Agenda Geral | Comitês

<Maio/2022>
DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
<Maio/2022>
DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Brasil desperdiça quase 40% de toda a água potável que detém, diz estudo

04/06/2021 - Categoria: Informes

Em 2019, o Brasil desperdiçou uma quantidade de água potável que possibilitaria abastecer 63 milhões de pessoas — cerca de 30% da população do país —, segundo um estudo divulgado hoje pelo Instituto Trata Brasil. O número representa quase 40% — 39,2% — de toda a água potável captada pelo Brasil. Os dados da pesquisa foram feitos com base nos dados de 2019 do SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento).

O volume de água potável desperdiçada pelo Brasil "seria, portanto mais que suficiente para levar água aos quase 35 milhões de brasileiros que até hoje não possuem acesso nem para lavar as mãos em plena pandemia", segundo o instituto. O número representa um aumento de 2,5 pontos percentuais ao que foi calculado em 2015, quando o Brasil registrou 36,7% de perdas na distribuição de água potável. Duas regiões estão acima da média nacional no quesito desperdício, de acordo com o estudo: Norte (55,2%) e Nordeste (45,7%). Abaixo da régua, Sul (37,5%), Sudeste (36,1%) e Centro-Oeste (34,4%) vem logoatrás.

Diferença entre estados

A liderança do Norte no índice regional fica latente ao se olhar o índice de desperdício de água potável separadamente por estado: das cinco UFs (Unidades Federativas) que lideram o ranking, todas estão na região, sendo elas: 1º: Amapá: 74%; 2º: Amazonas: 68%; 3º: Roraima: 65%; 4º: Rondônia: 61%; 4º: Acre: 61

Ainda sim, há desigualdades entre estados que estão na mesma região. No Norte, por exemplo, o Tocantins possui um índice abaixo da média nacional (34%), sendo o quinto estado com menor desperdício.

No Nordeste, o Maranhão desperdiça 59% da água potável que detém, vindo logo atrás do quinteto do Norte, enquanto Alagoas, o segundo estado com menor desperdício no país, apresenta um índice de 30% — só perde para Goiás, com 29%.

Fonte: UOL

NOTA DA COORDENADORIA DE RECURSOS HÍDRICOS: as perdas no Brasil são de fato altas e reduzí-las deve ser uma meta permanente dos setores de recursos hídricos e saneamento, entretanto, as perdas na rede de distribuição existem em todo mundo e, conceitualmente, não podem ser consideradas desperdício.