaminação, sendo que muitos deles são de uso proibido ou sofrem severas restrições de uso nos países da Europa e Estados Unidos.

 

Os pontos críticos da utilização de agrotóxicos, foram identificados em:

 

-          o próprio --- fonte de risco

-          a modalidade de aplicação --- aérea ou terrestre

-          a manipulação do produto--- número de pessoas envolvidas 

-          a comercialização/receituário --- vendas clandestinas e sem orientação de uso - o aplicador não tem noção do produto que está usando, e muitas vezes há descaso com a orientação técnica (problema sócio-econômico-cultural)

 

Portanto, os problemas associados ao uso, em especial no que se refere à saúde da população e os recursos hídricos, foram:

 

* Falta de orientação e esclarecimentos aos agricultores quanto ao manejo dos agrotóxicos, seja no caso da subdosagem - que proporciona resistência das pragas que passará a exigir maior quantidade de produto químico para seu controle - como no de superdosagem - que provocam, invariavelmente, danos à saúde das pessoas e ao meio ambiente;

 

* Equipamentos inadequados ou sem manutenção correta;

 

* Falha (dificuldade) no diagnóstico em relação as doenças causadas por agrotóxicos;

 

Foi considerado um avanço a Lei que determina a devolução das embalagens de Agrotóxicos e as propostas para a superação dos problemas enfocaram:

 

** Avaliação periódica dos impactos ambientais provocados pelos produtos usados na região;

 

** Aumentar as restrições de uso dos produtos mais agressivos ou de baixa eficiência agronômica, como vem ocorrendo em outros países. Ex. : Paration, proibido nos EUA, largamente utilizado no Brasil;

 

** Educar e treinar o agricultor, informando que o veneno mata;

 

** Promover integração maior entre os órgãos governamentais (secretarias, etc.)

 

** Recomposição de mata ciliar, pois ela dificulta a chegada dos elementos tóxicos aos mananciais; e

 

** Fiscalização.

 

 

Diagnóstico da Saúde na Região da Bacia (SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE – DIR XVII / Registro – Marisa Corrêa da Silva)

 

Na bacia do Ribeira atuam três divisões regionais de Saúde: DIR de Registro, (atende 77% da população), Sorocaba (12%) e Osasco (11%). No entanto, foi considerado como um problema a ser enfrentado a falta de integração entre as DIRs (de coordenações diferentes- interior e RMSP).

 

A saúde no Vale do Ribeira:- características fundamentais:

-         População com característica rural (menos acesso dessa população aos serviços médicos).

-         População dependente do SUS (baixo poder aquisitivo e falta de serviços de saúde privado (96% do serviços são públicos).

 

Em relação ao indicador de saúde - mortalidade infantil – ele é considerado sensível, pois retrata as condições da região. Nesse âmbito, registra-se sua diminuição ao longo dos anos. As causas da mortalidade têm sido atribuídas, em grande proporção, à falta de diagnóstico e tratamento precoce; nesse sentido, os óbitos fetais (de crianças que não chegam a nascer) vêm aumentando pela falta de assistência pré-natal.

 

Com relação à ocorrência de doenças, foram destacadas:

Ø      Malária - números consideráveis, merece atenção;

Ø      Dengue – idem, merecendo dedicação o trabalho de coleta de larvas;

Ø      Esquistossomose - a região apresenta potencial ao desenvolvimento do caramujo transmissor; e a

Ø      Leishmaniose – verificou-se uma epidemia em Itariri, em 2001, com cinqüenta casos confirmados.

 

Quanto à ameaça dos agrotóxicos, verifica-se um problema de notificação de casos de intoxicação (os dados são antigos), o que acarreta a falta de diagnóstico preciso sobre o problema. Contudo, destaca-se como região mais suscetível a de Eldorado (que mais notifica).

 

De maneira geral, foi reportado que a Secretaria da Saúde está implantando:

Ø      um centro de intoxicação por agrotóxicos na região (projeto em elaboração);

Ø      o programa de saúde da família na região (médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem e agentes comunitários). Número de equipes implantadas na região até AGO/2001 = 36 (DIR de Registro), 7 (DIR de Sorocaba) e 6 (DIR de Osasco).

 

 

Manguezais (Aterramento e Contaminação); Desmatamento (DEPRN / Domingos Ricardo de Oliveira Barbosa)

 

Não foram feitas referências à situação dos manguezais e em relação à cobertura vegetal, referiu-se que, no levantamento da cobertura vegetal do Estado de São Paulo, os dados preliminares para o Vale do Ribeira apontam para o aumento da sua cobertura vegetal, através da diminuição do desmatamento sem, porém, exibir dados quantitativos.

 

 

Silvicultura (INSTITUTO FLORESTAL - Kenji Yamazoi)

 

Foi apresentada a situação do Vale do Ribeira nesse campo, abriga 20% de toda a Mata Atlântica do Brasil, no que é considerado o trecho melhor preservado, com 500.000 ha de florestas naturais (77% da cobertura vegetal natural do Estado de SP).

 

Registrou-se um ganho ambiental na recomposição dessa mata, porém isso não tem refletido na melhoria da qualidade de vida da população da região, pois vem ocorrendo em virtude do abandono das culturas de chá, banana, maracujá, etc. destacando-se que não há incentivo por parte do governo para recompor esses ganhos ambientais.

 

Como indicativo dessa precariedade foi mencionada a extração do Palmito, que está sendo feita clandestinamente dentro dos parques ecológicos, reduzindo a quantidade das árvores do palmito. Destacou-se que não há alternativas de renda para essas populações.

 

Foi destacado o desenvolvimento de uma pesquisa, pelo órgão, de um modelo de plantio de várias espécies na vegetação secundária, para enriquecimento de espécies, buscando semelhanças com a diversidade das florestas. Trata-se do Programa de Plantio e Formação de Florestas, objetivando seu sustentável, como o que vem sendo feito através da utilização de plantas ornamentais e medicinais.

 

Quanto às propostas para o uso sustentável (manejo) de florestas, conciliando a produção com a conservação, foi exemplificada a recomposição da mata secundária mediante plantio de mudas de várias espécies ou até semeadura direta, visando a produção de madeira. Esse manejo poderia auxiliar a enfrentar as atuais dificuldades em relação à exploração de espécies nativas, que apresentam dois problemas na região:

1)     o custo do plantio é elevado e falta recursos para tal

2)     o ciclo de corte é longo (eucalipto entre 7 e 10 anos; espécies nativas entre 20 e 40 anos).

 

Assim, no que se refere ao manejo da madeira, destacou-se que, antigamente, se usava madeiras de diâmetros grandes (maciços); porém, a tendência atual é a de se usar diâmetros menores, em função do maior uso de laminados na indústria madeireira atual, consumindo assim toras menores, encurtando o ciclo de corte.

 

Foi destacada a necessidade de cultivo do Palmito, seja pela sua importância ecológica, pois é uma espécie que sustenta uma grande quantidade de aves e mamíferos; seja economicamente, pois é um produto muito apreciado no mercado; como socialmente, em função de que muitas famílias vivem do cultivo e/ou extração do palmito.

 

 

Agricultura Sustentável (SECRETARIA DA AGRICULTURA – CATI – EDR – CDA / Registro – Luiz Antonio de Campos Penteado)

 

Foi descrita a importância da produção frutífera da região do Vale do Ribeira, que é a maior do Estado de São Paulo, sendo a banana seu principal item de produção.

 

Foi referido como principal problema desses produtores de banana a falta de informação em todos os aspectos da cultura: aplicação de defensivos, local de plantio (invade as várzeas), destruição da mata ciliar. Contudo, foi destacada a realização de cursos intensivos sobre a utilização correta de defensivos para produtores, abrangendo aproximadamente 2.500 produtores, resultando num menor índice de intoxicação.

 

Além desse curso, foram destacadas outras ações voltadas à redução dos riscos à saúde e ambientais no cultivo da banana; à obtenção de uma produção sustentável de banana de alta qualidade, mediante a utilização de tecnologias que respeitem a natureza, a redução das fontes de contaminação geradas pela atividade bananeira, a manutenção das suas funções sociais como a geração de empregos, assegurando a diversificação de renda do agricultor. Entre essas ações, foram destacadas:

 

Ø      Ações contra o desmatamento para o plantio da banana, através do Sistema de micro bacias hidrográficas (CATI), de apoio ao agricultor, que vem sendo implantado no Vale do Ribeira;

Ø      Adoção de outras opções de cultivo, como o da “Banana Missouri”, que não precisa do controle da broca; dispensando o uso de agrotóxico;

Ø      Implementação do Programa de Produção Integrada da Banana, que visa a reengenharia da cultura da banana, promovendo a interação dos recursos naturais com as atividades de exploração da bananicultura, visando a minimização do aporte de insumos externos à plantação, destacando-se que 80% do programa é destinado ao uso adequado de defensivos. Ele busca a gestão ambiental das atividades da exploração da bananicultura, assegurando o menor risco de contaminação ambiental direta e indireta do uso de insumos e reduzindo os custos de produção. O Programa é fruto de convênios entre o Ministério da Agricultura, a Secretaria Estadual da Agricultura e o Conselho Nacional de Pesquisas.

 

 

Piscicultura (INSTITUTO DE PESCA / São Paulo – Maria Aparecida G. Ribeiro)

 

Foi destacado que a Aquicultura sustentável, constitui boa alternativa para a geração de renda e emprego, contribuindo para a diminuição da pobreza. Dentre os pontos considerados críticos para o desenvolvimento dessa atividade, foram mencionados:

 

Ø      Falta de apoio técnico especializado (pessoal), assim como a falta de novas tecnologias, inviabilizando a competitividade do setor.

Ø      a necessidade de elevação da lâmina d’água dos cursos d’água da Bacia para a formação de tanques; a localização dos produtores no interior de áreas de proteção ambiental, fato que obstrui a ampliação dos negócios (duplicação do espelho d’água, por exemplo), já que os produtores da região são de pequeno porte (característica da região);

Ø      e o fato de boa parte dos proprietários não possuírem o título da terra, o que dificulta a aprovação desses tanques e inviabiliza qualquer tipo de captação de recursos para investimento.

 

Foi relatado que o Instituto de Pesca atua desde a produção de insumos até chegar ao consumidor final (cadeia produtiva). Porém, os Institutos de Pesquisas não podem fazer a divulgação de tecnologias geradas ou captadas sem o apoio da extensão, no caso a CATI. A CATI tem que estar inserida no processo

 

Propostas para superação dos entraves ao desenvolvimento da piscicultura:

-         legalização da questão jurídica quanto à titulação da posse da terra

-         criar tecnologias para resolver problema da duplicação da lamina d’água, interligação com a CATI, por exemplo

-         mecanismos para escoamento da produção, como por exemplo, plantas processadoras de peixes

-         trabalho conjunto entre Secretarias (integração)

 

Pesca Litorânea (INSTITUTO DE PESCA / Cananéia - Jocemar Tomasino Mendonça)

 

A região está entre as três maiores produtoras de pescado do Brasil.

 

Ø      Cananéia: +- 800 pescadores ativos, 2 complexos industriais de processamento do pescado, estrutura de atracagem, com um entreposto e uma cooperativa de ostras, +- 16 peixarias, associação e colônia de pescadores. Principais produtos: camarão 7 barbas, curvina, pescado foguete, tainha, parati e ostra. Produção: em 2000 à 2.150 ton. de pescado;

 

Ø      Iguape: +- 1.850 pescadores, 3 indústrias, estrutura de atracagem, Ceagesp, cooperativa de manjuba, 13 peixarias, colônia de pescadores. Principais produtos: Manjuba, Bagre, Siri Azul e Tainha. Produção: em 2000 à 1.600 ton. de pescado (75% manjuba). Iguape é o maior produtor de Siri Azul do Estado de São Paulo;

 

Ø      Ilha Comprida: +- 80 pescadores, não tem indústria, não existe estrutura de atracagem, 3 peixarias. Principais produtos: Pescada Foguete, Tainha, Camarão Branco. Produção: em 2000 à 33 ton. de pescado.

 

Problemas:

-         falta de um Plano de Ordenamento Pesqueiro;

-         na comercialização, falta agregar valor ao produto, que geralmente é comercializado “in natura” causando problemas de estocagem;

-         falta de organização ente pescadores;

-         falta de fiscalização efetiva;

-         captura predatória, falta de linhas de crédito;

-         falta de pessoal técnico especializado;

-         em Cananéia, problema de sinalização da Barra;

-         atravessadores de pescado (ditam os valores a serem pagos aos pescadores);

-         a influência do Valo Grande. O Valo Grande aberto desestabiliza as condições abióticas da água do estuário, ou seja, a salinidade cai de 20 pontos para zero, dificultando o crescimento de ostras, por exemplo;

-         falta de infra-estrutura para atender à classe pesqueira;

-         balizamento e drenagem da barra de Cananéia (diminui as condições de entrada de embarcações).

 

 

Ecoturismo (FUNDAÇÃO FLORESTAL / São Paulo – Paul Dale)

 

O ecoturismo foi conceituado como uma atividade que mobiliza inúmeros setores econômicos, o que implica na necessidade de se promover melhorias em todos eles, para se dinamizar essa atividade na Bacia, que apresenta imenso potencial nesse campo, apesar dela não poder ser vista como a grande e única atividade que a sustentará.

 

 

Projeto Agrofloresta (COOPERATIVA AGROFLORESTAL DE BARRA DO TURVO – Nelson Eduardo Corrêa Netto)

 

Foi apresentada a situação de Barra do Turvo, onde:

Ø      67% da população está concentrada no campo;

Ø      77% da área do município está dentro de parques ecológicos;

Ø      3% das propriedades rurais detém 60% da área do município, que é aproximadamente a área de pastagem do município; e

Ø      a base econômica de Barra do Turvo foi totalmente rompida com a introdução da braquiária (que acabou com as outras culturas).

 

Mesmo nesse contexto, foi colocada a perspectiva de se obter produtos agrícolas rentáveis, cada vez mais apreciados pelo mercado, sem a necessidade de recorrer a técnicas agressivas tradicionais, que desmatam, degradam o solo, as águas e prejudicam os próprios produtos cultivados.

 

Nesse sentido, foi apresentado o conceito de Agrofloresta, onde as plantas e vegetais, devem estar juntas (florestas, feijão, milho), procurando-se favorecer os processos naturais, ao mesmo tempo em que se faz agricultura. Esse conceito vem sendo aplicado através de uma cooperativa (Cooperativa de Barra do Turvo), que tem 120 associados.

 

A proposta desse Projeto consiste em incentivar o consumo de produtos oriundos da agrofloresta em detrimento da agricultura convencional, aquela em que se desmata para plantar. A agrofloresta facilita a adubação do solo, deixando-o mais rico em nutrientes.

 

 

Desenvolvimento Sustentável (Consultor de Meio Ambiente de Registro - Ronaldo José Ribeiro)

 

Partindo da constatação de que, comparada a outras regiões do Estado de São Paulo, a do Ribeira é a que detém os piores índices de desenvolvimento, a mais pobre, os piores índices sócio-econômicos, destacou que há um paradigma a ser superado: o de que o meio ambiente impede o desenvolvimento do Vale do Ribeira.

 

Nesse sentido, afirmou que os índices sócio-econômicos do Vale do Ribeira se mantém iguais aos atuais ao longo de décadas, não constituem um indicativo novo, como muitos defendem, por causa das leis ambientais. Referiu que as leis ambientais são iguais para todo o Estado de São Paulo e que é a partir do Meio Ambiente que o Vale do Ribeira terá um novo modelo de desenvolvimento, ao contrário de outras regiões do Estado de SP (ABC, Vale do Paraíba, p.ex.), que são modelos que já se esgotaram (“fumaça já não é mais sinônimo de desenvolvimento”).

 

Abordou a possibilidade de se obter desenvolvimento preservando os recursos naturais, exemplificando com os Projetos de Agrofloresta, Ecoturismo, Manejo de Espécies Nativas Tropicais Madeiráveis ou não madeiráveis (palmito, samambaia, musgo, plantas medicinais).

 

Sua proposta é a de Criação de Universidade Pública no Vale do Ribeira, que alavancará pesquisas na biodiversidade da região, em função de sua riqueza. Referiu que essa Universidade Pública pode ser a síntese ou símbolo do modelo de desenvolvimento apropriado para o Vale do Ribeira, em função de seu potencial imediato de geração de empregos diretos e indiretos (nas áreas de serviços e comércio).

 

Destacou que, na globalização, a grande oportunidade é ser diferente, e o Vale do Ribeira tem uma natureza e beleza únicas (praias, cavernas, rios, cachoeiras) agregando valor à região tornando-a conhecida mundialmente Criticou a falta de resultados dos inúmeros planos de desenvolvimento para o Bale do Ribeira, ressalvando que não se justifica a falta de desenvolvimento para a região, acrescentando que também não foi por falta de recursos que a situação sócio-econômica não mudou, já que nos últimos anos foram investidos U$ 30 milhões na região.

 

Concluiu que, estando a região diagnosticada, a tarefa agora é mudar essa realidade, buscando-se seu Desenvolvimento Sustentável. Nesse conceito devem estar contemplados aspectos como qualidade de vida, geração de empregos e renda, titulação das terras, Universidade Pública, apoio à agricultura familiar, da conservação e do uso da natureza. Assim, propõe viabilizar o acesso às informações da Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul à população como um todo.

 

A partir daí, destacou que poderiam ser enfocadas questões como:

Ø      o retorno social da produção de madeira - com a mão-de-obra empregada no próprio plantio das árvores, gerando emprego e renda;

Ø      Agrofloresta – onde faltam trabalhos de sistematização da produção, quantificação e qualificação quanto ao aumento da produtividade dos produtos gerados com o emprego dessa forma de cultivo; e

Ø      a criação de uma universidade pública no Vale do Ribeira, que pode ter um poder multiplicador sobre o conhecimento e o desenvolvimento das potencialidades da região, sem destruí-las.

 

Finalmente, é apresentado a seguir um quadro sintético, onde são consolidadas as contribuições obtidas em relação aos objetivos da realização dessas palestras.

 


QUADRO SÍNTESE DAS QUESTÕES E PROPOSTAS APRESENTADAS NAS PALESTRAS

 

TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES

RESÍDUOS SÓLIDOS

Destinação final inadequada

Praticamente toda a bacia

Formalização de Termos de Ajustamento de Conduta – TACs entre órgãos ambientais e prefeituras

 

Assinatura de contratos com a Secretaria do Meio Ambiente que autorizem a disposição de resíduos sólidos em valas, para pequenas cidades.

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS

Ainda existe lançamento de esgoto in natura nos córregos e riachos que chegam às praias

 

Implantar redes coletoras e sistemas de tratamento de esgoto, para evitar a piora da qualidade dessas praias

 

QUALIDADE DAS

ÁGUAS SUPERFICIAIS

Lançamentos de esgoto sem tratamento

Maiores lançamentos: Apiaí, Cajati, Iguape, Juquitiba e Registro

Aumentar o nível de tratamento de esgotos nesses municípios

 

Uso de fertilizantes

 

 

 

Contaminação por chumbo em função das atividades mineradoras no Alto Vale

Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, locais onde já foi detectada: Eldorado, Iporanga, Ribeira e Itaóca

A empresa CAF apresentou um plano em que se pretende começar os trabalhos de levantamento para posterior recuperação da área atingida

Complexidade da recuperação

Falta de integração para fiscalização e ações com o lado paranaense para tentar reduzir esse risco

Carreamento de sedimentos rio abaixo e risco de remobilização do chumbo, contaminando a água

Detectada contaminação por chumbo em 2000

Rio Juquiá

 

 


 

TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES

SISTEMAS DE

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Déficits de atendimento

Alto Vale

Ampliação dos investimentos

 

SISTEMA DE ESGOTOS

Déficits de atendimento

Alto Vale

Ampliação dos investimentos

Incentivar o aumento do número de ligações à rede coletora, para reduzir o lançamento de esgotos na rede de drenagem e cursos d’água

Esgotos lançados no alto da serra comprometendo mananciais e afluentes do Rio Ribeira a jusante

Apiaí

Apiaí é prioridade de investimento em Tratamento de Esgotos

DISPONIBILIDADE E DEMANDA DE ÁGUA

Perda e comprometimento dos recursos hídricos

 

Monitoramento dos cursos d’água

 

Aprimorar a base de dados

Efetivar a fiscalização e o gerenciamento das águas

Planejamento de usos

Zoneamento da região

EROSÃO

 

 

 

 

ENCHENTES

Ocupação irregular de várzeas

 

Coibir a ocupação de áreas próximas aos cursos d’água e várzeas

 

Construção de casas sobre pilotis para reduzir o problema de enchentes na zona rural

Definir com precisão o alcance, e limites de segurança e a eficácia de novas intervenções (Barragens do Tijuco Alto e do Valo Grande)

 


TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES


DESMATAMENTO

 

Perda grande em relação à sua cobertura original

 

Toda a Bacia

 

 

USO DE

AGROTÓXICOS

 

A cultura da banana, em 40.000 há consome de 85% a 90% de todo o agrotóxico comercializado na região

 

Indústrias produtoras multinacionais lançam para o caboclo que aplica o produto, toda a responsabilidade pelos danos ao Meio Ambiente

 

A maioria dos produtos utilizados no Brasil já é superada tecnicamente, aumentando o risco de contaminação, pelo uso de produtos proibidos em outros países

 

Pontos críticos da utilização de agrotóxicos: o próprio agrotóxico; a modalidade de aplicação; manipulação; comercialização e receituário do produto; problemas para a saúde da população e os recursos hídricos e a falta de diagnóstico das doenças causadas

 

Avaliação periódica dos impactos ambientais provocados pelo uso de agrotóxicos

 

Aumentar as restrições de uso de produtos de baixa eficiência agronômica ou mais agressivos ao ambiente

 

Educar e treinar o agricultor, informando que o veneno mata;

 

Promover integração maior entre os órgãos governamentais

 

Recompor a mata ciliar

 

Fiscalização.

 


 

TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES

SAÚDE

Menor acesso da população rural aos serviços médicos

 

População dependente do SUS pelo seu baixo poder aquisitivo.

 

Ocorrência de doenças, destacando-se:

Malária

Dengue

Esquistossomose

Leishmaniose

Itariri (leishmaniose)

Programa de saúde da família na região

 

Quanto à ameaça dos agrotóxicos, verifica-se um problema de notificação de casos de intoxicação (os dados são antigos), o que acarreta a falta de diagnóstico preciso sobre o problema

Eldorado é região que mais notifica casos de intoxicação

Criação de um centro de intoxicação por agrotóxicos na região (projeto em elaboração)

MANGUEZAIS

 

 

 

 

 

DESMATAMENTO

 

 

 

 

 


 

TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES

SILVICULTURA

 

Extração clandestina nos parques ecológicos, reduzindo a quantidade das árvores do palmito

 

Não há alternativas de renda para essas populações

 

Dificuldades na exploração de espécies nativas: ciclo de corte é longo, custo do plantio é elevado e faltam recursos

 

Programa de Plantio e Formação de Florestas -

modelo de plantio diversificado na vegetação secundária, para enriquecimento de espécies

 

cultivo do Palmito,  pela sua importância ecológica, econômica e social

 

AGRICULTURA

SUSTENTÁVEL

Principal problema dos produtores de banana é a falta de informação na aplicação de defensivos, local de plantio e destruição da mata ciliar

 

 

Cursos intensivos sobre a utilização correta de defensivos

 

Ações contra o desmatamento para o plantio da banana, através do Sistema de micro bacias hidrográficas (CATI), de apoio ao agricultor, que vem sendo implantado no Vale do Ribeira;

 

Plantio da “Banana Missouri”, que dispensa o uso de agrotóxico;

 

Implementação do Programa de Produção Integrada da Banana para efetuar a gestão ambiental dessa atividade

 


 

TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES

PISCICULTURA

 

Falta de: pessoal para apoio técnico especializado e de novas tecnologias

 

Produtores da região são de pequeno porte, boa parte não possui o título da terra e situam-se em áreas de proteção ambiental, obstruindo a ampliação dos negócios, como a duplicação do espelho d’água, a aprovação dos tanques e a captação de recursos

 

Legalizar a posse da terra

 

Criar tecnologias e mecanismos para: resolver problema da duplicação da lamina d’água; para escoamento da produção

Apoio da extensão, no caso a CATI, para divulgação de tecnologias geradas

 

Trabalho conjunto entre Secretarias (integração)

PESCA LITORÂNEA

 

Falta de condições para o desenvolvimento dessa atividade: Plano de Ordenamento Pesqueiro/ agregação de valor ao produto; organização entre pescadores; fiscalização efetiva da captura predatória; linhas de crédito; pessoal técnico especializado

 

Problema de sinalização da Barra; de atravessadores de pescado e da influência do Valo Grande aberto, que desestabiliza as condições da água do estuário, dificultando o crescimento de ostras; falta de infra-estrutura para atender à classe pesqueira; condições de balizamento e drenagem da barra de Cananéia, dificultando a entrada de embarcações

Cananéia

As propostas referem-se à superação dos problemas listados

 


 

TEMAS DAS

PALESTRAS

PRINCIPAIS PROBLEMAS

RELACIONADOS A RECURSOS HÍDRICOS

LOCALIZAÇÃO

SOLUÇÕES PROPOSTAS

OBSTÁCULOS NA

VIABILIZAÇÃO DAS

SOLUÇÕES

PROJETO

AGROFLORESTA

 

67% da população concentrada no campo

 

77% da área do município está dentro de parques ecológicos

 

3% das propriedades rurais detém 60% da área do município, que equivale à sua área de pastagem

 

Introdução da braquiária acabou com as outras culturas e a base econômica do município

Barra do Turvo

Projeto Agrofloresta – plantio de produtos agrícolas em meio à vegetação natural e florestas

 

Incentivar o consumo de produtos oriundos da agrofloresta em detrimento da agricultura convencional

 

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

 

A região do Ribeira tem os piores índices sócio-econômicos e de desenvolvimento no estado

 

Falta de resultados dos inúmeros planos de desenvolvimento para o Vale do Ribeira

 

 

Novo modelo de desenvolvimento, a ser iniciado através da busca de retorno social da produção de madeira, do aprimoramento da experiência da Agrofloresta; e

a criação de uma universidade pública com poder multiplicador na região

Paradigma a ser superado: o de que o meio ambiente impede o desenvolvimento do Vale do Ribeira

 

 


Considerações gerais sobre as informações trazidas nas palestras

 

Registrou-se a atualização de algumas informações relativas à situação dos recursos hídricos mostrada no Relatório “0”, sobretudo em função do tempo decorrido entre as fontes consultadas à época de elaboração desse relatório e as disponíveis no momento das palestras.

 

A pontuação de alguns problemas graves da região, como os de saúde, contaminação, precariedade sócio-econômica motivando novas ameaças ao patrimônio natural, único no contexto da região Sudeste, além de seus reflexos no estreitamento das alternativas futuras de desenvolvimento; tudo isso, pôde ser inferido, em maior ou menor grau, seja nos depoimentos dos palestrantes, como nas intervenções do público.

 

Foram também apresentados investimentos, pesquisas e experiências em diferentes estágios de desenvolvimento. A despeito da abordagem de questões importantes, boa parte das informações trazidas pelos palestrantes não possibilitou a identificação dos principais problemas relacionados aos recursos hídricos da Bacia, sua localização, as propostas para solucioná-los, ou os principais obstáculos a serem superados nesse sentido.

 

Dessa forma, há que se registrar que os objetivos do seminário não foram satisfatoriamente alcançados. Essa situação é considerada muito importante para orientar as propostas de ação que deverão integrar o Plano de Bacia, pelas razões a seguir referidas.

Considerando a importância dos temas selecionados, por sua aderência à problemática dos recursos hídricos, e a falta de informações substantivas para boa parte deles, seja pelo não envio ao Comitê dos textos requeridos, ausência de alguns expositores, ou ainda, pela falta de referências concretas nas exposições verbais e nos textos encaminhados, há que se refletir sobre essas dificuldades.

O nível das apresentações foi bastante variável, permanecendo diversas questões em aberto, dentre as consideradas fundamentais para o embasamento do Plano de Bacia, o que requer a tomada de decisão quanto à conveniência de se reiterar a solicitação de informações ou, o que parece mais adequado, de se remeter essas carências para equacionamento no bojo do próprio Plano, seja através do aprofundamento de alguns estudos, como para o fortalecimento da capacidade de gestão do Comitê e, conseqüentemente, do seu poder de obtenção das informações necessárias à essa gestão.

Questiona-se a disponibilidade de informação em nível suficiente para orientar a ação governamental. Por outro lado, existindo essa informação, o fato dela não ter sido trazida a público e ao Comitê, em particular, sugere algum nível de desconsideração da importância desse fórum; o que, todavia, não parece auspicioso para a perspectiva de se conduzir, a partir dele, um conjunto de ações que requererá recursos, participação pública, liderança, integração, e grande capacidade de transformação.

Esse contexto, que foi sendo confirmado através do esvaziamento das oficinas subseqüentes, também pôde ser verificado na divulgação de alguns indicadores de melhoria verificada na situação dos recursos hídricos nessa Bacia que, em alguns aspectos, dependeu de isoladas decisões e ações básicas e limitadas no campo do saneamento.

Essa situação leva à necessidade de reflexões acerca da gestão dos recursos hídricos que é efetuada, em relação à ação governamental propriamente dita e também no que se refere às tentativas de integração de políticas no seio do Comitê.

 

 

2.1.3.- 1a Oficina Regional de Trabalho

 

 

Por deliberação da Câmara Técnica de Planejamento, as Oficinas que se seguiram passaram a ser regionais, numa tentativa extremamente válida de buscar, nas várias regiões que compõem a UGRHI, as opiniões e propostas das comunidades que nelas habitam.

 

Com esse intuito, foram programadas três Oficinas Regionais: em Apiaí (Alto Ribeira), Registro (Médio e Baixo Ribeira) e Miracatu (Alto Juquiá).

 

A exemplo do que ocorreu nas duas Oficinas de Trabalho para elaboração do Plano de Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, esta 1a Oficina Regional, realizada em Apiaí, no dia 9 de novembro de 2001, também adotou processo intensamente participativo para tomada de decisões.

 

Os temas escolhidos amadureceram em função de proposta de estratégia para elaboração do Plano de Bacia mais racional e atenta às verdadeiras necessidades da região, em termos de recuperação, preservação e conservação dos recursos hídricos.

 

A proposta, que foi submetida à Câmara Técnica de Planejamento e por ela aprovada, considerou os aspectos relevantes registrados na 1a Oficina de Trabalho.

 

Diante das conclusões da citada Oficina, foi proposto que o CBH-RB assumisse a liderança e o rígido controle de uma estratégia para encaminhamento do Plano de Bacia, estratégia essa embasada em dois vetores fundamentais, quais sejam:

 

·        1o vetor - Sustar a evolução dos processos de degradação ambiental;

 

·        2o vetor - Priorizar as ações e obras que se evidenciem factíveis.

 

A justificativa do 1o vetor é óbvia. Trata-se de clara determinação política objetivando à mudança do modelo de desenvolvimento, optando pela efetiva preservação e conservação dos recursos naturais, em especial, os hídricos.

 

Dentro desta diretriz, o Comitê estabeleceria os quesitos mínimos a serem observados num processo de ajuste jurídico-institucional dos Municípios pertencentes à Bacia.

 

Esse ajuste deveria contemplar a reestruturação administrativa e promulgação de atos legais, de forma a capacitar o Município para a responsabilidade de implantar, em seu território, as diretrizes estabelecidas pela Lei Federal 9433 (Política Nacional de Recursos Hídricos) e Lei Estadual 7663 (Política Estadual de Recursos Hídricos).

 

O CBH-RB se organizaria para apoiar os Municípios nessas tarefas.

 

Mediante deliberação do Comitê, os Municípios que se organizassem seriam especialmente reconhecidos, e teriam prioridade ao acesso de recursos que dependessem do CBH-ALPA.

 

Com o mesmo objetivo de sustar a evolução dos processos de degradação, o Comitê firmaria acordos com instituições oficiais, como Ministério Público, DAEE, CETESB, SABESP, DEPRN, Polícia Militar Florestal, além de outros, buscando uma ação integrada e efetiva junto à sociedade, orientando, instruindo, fiscalizando, autuando e punindo sempre que necessário.

 

Logicamente, uma ação concentrada no sentido proposto, deveria resultar na preservação daqueles recursos naturais ainda não atingidos.

 

Por outro lado, a estruturação de um banco de dados que sustente a gestão dos recursos hídricos na Bacia permitiria, não apenas o efetivo conhecimento e acompanhamento das questões ligadas aos recursos hídricos, como viabilizaria uma possível implantação do sistema de cobrança pelo uso da água.

 

O 2o vetor visava à recuperação segura e progressiva dos recursos hídricos e áreas degradadas, em todos os seus aspectos mais relevantes.

 

Com base no Relatório “0” e na avaliação da 1a Oficina de Trabalho, o Comitê deveria priorizar ações e obras, com clara definição dos recursos a investir e das fontes que garantirão a sua viabilização.

 

A priorização, em princípio deveria ater-se a alguns poucos temas, que demandassem intervenções urgentes, evitando-se um programa extensivo e “ilusório” de obras, e garantindo-se a sua factibilidade.

 

Procedendo desta forma, estaríamos buscando resultados positivos, com maior segurança e menores riscos de fracasso, de forma a garantir credibilidade ao processo e ao próprio Comitê de Bacia.

 


QUESTÕES ESPECÍFICAS DOS TEMAS

 

Ações de curto prazo para sustar os processos de degradação

 

Propostas – a ênfase na educação no curto prazo requer estruturação prioritária de conteúdos e meios para a sua difusão, para mostrar exemplos auspiciosos e isso não apenas para a idade escolar, no sentido de torna-la abrangente. A apresentação de alternativas, em termos de tecnologias, constitui proposta necessária, mesmo no curto prazo, considerando seu papel de mostrar, o quanto antes e para todos os envolvidos, os caminhos possíveis para a alteração das situações de degradação.

 

Meios e Condições  os atributos centrais foram a integração, a oferta de opções e sua difusão.

 

Dificuldades – constatação: faltam todos os meios.

 

Responsabilidades – ênfase governamental, porém, cabe apontar outros agentes sociais.

 

Comentários gerais

 

O que foi apontado como “Ações de curto prazo para sustar os processos de degradação”:

o       contrasta com a perspectiva de coleta de resultados materiais e práticos dos esforços de ampliar a educação da população;

o       não possibilita a verificação das suas relações com a realização das barragens;

o       ressalta a importância de se propiciar alternativas em relação ao que se faz hoje e que resulta em degradação.

 

Focos / vetores de transformação

q       Ênfase na educação como mobilizadora de conteúdos, apoios, recursos, impulsionando para a busca de alternativas.

 

Ações de médio e longo prazos para recuperação e conservação dos recursos hídricos

 

Propostas – ênfase nas questões agrícolas, proteção de seus insumos e precondições: água, terra, biodiversidade e salubridade; esta, envolvendo o equacionamento dos efluentes / esgotos.

Meios e Condições – produção de conhecimento, investimentos governamentais e adequação de sua gestão com novos instrumentos, mudança de rumos econômicos. Há o registro de um conflito de interesses, entre os partidários de se ampliar a abrangência dos parques para proteger mananciais; e os que defendem uma adequação das divisas desses parques, sem amplia-los.

 

Dificuldades – abrangem um amplo conjunto, detectando um quadro de precariedade, de carência total de meios, de governo, de capacidade governativa; expõem uma região efetivamente marginalizada das prioridades governamentais. Isto leva a algumas indagações: que concepção de governo está subjacente no atual governo? Se a região não reivindica o suficiente, se não oferece e impõe sua própria pauta de interesses e se não gera recursos à maneira da economia clássica (degradando, ampliando a arrecadação de ICMs, etc.), parece ficar com suas demandas fora da faixa audível dos círculos de poder real.

 

Paradoxalmente, a proteção aos mananciais enfrenta resistência dos produtores rurais, ainda que eles não possam prescindir da utilização e disponibilidade do recurso que busca-se produzir com essa proteção.

 

Responsabilidades – reaparecem todos, o que é correto, mas sua factibilidade demanda priorização de foco. Não está identificado o Comitê, apenas marginalmente através da referência ao Fehidro.

 

Comentários gerais

O que foi apontado como “Ações de médio e longo prazos para recuperação e conservação dos recursos hídricos”, mostrou-se compatível, pela abordagem de ações recuperadoras – de saneamento, reorientação e fiscalização, além da proteção aos mananciais, como preventivas. Aliás, a proteção aos mananciais, pelo vulto do que foi abordado em relação às dificuldades, meios e responsabilidades pela sua viabilização, evidencia que o tratamento desse tema requer alterações substanciais no atual modelo e nas práticas de desenvolvimento dessa sub-região.

 

Focos / vetores de transformação

q       Conteúdos, apoios, recursos, impulsionando para a busca de alternativas e exibindo uma abrangência de condições necessárias e de responsáveis envolvidos, numa perspectiva de integração.

 

Bases para um novo modelo de desenvolvimento sustentável

 

Propostas – apresentaram uma nova pauta, revertendo a situação atual e explorando recursos disponíveis.

 

Meios e Condições – relação abrangente e completa, todavia, também carecerá da identificação de caminhos estratégicos para a promoção da mobilização geral, inclusive governamental, na linha de se promover apoios, alterações e alternativas.

 

Dificuldades – enfrentamentos corretamente mapeados, pontos críticos para reversão: como sobreviver economicamente durante a travessia para outra perspectiva, alterando as bases econômicas, culturais, financeiras?

 

Responsabilidades – talvez falte a inclusão de consumidores (ainda que eles tenham comparecido como parte dos meios necessários para a viabilização das propostas), de suas associações de defesa e de cadeias de comercialização e divulgação de novos produtos pretendidos para a região. De todo o modo, onde está o Comitê, ele não é visto como importante nessa perspectiva de transformação?

 

Comentários gerais

O que foi apontado como “Bases para um novo modelo de desenvolvimento sustentável” mostrou-se compatível, em especial para o perfil dessa sub-região, de forte base agrícola e dotada de grandes recursos a serem protegidos.

 

Focos / vetores de transformação

q       Conteúdos, apoios, recursos, impulsionando para a busca de um conjunto equilibrado de alternativas e exibindo uma abrangência de condições necessárias e de responsáveis envolvidos, numa perspectiva de integração e viabilização de novos negócios.

 

 

2.1.4.- 2a Oficina Regional de Trabalho

 

 

Esta 2a Oficina Regional de Trabalho realizou-se em Registro, no dia 8 de dezembro de 2001, obedecendo a mesma sistemática da anterior.

 

Ações de curto prazo para sustar os processos de degradação

 

Propostas – relação adequada, bastante abrangente e, em boa medida, de rápida implementação, como exemplificado pela produção de informação e difusão de controles emergenciais, para obtenção de rápidas respostas nas frentes críticas de degradação.

 

Meios e Condições – relação centrada e adequada ao curto prazo, coerente com a estratégia proposta. Em relação às demais propostas, não houve a identificação desses meios, em função do prazo decorrido para discussão dos outros itens desse tema, mas é possível inferi-los da natureza das dificuldades apontadas.

 

Dificuldades – não adiantou muito centrar a identificação dos meios para algumas propostas, se as dificuldades são de toda a ordem para esta e para as demais propostas. Há aqui uma relação adequada, mas de difícil deflagração, pois, praticamente tudo, constitui dificuldade.

 

Responsabilidades – tendo sido apontados os três segmentos do Comitê, por que não mobiliza-los através dele? As demais responsabilidades não foram definidas, em função do prazo decorrido para discussão dos outros itens desse tema, mas é possível inferi-las da natureza das dificuldades apontadas.

 

Comentários Gerais

O que foi apontado como “Ações de curto prazo para sustar os processos de degradação” mostrou-se compatível, em especial com o perfil dessa sub-região da bacia, que contempla uma base agrícola, porém, com atividades mais desenvolvidas de caráter urbano-industrial, além do extrativismo mineral, mas ainda dotada de grandes recursos a serem protegidos.

 


Focos / vetores de transformação

q       Ações de rápida eficácia e centradas em meios mais operacionais, porque não ampliam em demasia a necessidade de mobilização, que é variável crítica na região; a despeito de ser requerida organização e coordenação, atributos cujo alcance, pelo poder público, ainda é demandatário de profundos esforços, em todos os níveis.

 

Ações de médio e longo prazos para recuperação e conservação dos recursos hídricos

 

Propostas – identificação da necessidade de atuação, de responsabilidades disseminadas e de informações sistemáticas alcançando o governo e o público; além das formas de controle social e atuação direta nos problemas a serem enfrentados. Quanto às obras, pela crônica falta de recursos, mostra-se adequado apontar o aproveitamento de estruturas existentes em parte ociosas, como as ETEs, tratando mais esgotos, ou melhorando a sua performance através de cuidados operacionais e a manutenção do sistema todo, inclusive do de água. Porém, elas abrangem também a expansão do atendimento para áreas rurais, onde, além dos recursos adicionais, requererão mudanças significativas na forma de atuação tradicional da Sabesp.

 

Meios e Condições  verifica-se a preocupação em oferecer algo que materialmente assegure o desenvolvimento de oportunidades de emprego e renda no processo de conservação ambiental e, talvez também no de recuperação, o que pode ser considerado realista e condizente com o quadro social da região e suas poucas perspectivas nesse campo. Em relação às demais propostas, não houve a identificação desses meios, em função do prazo decorrido para discussão dos outros itens desse tema, mas é possível inferi-los da natureza das dificuldades apontadas.

 

Dificuldades – essa relação constitui uma constante, ainda que não seja identificada toda ela para cada uma das propostas. Destaque-se a questão da desconfiança na relação entre governos e a comunidade que, evidentemente deve ter suas bem fundadas raízes, e para cuja superação, questões de legitimidade política devem ser enfrentadas de parte a parte, talvez a partir da construção compartilhada de um sistema de controle social do conjunto dessa nova relação. Outro destaque fica por conta da demanda de coordenação de ações; atribuição básica do estado que, se não for exercida, questiona sua própria existência.

 

Responsabilidades – não houve a identificação dessas responsabilidades, em função do prazo decorrido para discussão dos outros itens desse tema, mas é possível inferi-las da natureza das dificuldades e das propostas formuladas.

 

Comentários gerais

O que foi apontado como “Ações de médio e longo prazos para recuperação e conservação dos recursos hídricos” mostrou-se compatível, porque, apesar de poder freqüentar também a relação de ações emergenciais e expeditas, apenas amadurecem em prazos bem maiores.

 

Focos / vetores de transformação

q       um painel de ações necessárias que deverá ser objeto de detalhamento e de melhores definições quanto ao seu alcance, para se poder colher resultados efetivos no médio prazo, mas que poderão mostrar resultados importantes também no curto prazo, desde que também se mostrem socialmente, como exemplares da pertinência, credibilidade, continuidade e correção dos rumos adotados. A reiterada referência à necessidade de permanência e de continuidade nas ações e à sua coordenação, de um lado sinaliza que, nessa travessia para outra realidade no médio e longo prazos, não há como dispensar esse atributo para organizar e alinhar todo o conjunto de ações e atividades e atitudes requeridas; por outro lado, exibe um campo aberto para a entrada do Comitê, sob diferentes modalidades de atuação em torno dessa coordenação

 

 

Bases para um novo modelo de desenvolvimento sustentável

 

Propostas – dentro do quadro mais marcadamente urbano, de seus conflitos amplamente demonstrados no que diz respeito aos recursos hídricos, a real utilização de instrumentos de planejamento é realmente imprescindível. Isso, porém, pressupõe alterar a prática de formulação dos planos diretores[3] e do seu papel tradicional na gestão municipal e na dos demais níveis de governo. A carência de recursos freqüentemente limita, na prática, o poder de autodeterminação municipal quanto a opções econômicas e rumos de desenvolvimento, deixando-o particularmente refém de interesses ocasionais, sejam eles de origem privada ou pública, no caso, de outros níveis de governo. Isto dificulta sobremaneira a assunção de pressupostos e o estabelecimento de condições e limites quanto ao desenvolvimento de áreas e setores do município. Nesse contexto, fica extremamente reduzido seu poder de negar o desenvolvimento de atividades econômicas, como as que vêm para a região buscando expandir seu potencial de aproveitamento de recursos naturais, descartando a internalização de custos ambientais e sociais. Nesse sentido, a questão passa a ser o fortalecimento da capacidade de autodeterminação dessa região com relação aos rumos pretendidos para o seu desenvolvimento, buscando associar-se a correntes de pensamento, linhas de crédito e cadeias produtivas que possam realmente ampara-la na produção concreta de alternativas diferentes das atuais. A luta pelo orçamento regionalizado é considerado um caminho fundamental no rumo dessa autodeterminação, na busca de superar o jogo político clientelista que mantém a região refém da atuação tradicional e assistencialista do Estado – nessa proposta confere-se ao Comitê uma responsabilidade na condução de um outro formato, o de definição regionalizada de orçamento. Da mesma forma, registrou-se a busca da excelência, da capacitação de interlocutores para elevar o nível geral das propostas, da formulação de demandas, da ampliação de canais para busca de oportunidades de investimento, inclusive no exterior, no que seja considerado uma base econômica sustentável para a região. Está mais que demonstrada também a necessidade de superação das opções atualmente postas à disposição, ou impostas pela falta de alternativas de desenvolvimento para a região.

 

Meios e Condições – relacionados à pesquisa e aos cursos superiores, a sua identificação não abrangeu a maioria das propostas, apesar de apontar, corretamente, a difusão de trabalhos científicos de importância regional.

 

Dificuldades – relacionadas à pesquisa e aos cursos superiores, a sua identificação não contemplou o restante das propostas, mas exibe preocupação com o retorno social dos investimentos na produção de conhecimento, particularmente em relação às necessidades da bacia. A organização segue sendo apresentada como lacuna, questionando, evidentemente, o tipo de gestão pública até aqui efetuado na região. Essa organização está colocada como limitação em relação à avaliação da  implantação de planos e projetos, considerada, corretamente, como realimentação imprescindível para a validação, correção ou adequação de experiências, instrumentos de gestão e propostas que venham a ser elaboradas ou implementadas, no processo de construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentável. Afinal, como poder-se-ia aferir sustentabilidade senão através de sistemas de avaliação organizados e sistemáticos? A realização de avaliações sumárias de propostas ou projetos ou, pior, a propagação exclusiva de uma versão otimista, de sucesso ou eficácia, produzidas por seus autores ou beneficiários, não constitui, evidentemente, garantia dessa eficácia, em especial quando a baixa disponibilidade de recursos não permite a oportunidade de repetir tentativas, ampliar o espectro de alternativas ou, mais grave, corrigir equívocos a posteriori, especialmente se considerado que isso é sempre mais custoso. Está em questão que há cada vez melhores instrumentos de previsão, modelagem e simulação disponíveis, cuja característica em comum, se adequadamente aplicados, é a de que custam sempre muito menos que a se assumir riscos desnecessários, evitáveis e previsíveis.

 

Responsabilidades – não houve a sua identificação, em função do prazo decorrido para discussão dos outros itens desse tema, mas é possível inferi-las da natureza das dificuldades apontadas.

 

Comentários gerais

O que foi apontado como “Bases para um novo modelo de desenvolvimento sustentável” trouxe um repertório abrangente, direcionado ao lançamento das bases desse modelo, e consistente com o estágio de discussão que o Comitê tem promovido.

 

Focos / vetores de transformação

q       Pesquisa, capacitação desenvolvimento econômico, formação, avaliação de projetos e cobrança na efetividade da implementação de planos.

 

 


2.1.5.- 3a Oficina Regional de Trabalho

 

 

Realizada em Miracatu, no dia 14 de dezembro de 2001, esta Oficina Regional obedeceu a mesma programação das demais.

 

Ações de curto prazo para sustar os processos de degradação

 

Propostas – mudar o perfil dos cultivos, partindo do pequeno produtor requer compensações no curto prazo, pois este não tem capital pra sustentar novos investimentos que a alteração das práticas tradicionais requer; ainda que elas sejam simples práticas conservacionistas. Envolver e ouvir a população que se relaciona diretamente com os recursos hídricos, a ribeirinha, para buscar a alteração de práticas degradantes; alterar a mentalidade predominante. Os impactos dos resíduos sólidos são considerados equacionáveis com a adoção de mudanças operacionais e, novamente, com o envolvimento da população; a regulação de atividades agressivas e degradantes dos recursos hídricos; e a adoção de cuidados básicos, como os de saneamento.

 

Meios e Condições – apontados os meios básicos, porém, a compensação financeira pode não ser viável no curto prazo, pois contraria a lógica tradicional da agricultura e também a da arrecadação e distribuição dos recursos tributários. Além disso apontou-se a necessidade de atuação de mobilizadores da comunidade e a realização de mobilizações mais intensas; a disponibilização e uso de instrumentos gerenciais para os municípios; cobrança de desempenhos, seja na aplicação geral de leis; como no desenvolvimento de ações que lhe são próprias, como no caso da Sabesp.

 

Dificuldades –– as que foram apontadas implicam em prazos mais longos e pressupõem uma imponderável perspectiva de alteração da vontade política e da sua decorrente obtenção de recursos, conhecimento e demais instrumentos, como os normativos, de planejamento e intervenção. Além disso, objetivos como os de equacionamento dos problemas atuais dos serviços de coleta e destinação de resíduos sólidos, devem ser alcançados antes ou, pelo menos simultaneamente, à necessária ampliação da cobertura dos serviços, para se evitar a propagação de deficiências conhecidas em territórios mais amplos.

 

Responsabilidades – ênfase nos órgãos de agricultura, educação e meio ambiente no estado, envolvendo também o poder local e as comunidades organizadas.

 

Comentários gerais

O que foi apontado como Ações de curto prazo para sustar os processos de degradação” considera-se adequado, apesar de algumas pré-condições e dificuldades terem perspectiva de amadurecimento e resolução em prazos mais amplos, como as de vontade política, recursos, educação e a de efetividade na aplicação de leis e de planos.

 

Focos / vetores de transformação

Ø      Mobilização, envolvimento e cobrança de atitudes diferenciadas também dos órgãos públicos; ênfase no perfil rural nas propostas apresentadas nessa sub região da bacia.

 

 

Ações de médio e longo prazos para recuperação e conservação dos recursos hídricos

 

Propostas – abrangeram a recuperação da cobertura vegetal, investimentos na requalificação das soluções de destino final dos resíduos sólidos, implantação de soluções de coleta e tratamento de esgotos; ou seja, buscaram apontar para a necessidade de investimento em mínimas condições de saneamento ambiental, com ênfase na zona rural dessa sub-região da Bacia.

 

Meios e Condições – atividades compatíveis com a disponibilidade de recursos regionais e de baixo custo; a despeito de haver referência a investimentos na área rural e à criação de normas e à obediência daquelas em vigor, o que sugere a existência de deficiências estruturais a serem enfrentadas em prazos mais longos.

 

Dificuldades – novamente, o ‘querer’ político, a vontade dos governantes comparece como responsável pela manutenção de uma situação rejeitada. O mesmo vale em relação à necessidade de interação das ‘vontades’ dos dirigentes e quadros funcionais dos organismos setoriais. A alteração dessa ‘vontade’ atual mostra-se decisiva na criação de alternativas, de respostas diferenciadas, alterando o ciclo que se fecha na falta de motivação dos envolvidos na busca de novos caminhos. Talvez a informação constitua o ponto de apoio para transformar a indesejável situação atual. No que se refere às dificuldades apontadas para a destinação final de lixo - a busca de áreas nas áreas ambientalmente protegidas – constitui um problema efetivamente grave, que encontra caminhos na recuperação dos atuais locais em uso, com prorrogação de sua vida útil, de forma menos impactante que a atual, desde que não se localize em mananciais para abastecimento.

 

Responsabilidades – de fato, estão identificados os órgãos que têm as atribuições legais correspondentes, porém, pelas dificuldades apontadas, que são críticas, não o fazem, não aplicam as normas, não têm vontade política ou não oferecem respostas adequadas.

 

Comentários gerais

O que foi apontado como Ações de médio e longo prazos para recuperação e conservação dos recursos hídricos” mostra-se, de fato, viável nesses prazos; porém, requer informação ou outros elementos mobilizadores, que não são identificados; registre-se também que não é atribuído ao Comitê qualquer papel nesse sentido.

 

Focos / vetores de transformação

Ø      saneamento na zona rural, agricultura diferenciada e recomposição da cobertura vegetal.

 

Bases para um novo modelo de desenvolvimento sustentável

 

Propostas – Um Plano Diretor[4] capaz de apontar para um modelo de desenvolvimento sustentável, realmente requer uma orientação diferenciada daquela presente nos planos tradicionais e essa orientação não necessariamente está presente nos municípios pequenos, mesmo daqueles que chegam a requerer, de forma autônoma, a formulação de seu plano. Freqüentemente, nem a participação popular está presente nas condições pré-estabelecidas na contratação desses planos. Em relação à Universidade Pública, considera-se proposta fundamental para a alteração do modelo, porém, ela também requer grandes esforços e recursos, numa conjuntura desfavorável que é a da restrição aos dispêndios daquelas já criadas. Outra proposta colocada, a da regionalização administrativa governamental, merece destaque por ser considerada fundamental para a articulação da ações de um “novo“ estado, que possa se apresentar como adequado à questão ambiental, em especial, daquela enfrentada por uma região que, tradicionalmente, situa-se fora do elenco das clássicas prioridades governamentais.

 

Meios e Condições – A orientação diferenciada que se requer para a transformação do modelo está posta na identificação dos meios para o Plano Diretor. A vontade e a mobilização são corretamente definidas, mas demandam a identificação de qual seria o seu ponto de partida, o que as deflagraria? Por outro lado, as propostas de criação de leis, em especial as de alteração da forma de organização e descentralização governamental, quando não emanam de propostas do executivo, encontram dificuldades na sua aprovação, em função de, pelo menos, duas condições que interagem: a) não constituem tema de grande apelo político popular; e b) podem ser mais facilmente vetadas pelo executivo estadual, seja porque podem gerar dispêndios adicionais, como porque requererão alguma forma de delegação de poder e de explicitação política e pública de prioridades governamentais no âmbito regional, reduzindo sua margem de mobilização desses recursos no conjunto do Estado.

 

Dificuldades – O conselho proposto poderá, de fato, tornar a elaboração do Plano Diretor uma atividade minimamente compartilhada; resta ver se a sua composição teria a hegemonia de apoiadores de uma visão alternativa à atual, que é a requerida para a concretização de um modelo de desenvolvimento sustentável. Os recursos e o apoio político novamente comparecem como lacunas, ou insuficiências, para viabilizar as propostas como a da Universidade Pública.

 

Responsabilidades – foram apontadas corretas atribuições, que inclui a designação de representações da sociedade na viabilização do Plano Diretor. A União comparece pela primeira vez como responsável; no caso, na viabilização da Universidade Pública. A designação do Estado e da Assembléia identificam acertadamente o alvo das propostas de reforma administrativa e da reorganização do estado.

 

Comentários gerais

 

O que foi apontado como “Bases para um novo modelo de desenvolvimento sustentável” mostrou-se adequado à construção de novas visões, através do planejamento (plano diretor municipal direcionado á resolução de problemas rurais), da construção do conhecimento e das instâncias de ação e controle governamental, tudo isso aproximado das necessidades regionais.

 

Focos / vetores de transformação

Ø      Planos rurais, universidade e estrutura administrativa integrada – novas orientações.

 

 

2.1.6.- Conclusões das Oficinas de Trabalho

 

 

O Plano de Bacia deverá abranger as principais questões apresentadas nas diferentes oficinas e reuniões realizadas para a sua formulação. Essa incorporação deverá ser realizada numa perspectiva crítica, considerando a necessidade de estruturar a parte inicial e as principais estratégias do caminho a ser percorrido, entre a situação atual da Bacia e os objetivos e propostas colocadas.

 

Isto porque seu prazo inicial de implementação – ao menos até a sua próxima revisão - está fixado em quatro anos e, nesse período, o Plano deverá assinalar o que pode e deve ser viabilizado, considerando os recursos e condições que, realisticamente, poderão ser colocadas à disposição para o alcance dos seus objetivos.

 

Assim, a identificação dos meios, dificuldades e responsáveis pela implementação das propostas, efetuada nas Oficinas, deverá ter um papel fundamental na ordenação de todo o conjunto dos objetivos e ações propostas. Considerando essa importância e seu poder multiplicador na viabilização das propostas, cabe destacar aqui algumas características comuns e pontos de convergência, onde poderão se apoiar os esforços prioritários de construção do Plano.

 

Dentre as questões mais graves de degradação na Bacia apontadas, estão as decorrentes da gestão insuficiente e inadequada de resíduos sólidos, de lançamentos de esgoto sem tratamento, em especial, aqueles comprometendo mananciais; do uso de fertilizantes e agrotóxicos; da ocorrência de contaminações, devido à sua utilização; de doenças, como a Malária, Dengue, Esquistossomose e Leishmaniose; da ocupação irregular de várzeas; da extração clandestina do palmito, da falta de alternativas de renda para essas populações e do pior quadro sócio-econômico e de desenvolvimento no estado.

 

Vale referir que cada uma dessas questões implica não apenas em recursos vultosos e longos prazos para o seu enfrentamento. Há seqüelas importantes a serem vencidas, mesmo quando cessa o que lhe deu causa. Esse é o caso da contaminação por chumbo, que prossegue mesmo que as atividades de mineração tenham sido paralisadas. Isto demonstra a necessidade de cuidados antecipados ou, pelo menos, da adoção do princípio da precaução. Nesse caso, os processos de mobilização, mistura às águas e contaminação de peixes e pessoas continuarão sendo ativados, seja por processos naturais, como por obras que têm o poder de interferir na dinâmica dos sedimentos e das águas, conforme referido na Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa de São Paulo[5] em relação à eventual construção de barragens no Ribeira.

 

Dentre as carências generalizadas de que a bacia se ressente para o enfrentamento das situações de degradação, bem como para seu desenvolvimento sustentável, foram objeto de reiteradas referências as de vontade política; coordenação e integração de ações e de organismos governamentais; pesquisa, monitoramento, demais fontes de informação e sua difusão entre todos os segmentos; recursos financeiros, seja sob a forma de linhas de crédito ou investimentos diretos; recursos humanos; organização administrativa, fiscalização e controle; avaliação de projetos, planos, desempenhos, impactos e riscos; efetividade na aplicação de leis, normas e demais instrumentos de gestão; tecnologias e sua difusão, educação e treinamento; políticas de incentivos e compensações, entre muitas outras.

 

Por onde começar a aproximar os problemas de sua solução? Evidentemente, há que se delinear estratégias consistentes, buscar a identificação de ações deflagradoras de outras, mobilizadoras dos diferentes atores sociais e com poder multiplicador sobre conjuntos de problemas, não apenas aqueles emergentes e graves, mas no rumo de transformações estruturais nas formas de relacionamento com os recursos que a Bacia dispõe.

 

Esse relacionamento ainda passa longe de qualquer forma de reconhecimento de seu real valor, o que resulta em perdas generalizadas que, apenas marginalmente se convertem em benefícios, ainda assim isolados e concentrados socialmente, explicando os piores índices sociais do Estado de São Paulo.

 

Uma das questões centrais a serem encaminhadas na confecção do Plano de Bacia, partindo dessa riqueza de problematizações e propostas que emergiram especialmente das oficinas, é a de definição de um caminho, uma estratégia para iniciar uma longa travessia e sobreviver a ela, perdendo o menos possível do que as populações e a região têm de melhor.

 

Aqui, o quadro de recursos hídricos mostra-se como resultante do que será possível realizar de transformações em seus múltiplos pré-requisitos. Nesse caso, o Comitê também adquire outra dimensão, uma importância que, efetivamente, hoje não lhe é reconhecida, mas que precisa urgentemente ser criada, melhor dizer reposta, se observadas as intenções presentes no momento da concepção do Sistema de Gestão de Recursos Hídricos.

 

Há um papel integrador explícito, que o Comitê necessita desempenhar, particularmente, considerando a aridez de iniciativas semelhantes, seja no campo governamental, como fora dele. A integração, juntamente com a produção e a difusão de informações mobiliza, e os mobilizados cobram e se organizam, para realizar e cobrar mais.

 

Essa escalada não é objeto de geração espontânea e nem se nutre sozinha, ela demanda esforços continuados. É nesses esforços que uma perspectiva realista de Plano necessita se apoiar. Se há, inicialmente, poucos recursos financeiros, poucas dúvidas devem pairar sobre o que seja prioritário realizar.
2.2.- RECOMENDAÇÕES DO RELATÓRIO “0”

 

Diante da realidade constatada na Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, o Relatório “0” fez as seguintes recomendações que deveriam ser consideradas no Plano de Bacia da UGRHI 11.

 

-         Quanto ao potencial de desenvolvimento econômico:

 

·        Redirecionar as atividades rurais da Bacia em função de suas potencialidades agrícolas e econômicas.

·        Implantar política voltada para o desenvolvimento do potencial minerário da região, na perspectiva de um desenvolvimento compatível com o meio ambiente, contemplando um melhor conhecimento das ocorrências minerais e busca de soluções para a mineração dos portos de areia do Vale do Ribeira e região de Juquiá.

·        Estimular e aprimorar o potencial para o desenvolvimento do ecoturismo: no Alto e Baixo Ribeira (Municípios de Apiaí, Iporanga e Eldorado) onde situam-se as maiores concentrações de cavernas e sítios arqueológicos, no Alto Juquiá (Municípios de Pedro Toledo e Itariri e na região de Tapiraí) mediante o aproveitamento das chácaras de lazer e equipamentos do tipo “hotéis-fazenda”, no Alto Turvo ( Municípios de Miracatu, Eldorado, Iporanga, Barra do Turvo, Tapiraí, Juquiá e Sete Barras) com a utilização de suas porções significativas de áreas de preservação/conservação.

·        Aproveitamento do potencial turístico relacionado à mineração, nos pontos turísticos de minas abandonadas.

·        Considerando o grande contigente populacional com níveis de renda extremamente baixos, que tem como principal fonte de subsistência a agricultura em bases familiares, implantar política agrícola voltada para os pequenos produtores, mediante a adoção de modelos de organização produtiva integrada, tecnologias ambientais e socialmente adequadas, que promovam a conservação dos solos e a diversificação de culturas, de modo a atender às necessidades de sobrevivência familiar, além da adoção de metodologia de planejamento por microbacias, apoiada em processos de organização dos produtores.

·        Implantar política voltada para estimular o potencial  extrativista de acordo com os preceitos de sustentabilidade e conservação, tendo como referência as orientações e propostas do Macrozoneamento do Vale do Ribeira e Macrozoneamentodo do Complexo Estuarino-Lagunar de Iguape e Cananéia.

 

-         Quanto à coleta e disponibilização de informações hidrometeorológicas:

 

·        Analisar a conveniência de instalar, em locais adequadamente definidos, postos meteorológicos, fluviométricos e de monitoramento de qualidade das águas, de forma a permitir a implantação de um sistema georreferenciado de informações, compatível com as necessidades e a realidade da região. Em especial, deverão ser consideradas as sub-bacias dos rios Juquiá, Alto e Baixo Ribeira e Ribeira de Iguape.

·        Propor a atualização dos cadastros de captações (superficiais e subterrâneas) e lançamentos, bem como a definição de indicadores ambientais para a UGRHI.

 

-         Quanto à recuperação, preservação e conservação da qualidade das águas superficiais interiores:

 

·        Prever um programa de despoluição progressiva dos diversos cursos d’água da UGRHI, definindo a ordem de prioridade para tratamento dos esgotos urbanos, em especial nas sub-bacias dos rios Ribeira de Iguape, Alto Juquiá, Alto e Baixo Ribeira.

·        Estabelecer programa de mobilização, instrução e apoio aos moradores em áreas não servidas por rede coletora de esgotos, para implantação de tratamento individual, mediante tecnologia adequada.

 

-         Quanto à preservação e conservação da qualidade das águas subterrâneas:

 

·        Propor a complementação e atualização de cadastro informatizado, contendo dados quantitativos e qualitativos, que permitam acompanhar os diversos usos dos recursos hídricos subterrâneos.

·                    Propor a elaboração do cadastro das fontes potenciais poluidoras das águas subterrâneas, bem como da carta de mapeamento da vulnerabilidade e risco à poluição dos aqüíferos.

·        Propor a implementação de curso de formação técnica especializada para gerenciamento de águas subterrâneas, incluindo manuais técnicos para construção e manutenção de poços e para ação fiscalizadora.

 

-         Quanto à preservação e conservação da qualidade das águas superficiais litorâneas:

 

·        Propor o cadastramento e controle das fontes difusas de poluição e monitoramento da qualidade dos corpos d’água que afluem às praias.

 

 

-         Quanto à infra-estrutura sanitária:

 

·        Formular estratégias visando à universalização da oferta dos serviços de abastecimento de água nas áreas urbanas e rurais.

·        Propor estratégia para redução de desperdícios e perdas de faturamento da água nos sistemas públicos de abastecimento, principalmente nos municípios onde a situação é mais crítica, como: Registro, Tapiraí, Juquiá, Miracatu, Itariri, Pedro de Toledo e Cajati.

·        Formular estratégia para elevação do nível de atendimento com rede coletora de esgotos domésticos para 60%, inclusive nos municípios que ainda não possuem sistema de esgoto.

·        Informar sobre, e propor tecnologias existentes para o tratamento de esgotos e de lixo, mais indicadas para a região, tendo em vista aspectos técnicos e sócio-econômicos compatíveis com as realidades locais.

·        Propor medidas técnicas, jurídicas e institucionais para a solução adequada das questões ligadas à coleta, tratamento e disposição final dos resíduos sólidos domésticos e hospitalares.

 

-         Quanto ao controle de enchentes:

 

·        Propor o cadastramento das áreas inundáveis nas sub-bacias do Baixo Ribeira e Ribeira de Iguape, bem como a modernização da rede telemétrica e do sistema de alerta contra inundações.

·        Discutir a elaboração de projetos de residências adequados às condições existentes nas zonas urbana e rural e analisar a desocupação das áreas de inundação pelas populações nelas assentadas.

·        Sugerir estudos de compatibilização do controle de inundações com o uso pôlderes destinados à hidroagricultura.

·        Estudar a viabilidade de continuação das obras do vertedouro com comportas na Barragem do Valo Grande.

 

-         Quanto à racionalização do uso da água para irrigação:

 

·        Estudar a viabilidade de implantação de estação climatológica e sensoriamento remoto, visando ao monitoramento de áreas irrigadas.

 

-         Quanto à recuperação de áreas degradadas:

 

·        Propor a elaboração do cadastro das áreas degradadas, urbanas e rurais, por processos erosivos, escorregamentos e assoreamento.

·        Analisar a elaboração de manual para recuperação de áreas degradadas.

·        Avaliar a responsabilidade de empreendedores privados e órgãos públicos, relativamente à recuperação de áreas degradadas.

·        Discutir as tecnologias aplicadas na recuperação das encostas em áreas serranas.

·        Propor a formação e multiplicação de bancos de germoplasma e as definições de padrões de reflorestamento e taxas de ocupação do solo.

 

-         Quanto ao controle de erosões e assoreamento:

 

·                    Executar levantamento mais detalhado sobre os processos erosivos nas sub-bacias mais críticas e críticas, juntamente com os respectivos assoreamentos.

·                    Ampliar o programa de combate à erosão por microbacias, incorporando-o à política de desenvolvimento sustentável na região.

·        Ampliar o programa de educação e esclarecimento com relação à conservação e manejo adequado dos solos, de modo a minimizar as perdas de terras férteis por erosão e reduzir os custos com a manutenção da fertilidade dos solos, importantes para as atividades agropecuárias da região.

·        Definir tratamento para os trechos críticos das estradas vicinais, por meio de práticas conservacionistas específicas, e construção de estruturas para captação e retenção de águas pluviais, observando

·        técnicas propostas pela CODASP.

·        Prever revegetação, visando a impedir o aporte de sedimentos às drenagens, excepcionalmente nas áreas críticas, como margens de cursos d’água e encostas.

-         Quanto à educação ambiental e sanitária:

 

·        Propor a obrigatoriedade de programas de Educação Ambiental em nível curricular, nas escolas de 1o e 2o graus da rede escolar, incluindo o tema nos currículos das diversas disciplinas, integrando-se ao projeto pedagógico de cada escola.

·        Prever a programação de eventos ao nível municipal, ou no âmbito da UGRHI, visando ao aprimoramento dos professores e técnicos na área, bem como à mobilização, organização e conscientização das comunidades em relação aos assuntos ambientais.

 

-         Quanto à expansão e ao ordenamento de uso e ocupação do solo e infra-estrutura:

 

·        Incorporar os critérios de usos permitidos do Macrozoneamento do Complexo Estuarino-Lagunar de Iguape e Cananéia do Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro e do Zoneamento do Vale do Ribeira.

·        Compatibilizar os Planos Diretores Municipais às diretrizes Macrozoneamento do Complexo Estuarino-Lagunar de Iguape e Cananéia do Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro e do Zoneamento do Vale do Ribeira.

·        Promover ações integradas e simultâneas de serviços públicos  de abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem, limpeza urbana, pavimentação e energia elétrica, dentro da técnica e soluções mais adequadas ao tipo de ocupação do solo.

·        Implantar medidas articuladas de diferentes órgãos públicos, no sentido de disciplinar as atividades minerarias, incorporando-as à legislação municipal de uso do solo, e promover a regularização de lavras e o equacionamento de conflitos com outros usos.

 

-         Com relação às Unidades de Conservação:

 

·        Apoiar e estimular gestão compartilhada de Unidades de Conservação em regime de parceria, integrando organizações governamentais e não governamentais, entidades de pesquisa e iniciativa privada.

·        Formalizar, mediante a autorização de uso precário, a ocupação de áreas públicas para comunidades residentes.

·        Regularizar a situação fundiária das Unidades de Conservação de modo a avaliar as possibilidades de permanência, indenização ou reassentamento de suas comunidades, especialmente nos parques, como é o caso do Parque Estadual Jacupiranga e do PETAR.

·        Implantar placas nos acessos às Unidades de Conservação de modo a esclarecer às comunidades os seus limites geográficos e fornecer orientação quanto ao risco de aquisição de imóveis situados em parques ou estações ecológicas.

·        Homologar o Decreto Federal N.º 94.225 de 14/4/87 que criou a Reserva Indígena do Rio Branco.

·        Intensificar as ações coordenadas de fiscalização, efetuadas pelos órgãos estaduais (DPRN, Polícia Florestal e CETESB), juntamente com o IBAMA, a fim de otimizar os recursos existentes e torná-los mais eficientes.

 

-         Quanto à capacitação jurídico-institucional dos municípios:

 

·        Propor metodologia para a capacitação dos municípios visando à sua instrumentação jurídico-institucional, em especial no tocante a:

-         formulação da Política Municipal de Recursos Hídricos;

-         criação dos instrumentos para a implantação da Política Municipal; de Recursos Hídricos;

-         estabelecimentos de normas e diretrizes para a recuperação, preservação e conservação dos recursos hídricos no território do município;

-         criação do Sistema Municipal de Informações Hidrológicas;

-         implantação de controle social da Política Municipal de Recursos Hídricos.

 

-         Quanto ao planejamento e gestão dos recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul:

 

·        Estudar a compatibilização institucional diante do desenvolvimento simultâneo da política de Gerenciamento dos Recursos Hídricos e do Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro, de forma a superar as deficiências de informações envolvendo tanto o ambiente natural como o antrópico, e relacionadas ao gerenciamento, cartografia (cadastro de saneamento) e sensoriamento remoto, entre outras.

·        Propor revisão da legislação existente, de modo a compatibilizá-la com as diretrizes de gestão descentralizada e participativa.

·        Propor a unificação dos limites geográficos da Bacia Hidrográfica como unidade de planejamento e gestão regional para outras esferas e áreas públicas, particularmente gerenciamento costeiro, saúde pública e infra-estrutura.

·        Estudar estratégias para a criação de consórcios e associações intermunicipais, como forma de viabilizar soluções conjuntas para problemas comuns a vários municípios.

·        Formular proposta para criação da Agência de Bacia da UGRHI.

·        Propor medidas para a efetiva instalação e funcionamento da Agência de Bacia.

·        Identificar todos os procedimentos políticos, técnicos, jurídicos e administrativos, necessários à implementação dos eventos, ações, estudos, projetos e obras, constantes do Plano de Bacia da UGRHI 11.

 

 


2.3.- OBRAS PLANEJADAS PARA A UGRHI 11

 

 

2.3.1.- Resumo histórico das obras planejadas

 

 

O controle de cheias da Bacia do Ribeira do Iguape foi, pela primeira vez, considerado no Plano de Desenvolvimento do Vale do Ribeira e Litoral Sul - BRASCONSULT (DAEE-1966), que recomendou a construção de barragens de controle de cheias como medida necessária para o aproveitamento racional e econômico de extensas várzeas ao longo do Ribeira do Iguape e de seus afluentes. Nesse Plano, fixou-se em 800 m3/s a vazão máxima a ser respeitada, em Registro.

 

O primeiro aproveitamento cogitado para ser implantado no Vale do Ribeira, visando o controle de cheias na região, foi o Eldorado, com um volume de espera de 800 milhões de m3, já previsto nos estudos realizados pela COBAST (1959) e pela CANAMBRA (1963) com finalidade energética.

 

Estudos posteriores indicam que, para um controle mais efetivo das enchentes, um outro reservatório deveria ser implantado junto à foz do rio Juquiá, operado de maneira integrada com o de Eldorado. Outros estudos efetuados posteriormente sugeriram a substituição da barragem na foz do rio Juquiá por outros cinco barramentos nas cabeceiras do rio Juquiá (São Lourencinho, Guanhanhã, Itariri, Ipiranga e Juquiá-BJ3), com volume total de espera de 700 milhões de m3, eliminando assim interferências com a BR-116 e com a estrada de ferro (FEPASA).

 

Por ocasião dos estudos finais do Consórcio Eldorado (1977), foi sugerido um Plano de Obras visando o aproveitamento de cerca de 65.000 ha de várzeas, agrupadas em:

q       Obras de pôlderes (17.132 ha) sendo: Sete Barras (2.685 ha), Registro I (1.377 ha), Registro II (2.930 ha), Registro III (7.475 ha) e Peropava (2.665 ha);

q       Obras de infra-estrutura em 22.557 ha de áreas não inundáveis pela cheia decenal, uma vez construída as barragens;

q       Obras de infra-estrutura em 27.280 ha de áreas protegidas pelas barragens;

q       Obras de barramentos: Eldorado, no rio da Ribeira, e Juquiá (BJ3), São Lourencinho, Guanhanhã, Itariri e Ipiranga, na bacia do Juquiá.

 

Outros estudos indicaram como importante o aproveitamento das várzeas do rio Jacupiranga, sendo proposta a implantação de reservatórios de regularização nos seus dois principais formadores, através de um barramento no rio Jacupiranguinha, a montante de Cajati, e outro no rio Guaraú, a montante da rodovia BR-116, permitindo o aproveitamento de cerca de 46,8 Km2 de várzeas ao longo do trecho do rio.

 

Em 1975, foi elaborado o projeto básico de fechamento do Valo Grande, pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), sendo a obra de barramento concluída em 1978. Com a enchente de 1990, que acarretou enormes prejuízos à região, foi iniciada em abril desse mesmo ano, a implantação na barragem do Valo Grande de vertedouro em concreto com comportas. As obras civis do vertedouro estão concluídas, restando apenas a instalação dos equipamentos eletromecânicos.

 

Em 1988, a Companhia Energética de São Paulo (CESP) elaborou um estudo de inventário do rio da Ribeira do Iguape, propondo um novo esquema de aproveitamentos hidráulicos ao longo do rio, em substituição ao esquema proposto pela CANAMBRA, visando diminuir o impacto das obras na região, mas ainda sem contemplar o controle de cheias. Nesse mesmo ano, a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) solicitou concessão para o aproveitamento de Tijuco Alto, nas cabeceiras do rio, junto à divisa com o Estado do Paraná.

 

Entre 1991 e 1993, a CESP reexaminou os estudos de aproveitamento hidráulico ao longo do rio da Ribeira, incorporando também o controle de enchentes, e a CBA desenvolveu estudos mais detalhados para o Tijuco Alto. Resultou então a seguinte divisão em quedas: Tijuco Alto, da CBA, e Itaoca, Funil e Batatal, da CESP. Esses aproveitamentos prevêem um volume total de espera, para controle de cheias, de 720 milhões de m3, já devidamente compatibilizados com a geração hidrelétrica, assim distribuídos:

 

Tijuco Alto - com geração de 144 MW e 480 milhões de m3 para controle de cheias.

Itaoca - com geração hidrelétrica a fio d'água, de 30 MW, sem volume de espera.

Funil - com geração de 150 MW e 170 milhões de m3 para controle de cheias.

Batatal - com geração de 75 MW e 73 milhões de m3 para controle de cheias.

 

Em 1994, o aproveitamento Tijuco Alto foi avaliado e aprovado para obtenção de Licença Prévia pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA). Atualmente, devido a uma representação de ambientalistas à Promotoria Pública, a análise do projeto passou à alçada federal através do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), onde se mantém nesses últimos anos, sem solução. A recente Portaria CONAMA 237/97 permite delegar a aprovação dos projetos às entidades estaduais, o que poderá abreviar esse problema.

 

O estudo de viabilidade de Itaoca foi concluído em 1994 e o básico de Batatal em 1994, mas os estudos ambientais não foram concluídos. O projeto básico de Funil foi finalizado em 1992 e concluído o estudo de impacto ambiental, que, analisado pela Secretaria do Meio Ambiente (SMA), foi devolvido à CESP, para adequações e ajustes.

 

 

 

 

2.3.2.- Barramentos propostos para a bacia do Ribeira

 

 

Dos barramentos atualmente previstos ao longo do rio da Ribeira, o da CBA (Tijuco Alto) e os CESP (Funil e Batatal) têm estudos em níveis mais avançados, que contemplam aspectos ambientais e se propõem a contribuir para atenuar os efeitos das inundações na região.

 

De acordo com o programa de geração 1997-2006, da ELETROBRÁS, a previsão de entrada em operação desses reservatórios, é a seguinte:

 

Tijuco Alto, da CBA: contempla o início de operação dessa usina em janeiro de 2005.

Funil, da CESP: prevê o início de operação dessa usina em abril de 2004.

Batatal, da CESP: não há previsão de data de início de operação.

 

Em 1993, a CESP realizou estudos de contenção de cheias para esse conjunto de reservatórios, levando em conta uma vazão de restrição na cidade de Registro e nas áreas rurais, de 1.200 m3/s, valor esse que, mesmo correspondendo ao estado de "emergência", provoca poucos danos na cidade de Registro, segundo critérios adotados pela CESP, atingindo cerca de 190 residências. Essa vazão tem uma recorrência natural da ordem de 2 anos.

 

Foram utilizados dados fluviométricos de 1941 a 1990, num total de 65 eventos de cheias, os quais geraram vazões superiores a 1.200 m3/s em Registro, num total de cerca de 300 dias neste período. A duração média desses eventos é de 5 dias. Excepcionalmente, como no caso da cheia de 1983, pode-se atingir quase um mês de permanência de vazões maiores que a de restrição.

 

Os principais resultados dos estudos da CESP resumem-se a seguir:

 

            O Aproveitamento Tijuco Alto (CBA), isoladamente, reduz o número de dias de cheias de 300 para 200 dias, considerando aquela série histórica. Apesar do seu grande volume de espera, não é possível uma maior eficiência do reservatório, em decorrência da grande área natural de drenagem remanescente a jusante, ainda sem controle.

 

            O conjunto dos reservatórios de Tijuco Alto, Funil e Batatal tem capacidade de absorver todas as cheias observadas no histórico de vazões (1941 a 1990), com exceção da cheia de julho de 1983, cujo período de recorrência para picos e volumes é superior a 500 anos.

 

Segundo os estudos desenvolvidos pela CESP, esse conjunto de reservatórios é capaz de controlar eventos de 40 a 50 anos de tempo de recorrência, com exceção da grande cheia de julho de 1983, quando foram registrados três picos sucessivos, com duração extraordinária de mais de 25 dias e volume total de mais de 10 bilhões de m3. Não há viabilidade para reservatórios que contenham uma enchente de tal magnitude pois, para a vazão de restrição de 1.200 m3/s em Registro, necessita-se volumes da ordem de 4 a 5 vezes os volumes de espera desses reservatórios. Mesmo que esse conjunto de barramentos fosse destinado unicamente ao controle de enchentes , a de 1983, de longa duração, não estaria devidamente contida e as inundações teriam sido inevitáveis.

 

Conforme estudos realizados mais recentemente, abordando as cheias de 1995 e 1997, o reservatório de Tijuco Alto, com o volume de espera de 480 milhões de m3, isoladamente, proporciona um abatimento nos valores dos picos das cheias em Eldorado de cerca de 30 a 35%. Embora esse abatimento seja significativo, os efeitos das enchentes na cidade e trechos a jusante, ainda seriam consideráveis, devido à contribuição da área da bacia hidrográfica remanescente ser bastante significativa. A área de drenagem em Tijuco Alto é de 6.370 Km2, representando 44% da área da bacia hidrográfica em Eldorado e 31% da área em Registro.

 

A tabela a seguir apresenta a estimativa de custos dos aproveitamentos propostos com finalidade múltipla (geração + de energia + controle de cheias) para a bacia do Ribeira.

 

Estimativa de custos dos barramentos propostos.

Aproveitamento

A.D.

(Km2)

Entidade

Finalidade

Custos

(106 U$$)

Tijuco Alto

6.370

CBA

Ger + Cheias

300 (*)

Funil

12.249

CESP

Ger + Cheias

428

Batatal

13.614

CESP

Ger + Cheias

238

Total

 

 

 

966

Obs.:       (*) Custo sem data de referência (talvez 1988). Demais custos, avaliação efetuada pela CESP (jan/97).

                O aproveitamento Itaoca (custo de U$$ 84 milhões), da CESP, tem finalidade única, de geração hidrelétrica.

                - A.D.:     Área de drenagem.

                - Ger.:     Geração hidrelétrica.

                - Cheias:                 Contenção de cheias (Volume de espera total de 723 milhões de m3 em Tijuco Alto, Funil e Batatal).

 

Deve-se salientar que, sem a implantação do aproveitamento de Tijuco Alto, cujo empreendimento é da iniciativa privada (CBA), os demais da CESP, a jusante, perdem atratividade econômico-financeira.

 

Apenas o título ilustrativo, estimativas preliminares efetuadas pela CESP (fev/1997) considerando a inexistência de geração hidrelétrica e a utilização como volume de espera, desde o nível natural do rio até o nível máximo dos aproveitamentos de Funil e Batatal, concluem que poder-se-ia alocar 630 milhões de m3, em vez dos 243 milhões atualmente propostos nos projetos básicos.

 

Os custos de controle de cheias, nesse caso, seriam de U$$290 milhões, conforme mostra a tabela a seguir, ressaltando-se que esses aproveitamentos contribuem com um volume total de espera nos reservatórios de cerca de 2,6 vezes o volume inicialmente previsto nos respectivos projetos básicos dos aproveitamentos para fins múltiplos.

 

Custos dos barramentos da CESP se destinados somente para controle de cheias.

Aproveitamento

Cota

(m)

NA máx.

(m)

Vol. espera

(106 m3)

Custo

(106 U$$)

Funil

113

110

230

110

Batatal

73

70

400

180

Total

 

 

630

290

 

Convém ressaltar que esses custos são ainda muito preliminares, não tendo sido baseados em estudos ou projetos mais aprofundados por parte da CESP. Por isso, os efeitos isolados desses dois barramentos no controle de cheias, também não são conhecidos, pois os casos analisados nos estudos elaborados pela CESP não contemplaram essa alternativa de grandes volumes concentrados em apenas dois locais próximos entre si.

 

Considerações:

 

Para se poder afirmar que o barramento é imprescindível, é necessário  realizar mais estudos, mais abertos, com mais dados hidrológicos que somente estarão disponíveis a partir dos estudos e levantamentos propostos neste Plano de Bacia, e realizados de forma independente dos interessados, além de se cotejar várias alternativas de proteção das várzeas inundáveis do Ribeira.

 

Além disso, há pendências sérias em relação aos seus estudos ambientais, pois estes não consideraram de forma adequada a existência dos quilombos, a ocorrência de cavernas e os efeitos da contaminação por chumbo nos sedimentos, coluna d’água e biota, entre outros aspectos que contam na demonstração da viabilidade ambiental do empreendimento.

 

É importante destacar que no Plano de Ação que o CBH-RB elaborou em 1999 para o CORHI, para 2000-2003, consta a recomendação de “Avaliação da implantação das obras da Barragem do Tijuco Alto, de jan/00 a dez/01”. Também no caso da barragem do Valo Grande e de outras medidas relacionadas a seguir, estão adequadamente propostos mais estudos.


2.4.- DEMAIS OBRAS E INTERVENÇÕES PREVISTAS OU IMPLANTADAS

 

 

2.4.1.- Barragem do Valo Grande

 

Estudos e obras complementares

 

Em 1978, atendendo a constantes reivindicações da população local, o DAEE executou a obra de fechamento do Valo Grande, com a crista da barragem na cota + 2,60 m (IGG).

 

Entretanto, já a partir de 1979, foram observadas inundações nas baixas do Ribeira, com prejuízos aos agricultores. Em 1980, novas inundações foram observadas, assim como em janeiro de 1981, quando ocorreu o primeiro galgamento da barragem, fato que se repetiu em mais três oportunidades durante a ocorrência das cheias de 1983.

 

Em vista disso, o DAEE, a partir de 1980, iniciou uma série de campanhas hidrométricas e estudos para avaliar, com maior precisão, os efeitos do fechamento do Valo Grande e as alternativas para atenuá-los. A análise técnica e econômica dessas alternativas levou o DAEE a propor o rebaixamento do maciço e a construção de vertedouros com comportas sobre a barragem, como solução definitiva para o problema.

 

Em abril de 1990, foram iniciadas as obras civis para implantação de vertedouros com comportas. As obras de concreto estão concluídas, restando ainda a instalação dos equipamentos eletromecânicos (comportas) e a execução de serviços e estudos complementares (incluindo o monitoramento), cujo custo total estimado é de R$ 12 milhões.

 

Para obtenção da licença de operação, junto à Secretaria do Meio Ambiente (SMA), o DAEE deverá apresentar os estudos propostos pelo Centro Tecnológico de Hidráulica (CTH) e pelo Instituto Oceanográfico da USP. Estes estudos, solicitados em 1995 pela SMA, deverão ser elaborados para subsidiar a definição da melhor regra a ser adotada pelo DAEE na operação das comportas a serem instaladas na barragem do Valo Grande, considerando os impactos sobre o ecossistema estuarino e o controle de cheias.

 

Cabe aqui lembrar a Moção no 03 aprovada pelo CBH-RB, em 02 de agosto de 1996, na cidade de Registro, que apoiou a construção das obras do vertedouro do Valo Grande e reivindicou para que fossem envidados todos os esforços do Governo Estadual, dos municípios e da sociedade civil, para a viabilização de recursos financeiros destinados à conclusão das citadas obras.

 

O Comitê definiu seu posicionamento sobre as proposições relativas ao controle de cheias do Rio Ribeira de Iguape na Deliberação CBH-RB nº14/97, de 27 de fevereiro de 1997, que deliberou:

 

 

a)        elaborar levantamento planialtimétrico de detalhe para zoneamento das várzeas;

b)        implantar comportas e definir o regime operativo do Valo Grande;

c)         aprimorar os planos de alerta e de contingência da defesa civil;

d)        promover o controle de erosão na bacia;

e)        remover a população em áreas de risco, priorizando as zonas urbanas.

 

a)     especificado por Município;

b)     gerenciado pelo responsáveis: o Estado, os Municípios e a Sociedade Civil;

c)      como força de Lei;

d)     Município que não o fizer, não terá acesso aos recursos CBH-RB;

 

 

 

2.4.2.- Monitoramento do complexo lagunar Iguape-Cananéia

 

 

No caso da Barragem do Valo Grande, o gerenciamento da operação das comportas possibilitará controlar as descargas de água doce no Mar Pequeno de Iguape, quer nos períodos normais, quer nos períodos críticos das cheias.

 

O programa de monitoramento proposto é multidisciplinar e deve abranger um período de dois anos, com execução em duas etapas: uma, iniciando um ano antes da instalação dos equipamentos eletromecânicos da barragem, e a outra, durante um ano após o início de operação das comportas. Estão previstas 12 campanhas bimestrais.

 

O programa proposto define os parâmetros a serem monitorados, traça as linhas gerais e a periodicidade das campanhas de monitoramento, especifica o tipo e a quantidade de equipamentos necessários para as campanhas, e estabelece uma estimativa de custo para a aquisição de equipamentos necessários à realização das campanhas.

 

Por último, para a adequada manobra das comportas do vertedouro da Barragem do Valo Grande, será necessária a elaboração de um Manual de Operação.

 

A estimativa de custo do programa de monitoramento proposto é de R$ 1,49 milhões e o prazo para sua execução é de 24 meses. Este custo já está incluso no custo total para complementação das obras da Barragem do Valo Grande, de R$ 12 milhões.

 

 

2.4.3.- Sistema de Alerta (Rede Telemétrica)

 

 

O DAEE vem operando a Rede Telemétrica há 14 anos, de forma que a população e a Defesa Civil têm norteado as suas ações, preventivas e emergenciais, com base nessa fonte de informações. Os postos de captação de dados existentes foram instalados pelo Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica (DNAEE) e pelo DAEE, através de convênios com a Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais (CPRM) e com a Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica (CTH/FDTE), respectivamente, cabendo ao DAEE a sua operação.

 

Visando aumentar a eficiência da Rede, e ao mesmo tempo atualizá-la, o DAEE acaba de adquirir equipamentos no valor total de R$ 300.000,00, para implantação da Rede Telemétrica via satélite, que será composta por um conjunto de 8 (oito) plataformas de coleta de dados (PCDs), compatíveis com o Satélite Brasileiro de Coleta de Dados (SCD-1), acopladas a sensores medidores de dados de nível de rios e de índices pluviométricos, localizadas em pontos estratégicos da bacia do Ribeira do Iguape.

 

Essas PCDs serão equipadas com interface para modem-telefone, o que permitirá a transmissão dos dados em tempo real, sempre que necessário, a uma central de operações da Rede Telemétrica, situada na sede do DAEE, em Registro. A nova Rede, que resultará da inserção de novos equipamentos e da adequação da Rede primitiva, permitirá o aproveitamento do sistema do DNAEE e do CTH.

 

Atualmente está sendo cogitada, também, a instalação de um radar meteorológico na bacia, podendo ser relocado o atualmente em operação na barragem de Ponte Nova, município de Salesópolis, que neste caso seria substituído (custo estimado de aquisição de R$ 2,5 milhões).

 

 

2.4.4.- Definição de áreas de restrição de uso

 

 

No trecho paulista, estão localizadas às margens do rio da Ribeira do Iguape, as cidades de Ribeira, Iporanga, Itaóca, Eldorado, Sete Barras, Registro e Iguape, que estão sujeitas a freqüentes inundações. Nesses municípios as

edificações situadas em áreas com cotas inferiores às máximas de inundações, constituem ocupações de risco.

 

O Município de Registro é o único que estabeleceu, através de Lei, restrição quanto à ocupação de áreas de risco, ao fixar a cota mínima de 11 metros, em relação ao nível do mar, para edificações residenciais.

 

Face aos impactos adversos, de ordem sócio-econômica e ambiental, advindos das inundações, deve-se promover, tanto quanto possível, a desocupação das áreas de risco, destinado-as para outros fins (recreação, parques, etc.), com a transferência das moradias para locais seguros.

 

Levantamentos efetuados nos municípios acima mencionados, detectaram um total de 5.173 residências situadas em áreas de risco de inundação, distribuídas entre as zonas urbana (1.786 residências) e rural (3.387 residências). O custo total, incluindo o custo de aquisição do terreno, para relocação dessas residências situadas em áreas de risco, segundo estimativa preliminar, considerando unidades de construção padrão da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), de 32 a 45 m2, é de cerca de R$ 57 milhões.

 

Paralelamente a essa ação, deve-se investir na área de comunicação social, com vistas à conscientização da população, num primeiro estágio, com a expectativa futura de que resultem, dessa conscientização, "agentes" inibidores a quaisquer formas de ocupação das áreas consideradas de risco.

 

A implantação de sistemas de sinalização e identificação, de áreas e níveis de risco de inundação, ao longo das margens do Ribeira, entre os municípios de Eldorado e Iguape, nas zonas urbanas e nas várzeas de zona rural, contribuiriam para essa conscientização da população local. Segundo estimativas preliminares, o custo para implantação de cerca de 1.120 placas (400 ao longo de cerca de 200 Km de margens, 420 na zona rural e 300 na zona urbana), seria da ordem de R$ 90.000,00.

 

Mesmo após a construção das barragens de Tijuco Alto, Funil e Batatal, estudos realizados indicam que os impactos em termos de redução de níveis de inundação deverão ser da ordem de 30 a 40%, o que poderia ocasionar expectativas de segurança, e a decorrente procura pela ocupação de áreas outrora inundáveis com as cheias naturais. Todavia, considerando o risco de ocorrência de cheias excepcionais (recorrência superior a 50 anos), não possível de regularização com os reservatórios projetados, constitui-se medida de segurança a manutenção das restrições primitivas, ou seja, situação sem o controle proporcionado pelos barramentos.

 

 

2.4.5.- Retificação e desassoreamento do Ribeira Velho

 

 

O Ribeira Velho (trecho do rio da Ribeira entre Iguape e a foz) tem a extensão aproximada de 27 Km. Às vezes surgem reivindicações no sentido de se executar obras de retificação e desassoreamento desse trecho, com a expectativa de que tal medida resolva o problema das inundações e de proteção do ecossistema lagunar do Mar Pequeno de Iguape, uma vez que se tornaria necessário menor derivação de água doce para o Mar Pequeno de Iguape, ao mesmo tempo em que haveria uma redução de níveis d'água e de tempos de permanência das enchentes na região do Baixo Ribeira.

 

A obra de retificação e desassoreamento do canal seria executada ao longo de 26,5 Km de extensão, por dragas de sucção e recalque e por escavadeiras a cabo. A seção a ser dragada teria aproximadamente 300 m de largura no fundo, altura média de 10 m a taludes das margens com inclinação de 1:3. O volume de dragagem estimado seria da ordem de 80 milhões de m3.

 

A magnitude da obra fica evidente quando se analisa o seu cronograma estimativo, que prevê a implantação de todo o serviço no prazo de 7 anos. Além disso, seria necessário considerar que, por se tratar de um canal flúvio-marítimo, seriam necessárias constantes dragagens de manutenção, à semelhança, mas com maior extensão, dos serviços efetuados pela antiga Companhia Docas de Santos na manutenção do canal estuarino do porto, a menos que se realizassem obras fixas ainda mais onerosas.

 

Uma vez que será estabelecida uma operacional para as comportas da Barragem do Valo Grande, em que se admitirá, com base em critérios hidráulico-hidrológicos e ambientais, um extravasamento de vazão para o Mar Pequeno de Iguape, e que, no futuro, entrarão em operação as barragens de montante, a necessidade da obra descrita deve ser revista. Em princípio, a grande envergadura e elevado custo da obra (estimado em U$$ 530 milhões, sendo cerca de 80% correspondente aos serviços de desassoreamento) e de sua manutenção, desaconselham sua adoção.

 

 

2.4.6.- Aproveitamento das várzeas do Ribeira através de pôlderes

 

 

Com vistas ao aproveitamento das várzeas propiciado por obras de controle de enchentes, diversos estudos foram realizados ao longo do tempo, conforme indicado de forma sucinta no item 3, envolvendo basicamente barragens, pôlderes e obras de infra-estrutura em áreas não inundáveis ou protegidas por barragens.

 

Com relação aos pôlderes foram previstos os de Registro I, II, e III, Sete Barras e Peropava, com proteção de uma área de cerca de 17.000 ha. Apenas o pôlder Registro I encontra-se concluído e em operação, enquanto o pôlder Registro II teve suas obras interrompidas em 1981.

 

Estimativas de custos (atualização monetária simples, a partir dos valores levantados nos estudos de 1977) indicam um montante da ordem de U$$ 70 milhões para implantação e/ou conclusão desses pôlderes, incluídos os custos das obras de infra-estruturas em áreas não inundáveis ou protegidas por barragens.

 

Atualmente, considera-se que devam merecer análises mais aprofundadas, a questão relativa à eficácia das obras de controle de cheias e a influência dos pôlderes no regime fluvial. Os pôlderes são obras de aproveitamento agrícola de várzeas freqüentemente inundáveis e/ou com dificuldades de drenagem. A execução de pôlderes poderá proteger áreas limitadas da bacia do Ribeira, mas a repercussão negativa dessas obras, aumentando picos das cheias, como conseqüência da eliminação dos volumes de acumulação nas várzeas, recomenda uma cautela na generalização dessa técnica, que deve ser compatibilizada com as outras planejadas para a bacia, e uma análise conjunta com as regras operacionais para as comportas da Barragem do Valo Grande e para as demais barragens previstas.

 

Na época atual, sérias reflexões vem sendo feitas quanto às técnicas de engenharia hidráulica adotadas em décadas passadas, com enormes áreas de várzeas "protegidas por pôlderes ou diques". Essas obras proporcionavam proteção contra as cheias mais freqüentes, mas é necessário examinar a conseqüência de uma eventual cheia "excepcional".

 

Exemplos recentes das grandes inundações do Mississipi (início da década de 90), nos EUA, e do rio Doer (1997), na Europa, revelaram que nas "várzeas protegidas" os prejuízos decorrentes de uma inundação de "grande período de retorno" são catastróficos, além da perda de fertilidade do solo em razão da “proteção propiciada contra inundações” (maiores custos com fertilizantes), levando as autoridades a repensarem os modelos de engenharia hidráulica até então consagrados.

 

Diante disso, a proposta mais moderna é a de “preservar as várzeas inundáveis” e não a de “recuperar as terras inundáveis”. O próximo passo deve ser o “Zoneamento das áreas inundáveis”, e se, nessas áreas, a população ribeirinha desejar usufruir as vantagens agrícolas das várzeas “naturalmente fertilizadas pelas inundações periódicas”, deve-se difundir as técnicas de convivência com as cheias, minimizando os transtornos e os prejuízos, através de sistemas aproximados de alerta e de previsão, e de construção de habitações projetadas sobre “pilotis” ou com comportas de vedação.

 

 

2.4.7.- Fixação da Curva de Icapara

 

 

A Barra de Icapara é o acesso navegável natural a Iguape, entretanto suas condições atuais praticamente impedem a utilização mesmo por embarcações pequenas, sobretudo pela falta de balizamento e praticagem normal. Nessa condição, a barra oferece perigo pela contínua mudança de bancos e má orientação dos canais, que levam a receber de través as ondas de sul, que são as mais violentas. Embarcações calando mais de 10 pés, na maior parte do tempo, não podem entrar pela barra por falta de profundidade.

 

A finalidade desta obra é a de permitir a estabilização da Barra de Icapara, para impedir a sua ligação com a Barra do Ribeira, preservando a faixa costeira remanescente da Prainha, que separa as duas embocaduras, da ação erosiva das correntes de maré do Mar Pequeno de Iguape.

 

A obra prevista consiste na execução de enrocamento de proteção da curva da margem do lado da Ilha de Iguape, desde o Morro de Icapara até a foz, numa extensão aproximada de 4.000m. O volume previsto de enrocamento é de 140,000 m3. A estimativa de custos dessa obra é de cerca de R$ 26,5 milhões e o prazo para implantação de 3 anos.

 

 

2.4.8.- Fixação da Barra do Ribeira

 

 

Esta obra foi proposta no contexto das obras de retificação e desassoreamento do Ribeira Velho e consistiria basicamente na construção de dois molhes guias-correntes de enrocamento, paralelos ou ligeiramente convergentes, estendendo-se mar adentro até atingir aproximadamente a cota de 3 a 3,5m referente à baixa-mar de sizígias. O volume de enrocamento estimado é da ordem de 360.000 m3. A estimativa de custos dessa obra é de R$ 68 milhões e o prazo para implantação de 5 anos.

 

Estando esta obra sujeita a condicionantes de ordem fluvial e marítima, não se exclui que também deva sofrer dragagens de manutenção, além da manutenção do enrocamento. Também poderia vir a ser necessário o aumento de sua extensão para o largo.

 

Outro aspecto muito importante a considerar, diz respeito ao impacto sobre a linha de costa, que tenderia a um engordamento na Praia da Juréia, o que teria como provável conseqüência uma retração da Prainha. Para esta última, deveriam ser previstas obras de defesa adicionais. Por estas considerações, esta obra não é julgada prioritária a curto prazo.

 

 

2.4.9.- Projeto Juquitiba

 

 

Em relação ao Projeto Juquitiba, de reversão de águas para a UGRHI 6, cabe ressaltar que a última decisão tomada pelo Comitê de Bacia do Alto Tietê, em relação ao abastecimento de água da Região Metropolitana de São Paulo, se deu por ocasião da aprovação das diretrizes do Plano Metropolitano de Água – PMA. De acordo com as diretrizes aprovadas, deveriam ser esgotadas as possibilidades de captação de água no Alto Tietê, antes de se pensar em faze-lo em outras Bacias Hidrográficas (como a do Juquiá). Até o presente, esse esgotamento não se deu, já que ainda não foram viabilizadas todas as alternativas de captação listadas no PMA, considerando-se, ademais, que não há outra proposta de deliberação submetida ao Comitê do Alto Tietê, reformando a decisão anterior.

 

Registre-se, também, que o Comitê do Ribeira de Iguape e Litoral Norte, em reunião na cidade de Registro, no dia 17 de abril de 1997, discutiu o “Projeto Juquitiba”, que trata da captação de água no rio Juquiá para abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo, tendo aprovado a Moção CBH-RB 04/97.

 

Nela, o Comitê considerou que o abastecimento de água potável disponível na Região Metropolitana de São Paulo é hoje insuficiente para atender as necessidades da população, e que esta situação poderá ser agravada em períodos hidrológicos desfavoráveis, ou seja, estiagens prolongadas, como também pelo não cumprimento dos programas da SABESP de racionalização dos uso da água e redução das perdas físicas.

 

Foi considerado também que o empreendimento representa um potencial de recursos financeiros para a Bacia e que, de acordo com o artigo 37, Parágrafo II da Lei 7.663, os mesmos serão aplicados em serviços e obras hidráulicas e de saneamento, de interesse comum.

 

Também considerou-se o fato de o Rio Juquiá, no trecho de 7 km a montante da represa do França, apresentar uma intensa utilização esportiva e recreativa, servindo de cenário para campeonatos nacionais e internacionais de canoagem. Finalmente, foram consideradas as restrições ambientais que os Municípios de São Lourenço da Serra e Juquitiba vêm sofrendo há mais de 20 anos, no sentido de preservar suas águas para servir de reserva, com o objetivo de suprir eventuais necessidades de abastecimento para a população da Região Metropolitana.

 

De acordo com essas considerações o Comitê manifestou apoio ao empreendimento, desde que:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com base nos estudos que têm sido desenvolvidos desde a década de 50, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape e Litoral Sul apresentou um conjunto de propostas que possibilitaria ao Governo do Estado de São Paulo e aos Municípios da região da Bacia do Ribeira, estabelecer e implementar ações que conduziriam, simultaneamente, a dois objetos distintos, de grande importância: a atenuação das enchentes do Ribeira e o desenvolvimento sócio-econômico da região.

 

 

2.5.1.- Apoiar as iniciativas da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e da CESP (ou sua sucessora) na implantação de aproveitamentos hidrelétricos propostos para a bacia do Ribeira do Iguape

 

 

Trata-se de investimentos privado da CBA, em Tijuco Alto, e do Governo do Estado (CESP) ou da sua sucessora, em Funil e Batatal. A potência instalada total, nos 3 aproveitamentos, será de 369 MW e o volume total para contenção de cheias de 723 milhões de m3. É importante ressaltar que, sem o empreendimento de Tijuco Alto, os demais, da CESP, perdem atratividade econômico-financeira.

 

Órgão executor:   CBA e CESP (ou sua sucessora).

Custos:                      Tijuco Alto (CBA):                U$$ 300 milhões.

                                   Funil e Batatal (CESP):       U$$ 666 milhões.

                                   Total:                                      U$$ 966 milhões.

 

Dificuldades atualmente existentes: Sobre Tijuco Alto, há pendências no IBAMA e CONAMA, embora a licença prévia tenha sido aprovada pelo CONSEMA em 1994. Falta também o licenciamento ambiental das obras da CESP. Para a alternativa dos barramentos propostos pela CESP, com finalidade única de controle de cheias, o custo é de cerca de U$$ 290 milhões, conforme estimativas preliminares, porém, neste caso, é necessário ainda a elaboração de estudos e projetos mais detalhados, o que demandaria prazos mais longos para sua implantação.

 

Cabe ressaltar aqui que as dificuldades de licenciamento não são meros detalhes e envolvem aspectos importantes e que as oficinas mais recentemente realizadas incorporaram a necessidade de realização de mais estudos, de forma independente.

 

 

2.5.2.- Concluir as obras do vertedouro da Barragem do Valo Grande

 

 

Serviços a serem executados: instalação de equipamentos eletromecânicos das comportas; elaboração do manual de operação; execução da proteção das margens e do fundo do canal do Valo Grande; construção de diques marginais, campanhas de monitoramento; realização de levantamentos de dados físicos, químicos e biológicos da região estuarina de Iguape para subsidiar os estudos das regras operacionais das comportas. Como diretriz complementar à presente proposta, não investir no desassoreamento do trecho denominado Ribeira Velho, entre Iguape e a foz, numa extensão de aproximadamente 27 Km, embora seja uma reivindicação freqüentemente apresentada. Estudos efetuados pelo CTH demonstram a sua impraticabilidade, pois o desassoreamento será uma obra sem efeito duradouro, de custo muito elevado, com impactos ambientais consideráveis para sua realização, e de efeito pouco significativo no controle de cheias. Haverá custos elevados de manutenção sem os efeitos desejados de escoamento das vazões de cheias, não sendo recomendada a sua execução.

 

Órgão executor:               DAEE.

Custos:                                  R$ 12 milhões.

Prazo de execução: 24 meses.

 

 

2.5.3.- Aprimorar a Rede Telemétrica local e o Sistema de Alerta contra inundações

 

 

Serviços a serem executados: dotar o sistema existente de recursos mais modernos que incluem o uso de radar meteorológico, para previsão antecipada de eventos chuvosos e inundações. As plataformas de coleta de dados (PCDs), assim como a Estação central de coleta de dados e acessórios, já foram adquiridas, estando atualmente em fase de instalação. Prevê a aquisição de um novo radar meteorológico para Ponte Nova, visando a modernização do sistema atual, e a instalação do radar substituído na bacia do Ribeira do Iguape.

 

Órgão executor:               DAEE e FCTH.

Custos:                                  R$ 2,5 milhões.

 

 

2.5.4.- Implementar programas de relocação das populações urbanas e rurais assentadas em áreas de risco

 

 

Serviços a serem executados: Preparação de “Kits” de projetos de residências sobre pilotis, com planta básica, elevação, cortes, perspectiva, memorial descrito, especificação de materiais e orçamento, para livre divulgação na região, associada com incentivos para a reforma ou reconstrução das habitações hoje em áreas de risco de inundações. Em áreas urbanas, o padrão proposto para as residências é o da CDHU, entre 35 e 42 m2 de área construída. Em áreas rurais as residências seriam reconstruídas sobre pilotis, com piso elevado de 70 m2 e área construída de 35 m2, possibilitando futuras ampliações por conta do proprietário. Poderia ser proposta uma outra alternativa intermediária, de oferecimento de um “auxílio-construção” estipulando-se uma verba para a aquisição de material de construção. As prefeituras municipais poderiam facilitar e incentivar essas reconstruções, mediante isenções de taxas municipais, “habite-se” conjugado ao fornecimento de “Kits” de projeto de residências padronizadas, e assistência técnica às obras.

 

Quantidades: 3.387 residências em áreas rurais e 1.786 em áreas urbanas, totalizando 5.173 residências localizadas em áreas de risco.

 

Órgão executor:                   CDHU e DAEE (apoio técnico em recursos hídricos).

Custos estimativo:   - R$ 41 milhões para áreas rurais (residência sobre pilotis).

                                               - R$ 16 milhões para áreas urbanas (padrão CDHU).

- Total de R$ 57 milhões.